Articles

PONTO DE VISTA – Luta pela água: Realidade ou Tempestade num Copo?

In Conflitos, Geopolítica, História, Opinião on 02/08/2010 by Comandante.Melk Marcado: , ,

http://moinansari.files.wordpress.com/2008/07/water-wars.jpg

A luta pela água pode ocorrer no futuro mais próximo. A maioria dos membros da comunidade internacional compreendem a gravidade da situação. A Assembleia Geral da ONU adotou a resolução de acordo com qual o homem tem o direito para a água pura.

A água é a substância mais comum no nosso planeta, é um fato geralmente conhecido. Mas nem toda a água é potável. Em muitos países da Ásia e África a água pura é uma raridade enquanto encontra-se em grande quantidade em fontes dos outros países. A luta pelos recursos de água já se realiza – mas ainda não em pleno. A resolução da Assembleia Geral da ONU não foi apoiada por todos os países. As delegações de 41 estados inclusive o Canadá, os EUA, a Grã-Bretanha e a Austrália abstiveram-se durante o voto.

A luta pela água vai se agravar, diz o perito de hidrogeologia Igor Davidenko.

Em 2002 o académico Leonid Abalkin num dos seus livros disse direto que o mundo tem 2 mil lugares onde começarão guerras pela água. Mas esta previsão não foi impressionante. Na verdade, guerras pela água foram frequentes no passado e continuam agora. Hoje a água está em falta. A África tem 12% da população mundial e apenas 1% da água potável. Os antigos repúblicos da Ásia Central estão a realizar uma guerra pacífica pela água porque os países “montanhosos” são capazes de construir usinas hidrelétricas e deter água que entra nos países de planície. Houve conflitos entre a Turquía e o Iraque por causa da água dos rios Tigre e Eufrates. Lá se passavam guerras terríveis.

A comunidade internacional tem procurado resolver o problema da água potável por muito tempo. Propõe várias estratégias, tais como a síntese de água do hidrogénio e do gás atmosférico. Alguns países resolvem esse problema de maneira mais simples – constroem instalações atómicas de dessalinização de água. Os cientístas propõem muitas variantes que poderão discutir no forum internacional “Água pura – 2010” que téra lugar em Moscou neste ano.

Fonte: Voz da Rússia

Anúncios

22 Respostas to “PONTO DE VISTA – Luta pela água: Realidade ou Tempestade num Copo?”

  1. O velho e falecido Costeau tinha razão em afirmar que a agua doce,potavel seria o Ouro do seculo 21.E é uma de nossas maiores riquesas Nacionais.Mãe da vida e imprescindivel a sobrevivencia.Terra planeta Agua.

  2. Usinas atômicas de alta eficiência (Brasil é referência neste assunto) flutuantes (A MB pode ajudar nisto) para alimentar as usinas costeiras de dessalinização em continentes problemáticos como a África (para evitar o perigo de golpes ou revoltas), visando o desenvolvimento local através da produção de biocombustível “orgânico” (adubação através de composto de esgoto – protege as fontes naturais de água doce) para exportação para os países desenvolvidos e cooperativas familiares de produção de alimentos (ênfase em agricultura com manejo de pouca utilização de adubos e defensivos agrícolas de origem fóssil – Brasil, também é referência nesta área) e pecuária extensiva (enquanto a dieta humana for baseada na ornívora).

    Os africanos por sua vez, ajudariam no fornecimento de combustíveis fósseis para os países ainda com grande dependência deste recurso.

    Transformar a África em um grande jardim energético renovável (incluindo até árvores com o desenvolvimento do álcool celulósico), ajudaria também no ciclo hidrológico natural ao reter mais umidade na terra e no ar = mais chuvas.

    Somando-se a isto, um novo acordo de desarmamento nuclear deixando apenas o mínimo para garantir a segurança, as ogivas nucleares desativadas poderiam servir de combustível para tal empreitada. O ganho político para Nações que auxiliarem, seria enorme, em um século onde a credibilidade é fator chave.

    Em minha opinião é perfeitamente viável. O que falta, é boa vontade política entre as Nações.

    Sugestão Cine Calango:

    Mutantes para inspirar:

  3. O problema futuro vai se concentrar na gestão da água potável e tratada, e se ela for centralizada nas mãos das corporações transnacionais, então está garantida a perpetuação da pilhagem dos recursos naturais e básicos a vida humana.

    Tem até um livro sobre esse tema, em que o autor afirma sobre os projetos da Vivendi e Monsanto para montar sistemas que dragam a água potável presentes em bolsões hídricos no território brasileiro, armazenam em bolsões e embarcam para serem vendidos em seus países de procedência. não sei se essa é uma teoria conspiratória, mas é fato que a água não é commoditie muito menos fonte de royalties.

    Na cidade de São João del Rei, por exemplo onde moram alguns parentes, a concessão da rede de abastecimento público de água será entregue para a Companhia de Águas e Saneamento de Minas Gerais – Copasa. A Copasa, apesar de ser definida como uma empresa publica está nas mãos de acionistas internacionais. Todos os anos esses acionistas recebem muito dinheiro por serem donos da água de 142 municípios mineiros. Querem incluir São João na lista para criar mais um negócio rentista que sugará os rendimentos da população apenas para suprimir uma das suas necessidades mais básicas.

    Trata-se de um negócio altamente desejado pelo capital, isento de risco e com o investimento (a rede) já realizado. A concessão deste negócio é já em si injusta, ilegítima e injustificada, uma vez que a água existe em quantidade limitada – constituindo um monopólio natural – e a sua posse fará com que todos os cidadãos paguem esses direitos de apropriação por um recurso natural que não é produzido nem reproduzível e que na sua essência é um bem público.

    Sem contar o consórcio proprietário do sistema de barragens hídricas de SP, que reteve tanta água quanto pôde nos períodos de baixa precipitação, que durante a maior intensidade pluvial não podia arriscar o transbordamento do excesso sobre as comportas, e teve de abrí-las parcialmente liberando uma imensa velocidade de vazão da água. O resultado foi a inundação da área de várzeas em partes de São Paulo.

    Na Bahia, é fato que muitos dos alagamentos não contavam com a devida infra-estrutura de saneamento básico e escoamento público, mas a concessionária privada de águas estadual ainda não haviam concluído as atrasadas obras nas galerias pluviais.

  4. Esse assunto é mt sério,e guerras serão travadas pelo precioso líquido…e é bom q tbm nós preparemos p embates pelo mesmo,em futuro ñ mt distante.

  5. “O problema futuro vai se concentrar na gestão da água potável e tratada, e se ela for centralizada nas mãos das corporações transnacionais, então está garantida a perpetuação da pilhagem dos recursos naturais e básicos a vida humana.”

    Donatelo,

    Antes de se pensar na gestão da água potável, é necessário se pensar em todo o ciclo hidrológico, ao qual, seriamente afetado pela poluição ou destruição de mananciais, se torna crítico.

    Sim, a água doce de ocorrência natural (exclui-se desanilização e outros processos) doce é um precioso bem PÚBLICO, assim como os demais recursos minerais, a exemplo da Constituição Brasileira de 88, ao qual poderá (fatalmente o será – a não ser que inventem uma máquina de “fabricar” do nada recursos naturais) ser explorado com ajuda da iniciativa privada em BENEFÍCIO PÚBLICO.

    Um grande abraço.

  6. A própria matéria ja esclarece que há opções de obtenção de água potável. Água em grande abundância existe, que é o mar. O desafio seria criar uma tecnologia que consiga desalinizar uma determinada parte da água do mar para a humanidade, de forma sustentável e eficiente para todos. Outro problema dessa sugestão é o quanto o mar é judiado por indústrias petrolíferas e navios que despejam resíduos no mar (dependendo do resíduo pode até causar câncer no consumidor) indiscriminadamente, ou com naufrágios.

    Quando se fala em água, principalmente potável, o Brasil com certeza é o país mais lembrado nesse tema. Não apenas por sua rica biodiversidade (de cada cinco espécies do planeta, uma encontra-se aqui – fonte wikidot) da qual a água é indispensável, mas por outros títulos como por exemplo seus aguiferos, onde estudos da Universidade Federal do Pará (UFPA) apontam que o chamado Aquífero Alter do Chão, localizado sob os estados do Pará, Amazonas e Amapá, pode ser o maior manancial de água doce do mundo – fonte: terra.com, mas também por possuir a maior bacia hidrográfica do mundo e um dos maiores rios que existe. Aliado á essa “riquesa” natural do Brasil, a Amazônia azul não fica atráz. Muito pelo contrário, por ser um ambiente pouquíssimo explorado, o mar territorial do Brasil pode esconder água potável de forma abundante e nem sabemos.

    Então o Brasil tem o que comemorar. Mas, consequentemente, tem do que se preocupar. Ja que a questão é luta por água, esse rico país precisaria primeiro se defender de quem deseja se apoderar dessa “fonte” de vida, o que é uma providência óbvia. Segundo, e não menos importante, se abastecer de forma igual ja que não adianta ter essa abundância de água potável se não tem condições de bem destribui-la entre sua população.

    A água é um bem de todos, para todos, mas nem todos estão ligando para essa situação o que contribui para disputas por essa valiosa substância.

  7. Isso significa que nosso pais ta em apuros pois tanto politicos,como sim grande parte da população nem liga pra isso ai ja viu um pais despreparado como o brasil sera alvo facil

  8. Falou bem André Então o Brasil tem o que comemorar. Mas, consequentemente, tem do que se preocupar. Ja que a questão é luta por água, esse rico país precisaria primeiro se defender de quem deseja se apoderar dessa “fonte” de vida, o que é uma providência óbvia. Segundo, e não menos importante, se abastecer de forma igual ja que não adianta ter essa abundância de água potável se não tem condições de bem destribui-la entre sua população.

    A água é um bem de todos, para todos, mas nem todos estão ligando para essa situação o que contribui para disputas por essa valiosa substância.

  9. André A água é um bem de todos, para todos, mas nem todos estão ligando para essa situação o que contribui para disputas por essa valiosa substância.

    Exemplo nossa população grande parte

  10. Voces acham que é assim tão facil né…A alguns anos atraz passei por uma cidade Baiana.Nesse ano houve uma seca horrivel,não existia nem graveto seco e a terra estava preta queimada pelo sol,esteril,sem qualquer tipo de nutrientes.A população desta cidade era grande e a unica alternativa foi bombear a agua do oceano e trata-la.O indice de pessoas que estavam ficando doentes por isso crescia assustadoramente,alarmante.Um segredinho:Porque a agua das geleiras é doce ? Pois deveriam ser salgadas!Porque o sal não congela,ele se cristaliza,desce pro fundo do mar e se aglutina.

  11. CUIDE DA AGUA DOCE QUE TENS ANTES QUE FIQUES SEM…Mesmo que a produza sinteticamente jamais sera como a que a Naturesa produz…Pobre Homem que não conhece a si proprio e nem o mundo que habita e acha que pode conquistar e dominar o Universo.

  12. Artigo interessante:

    Transformar água salgada em água potável, com o sol ea energia eólica

    A escala comercial, instalações de dessalinização da água do mar alimentado por energia solar e eólica, que produz água doce e sal seco foi desenhado por pesquisadores espanhóis. O novo processo não dispensa a água salgada altamente concentrada de volta para o mar como um subproduto, garantindo que há pouco dano ao ambiente marinho.

    As fábricas dessalinizadoras extrato de água doce da água do mar e da tecnologia é visto como uma forma de atender a demanda crescente de água potável em climas secos. Fluxo de entrada de água do mar é usada como um refrigerante e como matéria-prima para a separação de sal e de água doce, mas o processo é intensivo de energia e danos ambientais pode ocorrer se a água salgada, que tem uma maior concentração de sal do mar, é produzida como um subproduto e devolvidos ao mar.

    A usina foi projetada para minimizar o impacto global sobre o meio ambiente. As energias renováveis na forma de energia solar e eólica é utilizada em vez da energia derivada de combustíveis fósseis e sal é extraído como um subproduto valioso.

    O processo de dessalinização consiste em duas etapas integradas, que produzem cerca de 100 metros cúbicos de água doce por hora (m3 / h). Durante a primeira fase, uma fábrica de destilação concentra a água do mar, usando o calor fornecido por uma matriz de células solares. Cerca de 37,5 m3 / h de água doce é produzido durante esta etapa. Na segunda etapa do fluxo de água salgada, desde a primeira etapa é alimentada para um sistema de compressão de vapor em que a separação final de sal e água ocorre. Eletricidade necessária para esta fase vem de energia eólica, e cerca de 62,5 m3 / h de água sem sal é obtido. O sal é separado e recuperado completamente durante este estágio.

    O consumo de energia da planta proposta é 2362 kWt h, (medidos em kilowatts unidades térmicas), para o sistema de destilação e 1.944 kWe h (medido em quilowatt unidades elétricas) para a planta de compressão. Os investigadores sugerem que a absorção de energia da etapa de compressão podem ser contrabalançados pela venda de eletricidade excedente gerada por turbinas de vento e da venda do sal recuperado.

    A energia eólica é variável, dependendo da velocidade do vento e da quantidade de tempo é de vento. Se a planta estiver conectado à rede eléctrica nacional, a energia excedente pode ser vendido quando a energia disponível e complementar da rede pode ser usada quando não há vento. Isso permitiria que a planta para operar continuamente. O uso de fontes de energia renováveis podem também reduzir os custos, aproveitando os subsídios.

    O custo total de produção de um metro cúbico de água dessalinizada é estimada em 4,22 Euros (quando o estudo foi realizado em 2007), incluindo fatores como capital inicial e de trabalho. No entanto, este número cai para 0,59 Euros, se a receita da venda do sal e da energia está incluído. Qualquer subsídios de energia reduziria ainda mais esse preço.

    Fonte: Fernández-López, C., Viedma, A., Herrero, R., Kaiser, AS (2009). Usina de dessalinização de água do mar integrado sem descarga de água salgada e alimentado por sistemas de energia renovável. Dessalinização. 235:179-198.

    Original em: http://ecolution-news.blogspot.com/2009/02/processo-inovador-de-desanilizacao.html

  13. Tradução By google.

  14. Estava esquecendo a resposta:

    É tempestade em copo d’água. O custo de desanilização (solar/nuclear – solar no princípio do processo para aquecer a água e energia elétrica proveniente de combustível nuclear para o restante) e reservatórios como os nossos açudes no semi árido, é bem mais baixo que o transporte de grandes quantidades (ex. geleiras, ou furto de água) e sua distribuição.

    Resumindo, a água para fins de alimentos e consumo humano tem que ser adquirida próximo ao local de seu consumo.

  15. Meus caros,

    Uma das preocupações, que passa despercebida a muitos, dos israelenses na Palestina e região são a posse dos mananciais de água potável, e segundo estimativas eles já controlam 85% das mesmas. Porque esta fixação tão grande pelo domínio da faixa de Gaza?
    A citação do Sr. André sobre as descobertas da UFPA das reserva subterrâneas chamada provisóriamente de Aquífero Alter do Chão, segundo eu li já é dada como quase certo tratar-se da maior reserva subterrânea que se conhece no mundo, devido a sua grande espessura. A maior conhecida oficialmente (ainda) é a da Austrália, conhecida como “Grande Bacia Artesiana”, depois vem a do Paraguai, conhecido como “Aquífero Guarany”. Coincidentemente, os nosso “irmãos” do norte, no fim do governo Bush começaram a negociar com o governo paraguaio a instalação de uma base aérea próxima a tríplice fronteira. Sabe-se que os EUA já mantém uma aeroporto semi-clandestino em Mariscal Estigarribia, povoado na região do Chaco, perto da fronteira com a Bolívia, onde se pode aterrissar aviões B-52 e Galaxys. Creio tratar-se de matéria do interesse do UNASUL, não? Eles estão nos cercando, só não vê quem é cego ou não quer ver!!! Quem quiser saber de mais detalhes é só acessar o link abaixo.
    http://www.espacoacademico.com.br/053/53bandeira.htm
    Saudações
    Lopes

  16. Meus caros,

    Uma das preocupações, que passa despercebida a muitos, dos israelenses na Palestina e região são a posse dos mananciais de água potável, e segundo estimativas eles já controlam 85% das mesmas. Porque esta fixação tão grande pelo domínio da faixa de Gaza?
    A citação do Sr. André sobre as descobertas da UFPA das reserva subterrâneas chamada provisóriamente de Aquífero Alter do Chão, segundo eu li já é dada como quase certo tratar-se da maior reserva subterrânea que se conhece no mundo, devido a sua grande espessura. A maior conhecida oficialmente (ainda) é a da Austrália, conhecida como “Grande Bacia Artesiana”, depois vem a do Paraguai, conhecido como “Aquífero Guarany”. Coincidentemente, os nosso “irmãos” do norte, no fim do governo Bush começaram a negociar com o governo paraguaio a instalação de uma base aérea próxima a tríplice fronteira. Meus caros,
    Uma das preocupações, que passa despercebida a muitos, dos israelenses na Palestina e região são a posse dos mananciais de água potável, e segundo estimativas eles já controlam 85% das mesmas. Porque esta fixação tão grande pelo domínio da faixa de Gaza?
    A citação do Sr. André sobre as descobertas da UFPA das reserva subterrâneas chamada provisóriamente de Aquífero Alter do Chão, segundo eu li já é dada como quase certo tratar-se da maior reserva subterrânea que se conhece no mundo, devido a sua grande espessura. A maior conhecida oficialmente (ainda) é a da Austrália, conhecida como “Grande Bacia Artesiana”, depois vem a do Paraguai, conhecido como “Aquífero Guarany”. Coincidentemente, os nosso “irmãos” do norte, no fim do governo Bush começaram a negociar com o governo paraguaio a instalação de uma base aérea próxima a tríplice fronteira. Sabe-se ainda que os EUA já mantém uma aeroporto semi-clandestino na região do Chaco. Em 1983, durante a ditadura do general Alfredo Stroessner, técnicos americanos construíram a base denominada Mariscal Estigarríbia, na Província de Boqueronen, localidade com apenas 3.000 habitantes, no Chaco Paraguaio, a cerca de 250 km da Bolívia e próxima das Províncias argentinas de Formosa e Salta. Essa base possui enorme sistema de radar, amplos hangares e uma torre de controle de tráfego aéreo. A pista, com um total de 3.500 km de comprimento, é maior do que a do Aeroporto Internacional de Assunção (do tamanho da maior pista do aeroporto do Galeão) e foi ampliada e restaurada nos anos 90. Ela permite aterrissagem de aviões de grande tamanho, como os Galaxys e os B-52.
    Creio tratar-se de matéria do interesse do UNASUL, não? Eles estão nos cercando, só não vê quem é cego ou não quer ver!!! Quem quiser saber de mais detalhes é só acessar o link abaixo.
    http://www.espacoacademico.com.br/053/53bandeira.htm
    Saudações
    Lopes

  17. Meus caros,

    Uma das preocupações, que passa despercebida a muitos, dos israelenses na Palestina e região são a posse dos mananciais de água potável, e segundo estimativas eles já controlam 85% das mesmas. Justifica-se então esta fixação tão grande dos israelenses pelo domínio da faixa de Gaza?
    A citação do Sr. André sobre as descobertas da UFPA das reserva subterrâneas chamada provisoriamente de Aquífero Alter do Chão, segundo eu li já é dada como quase certo tratar-se da maior reserva subterrânea que se conhece no mundo, devido a sua grande espessura, maior que a da Austrália. A maior conhecida oficialmente (ainda) é a da Austrália, conhecida como “Grande Bacia Artesiana”, depois vem a do Paraguai, conhecida como “Aquífero Guarany”. Coincidentemente, os nosso “irmãos” do norte, no fim do governo Bush começaram a negociar com o governo paraguaio a instalação de uma base aérea próxima a tríplice fronteira. Mas não foi a primeira ação deles. Sabe-se também que os EUA já mantém uma aeroporto semi-clandestino na região do Chaco, desde 1983, quando durante a ditadura do general Alfredo Stroessner, técnicos americanos construíram a base denominada Mariscal Estigarríbia, na Província de Boqueronen, localidade com apenas 3.000 habitantes, no Chaco Paraguaio, a cerca de 250 km da Bolívia e próxima das Províncias argentinas de Formosa e Salta. Essa base possui enorme sistema de radar, amplos hangares e uma torre de controle de tráfego aéreo. A pista, com um total de 3.500 km de comprimento, é maior do que a do Aeroporto Internacional de Assunção (do tamanho da maior pista do aeroporto do Galeão) e foi ampliada e restaurada nos anos 90. Ela permite aterrissagem de aviões de grande tamanho, como os Galaxys e os B-52.
    Creio tratar-se de matéria do interesse não só nosso como também principalmente do MERCOSUL, porque constitui uma violação do mesmo. Eles estão nos cercando, só não vê quem é cego ou não quer ver!!! Quem quiser saber de mais detalhes é só acessar o link abaixo.
    http://www.espacoacademico.com.br/053/53bandeira.htm
    Saudações
    Lopes

  18. Lopes,

    Relaxa, em breve não terão como suportar estas bases (custo econômico e moral altos).

    SDS.

  19. Meus caros,

    Uma das preocupações, que passa despercebida a muitos, dos israelenses na Palestina e região são a posse dos mananciais de água potável, e segundo estimativas eles já controlam 85% das mesmas. Justifica-se então esta fixação tão grande dos israelenses pelo domínio da faixa de Gaza?
    A citação do Sr. André sobre as descobertas da UFPA das reserva subterrâneas chamada provisoriamente de Aquífero Alter do Chão, segundo eu li já é dada como quase certo tratar-se da maior reserva subterrânea que se conhece no mundo, devido a sua grande espessura, maior que a da Austrália. A maior conhecida oficialmente (ainda) é a da Austrália, conhecida como “Grande Bacia Artesiana”, depois vem a do Paraguai, conhecida como “Aquífero Guarany”. Coincidentemente, os nosso “irmãos” do norte, no fim do governo Bush começaram a negociar com o governo paraguaio a instalação de uma base aérea próxima a tríplice fronteira. Mas não foi a primeira ação deles. Sabe-se também que os EUA já mantém uma aeroporto semi-clandestino na região do Chaco, desde 1983, quando durante a ditadura do general Alfredo Stroessner, técnicos americanos construíram a base denominada Mariscal Estigarríbia, na Província de Boqueronen, localidade com apenas 3.000 habitantes, no Chaco Paraguaio, a cerca de 250 km da Bolívia e próxima das Províncias argentinas de Formosa e Salta. Essa base possui enorme sistema de radar, amplos hangares e uma torre de controle de tráfego aéreo. A pista, com um total de 3.500 km de comprimento, é maior do que a do Aeroporto Internacional de Assunção (do tamanho da maior pista do aeroporto do Galeão) e foi ampliada e restaurada nos anos 90. Ela permite aterrissagem de aviões de grande tamanho, como os Galaxys e os B-52. Para quem quiser conferir no Google Earth (Lat: 22º 02′ 38” S; Lon: 60º 37′ 20” W), pistas 01 e 19.
    Creio tratar-se de matéria do interesse não só nosso como também principalmente do MERCOSUL, porque constitui uma violação do mesmo. Eles estão nos cercando, só não vê quem é cego ou não quer ver!!! Quem quiser saber de mais detalhes é só acessar o link abaixo.
    http://www.espacoacademico.com.br/053/53bandeira.htm
    Saudações
    Lopes

  20. i i i i i deu tilti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: