Articles

Desenvolvimento tecnológico em xeque

In Energia, Opinião, tecnologia on 26/07/2010 by E.M.Pinto Marcado: , ,

https://i0.wp.com/www.tendenciasemercado.com.br/wp-content/uploads/2010/04/pr%C3%A9-sal-petr%C3%B3leo.jpgAloisio Nóbrega e Carlos S. Camerini

– O Estado de S.Paulo


A estrutura de desenvolvimento tecnológico para o setor de petróleo no Brasil precisa ser repensada, sobretudo após a descoberta de volumes gigantescos de petróleo no pré-sal. A garantia de crescimentos expressivos tanto da demanda por novos equipamentos quanto dos recursos destinados por lei à pesquisa tecnológica torna premente a necessidade de estender os limites do conhecimento para além da universidade e ampliá-lo a toda a cadeia de fornecedores, especialmente aos subfornecedores.

O desafio está em aproveitar a onda positiva de investimento em tecnologia por petroleiras para melhorar a qualidade do produto do pequeno e do médio fornecedor e, assim, garantir a plena competitividade da indústria nacional. Desta forma, assegura-se não só o ganho ao fabricante de equipamento para a indústria do petróleo, como para todo o setor produtivo, já que muitas vezes uma única empresa atende a diferentes segmentos da economia.

Sob esse foco, torna-se cada vez mais importante estabelecer mecanismos voltados à estruturação do processo de distribuição dos recursos, sem dúvida um dos principais gargalos da sistemática legal vigente. O cerne da questão está em garantir o acesso direto das empresas aos recursos de pesquisa e desenvolvimento (P&D), de maneira a induzir de forma exponencial o desenvolvimento tecnológico do País.

Embora com disponibilidade de recurso para tal, a disseminação do acesso à tecnologia ainda é limitada e segue, como em outras esferas, algumas distorções. Na indústria fornecedora de petróleo e gás, a tecnologia permanece restrita aos fabricantes de equipamentos de grande porte, muitos deles estrangeiros, aqui estabelecidos e com oportunidade de solucionar suas demandas em seus países de origem. Enquanto isso, a base da cadeia padece de soluções.

Às vésperas do “boom” do desenvolvimento dos projetos do pré-sal, é vital que a estrutura tecnológica do setor ultrapasse os domínios do mundo acadêmico e ainda beneficie o pequeno fornecedor, praticamente excluído deste processo. Não se trata de alijar as universidades ou de tirar das grandes empresas para dar aos pequenos fornecedores, e sim de compor um cenário mais propício ao desenvolvimento tecnológico pujante, equilibrado e eficiente, que estimule a criação de um número cada vez maior de centros de tecnologia no Brasil, acessível à base da cadeia.

Antes de ser um problema de ausência de recurso, o gargalo no Brasil é estrutural. Enquanto os grandes fabricantes montam o seu quadro de especialistas para atender a suas demandas, as necessidades dos subfornecedores não encontram ressonância. As petroleiras priorizam a realização de pesquisas direcionadas às suas questões imediatas, investindo em soluções que atingem, na sua maioria, o topo da cadeia produtiva.

O cenário é agravado ainda mais diante da dificuldade na integração entre empresas e universidades. De um lado, os subfornecedores buscam soluções tecnológicas de curto e de médio prazos, voltadas às necessidades de mercado, enquanto os pesquisadores acadêmicos tendem a investir em desenvolvimento científico sofisticado, por vezes sem aplicabilidade no dia a dia da indústria.

É imprescindível estimular a proximidade entre o órgão de pesquisa, as petroleiras e os diversos segmentos da cadeia de fornecedores. A presença das universidades compromete a conexão entre eles, já que o acadêmico tem como missão ocupar a sua carga horária não só com a pesquisa tecnológica, como com o ensino em sala de aula e a produção científica. Pelo atual modelo de desenvolvimento tecnológico, há um desencontro de objetivos entre acadêmicos, indústrias petroleira e fornecedora.

O modelo de sucesso adotado em países como a Alemanha é pautado no fácil acesso dos subfornecedores a uma rede de institutos de pesquisa. Nos centros tecnológicos, o corpo técnico não possui outro objetivo senão produzir pesquisa direcionada a demandas específicas. Por aqui, vale ressaltar o êxito do Centro de Pesquisas da Petrobrás (Cenpes), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT) e do Instituto Nacional de Tecnologia (INT). A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) vem fazendo a sua parte e, recentemente, lançou um edital para a contratação de projetos voltados para o pré-sal que prevê que a demanda pela pesquisa parta diretamente da empresa.

Evoluir depende, contudo, de esclarecer os limites e as diferenças entre a prática científica e a de produção tecnológica. A busca por soluções para o setor produtivo exige a utilização do conhecimento científico produzido nas universidades de ponta. Entretanto, esse conhecimento é apenas uma matéria-prima no desenvolvimento tecnológico, uma das peças de uma complexa engrenagem. Resolver esta equação é condição fundamental para aproveitar o momento ímpar do setor de petróleo e gás e de, definitivamente, elevar a indústria brasileira a um patamar de excelência e competitividade mundial.

SUPERINTENDENTES DA ORGANIZAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO (ONIP).

Fonte: O Estado de São Paulo

Anúncios

3 Respostas to “Desenvolvimento tecnológico em xeque”

  1. Perfeito…

    Desta vez o jornalista e o ESP acertou em cheio. O que foi discutido, é a pedra angular do desenvolvimento tecnológico. ACESSO aos centros de pesquisa e desenvolvimento pelas empresas, seja ela qual for o tamanho.

    Condição sin no quo para a transição de um país industrializado para o tecnológico.

  2. O BRASIL tem q investir mt + em educação de massa,mão de obras especializadas p produzir mt + x os cerebrods necessários p formação de massa critica p o país deslanchar , ter acesso + rápido a novas tecnológias…requer mt investimento, melhorias desde o IDH , sálarios e etc, etc…é nada disso acontece, ficamos então, patinando nesse lamaçal, e dizem q estamos até < quase, bem em termos de criação e registros de patentes…e se fosse criado + cabeças pensantes?

  3. Está certo, mas é necessário também a formação de encubadoras e gerenciadoras de projetos inovadores pelas próprias empresas nacionais, no caso, centros próprios de P&D, que consigam absorver, complementar ou aperfeiçoar todo o conhecimento gerado nas grandes instituições públicas, levando a atividade de ciência e tecnologia a ser movida por patenteamentos compartilhados entre os indivíduos e empresas que participaram do processo.

    Nisso, Universidades e centros públicos de pesquisa aplicada, continuam a ter seus direitos sobre a Ciência básica, que repassada para as instituições competitivas de mercado deve ser readequada e patenteada sobre outra estrutura, com o estado priorizando a formação de mestres e doutores e estimulando a produção de artigos científicos no mercado internacional, mas mantendo suas cabeças ou seus postos de trabalho aqui dentro para que não haja perda de conhecimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: