Articles

THE NEW YORK TIMES – A guerra no Afeganistão: ecos do Vietnã

In Conflitos, Defesa, Geopolítica, Opinião on 04/08/2010 by Comandante.Melk Marcado: , , ,

https://i0.wp.com/blog.cagle.com/jones/files/2009/09/obamahurt-locker1.jpg

Por Noam Chomsky

Os Registros de Guerra – um arquivo de seis anos de documentos sigilosos sobre a guerra no Afeganistão, divulgado na Internet pela organização WikiLeaks – documentam uma luta terrível que está se tornando ainda mais terrível, sob a perspectiva dos Estados Unidos. E, para os afegãos, a guerra é um horror crescente.

Os Registros de Guerra, por mais valiosos que sejam, podem contribuir para a infeliz e prevalecente doutrina de que as guerras só são erradas quando não são bem sucedidas – algo similar ao que os nazistas sentiram após Stalingrado.

No mês passado houve o fiasco do general Stanley A. McChrystal, obrigado a renunciar ao cargo de comandante das forças dos Estados Unidos no Afeganistão, e substituído pelo seu superior, o general David H. Petraeus.

Uma consequência plausível é o relaxamento das regras de combate, de forma que seja mais fácil matar civis, bem como um grande prolongamento da guerra, à medida que Petraeus utilizar a sua influência no congresso para atingir esse resultado.

O conflito no Afeganistão é a principal guerra atual do presidente Barack Obama. O objetivo oficial é nos protegermos da Al Qaeda, uma organização virtual, que não possui uma base específica – ela é uma “rede de redes” e uma “resistência sem liderança”, conforme a organização tem sido definida nos textos profissionais. Atualmente, muito mais do que antes, a Al Qaeda consiste de facções relativamente independentes e fracamente vinculadas espalhadas pelo mundo.

A CIA calcula que entre 50 e 100 ativistas da Al Qaeda podem estar neste momento no Afeganistão, e não existe existe nenhuma indicação de que o Taleban queira repetir o erro de oferecer abrigo à organização.

O Taleban parece estar bem estabelecido na sua vasta área proibida, uma grande parte dos territórios habitados pela etnia pashtun.

Em fevereiro último, no primeiro exercício da nova estratégia de Barack Obama, fuzileiros navais dos Estados Unidos conquistaram Marja, um pequeno distrito na província de Helmand, o principal centro da insurgência.

Lá, segundo Richard A. Oppel Jr., do “New York Times”, “os fuzileiros navais colidiram com uma identidade taleban tão dominante que o movimento parece se constituir na única organização política em uma cidade de um só partido, tendo uma grande influência que atinge a todos… Nós precisamos reavaliar a nossa definição da palavra ‘inimigo’, afirmou o general de brigada Larry Nicholson, comandante da brigada expedicionária dos fuzileiros navais na província de Helmand. ‘A maioria das pessoas aqui se identifica como taleban… Nós precisamos reajustar o nosso pensamento, de forma que não estamos tentando expulsar o Taleban de Marja. O que estamos fazendo é tentar expulsar o inimigo’”.

Os fuzileiros navais norte-americanos estão enfrentando um problema que sempre afligiu conquistadores, um problema com o qual os Estados Unidos se tornaram bastante familiarizados no Vietnã. Em 1969, Douglas Pike, o principal especialista em Vietnã do governo dos Estados Unidos, lamentou que o inimigo – a Frente de Libertação Nacional – fosse o único “verdadeiro partido político de massas no Vietnã do Sul”.

Qualquer tentativa de competir politicamente com tal inimigo seria como um conflito entre uma sardinha e uma baleia, admitiu Pike. Portanto, nós tivemos que superar a força política da Frente de Libertação Nacional usando a nossa vantagem comparativa, a violência – com resultados terríveis.

Outros enfrentaram problemas similares: por exemplo, os russos no Afeganistão na década de oitenta, quando venceram todas as batalhas, mas perderam a guerra.

Escrevendo a respeito de uma outra invasão protagonizada pelos Estados Unidos – a das Filipinas, em 1898 –, Bruce Cumings, um historiador da Universidade de Chicago especializado em história da Ásia, fez uma observação que se aplica de forma bastante apropriada ao Afeganistão atual: “Quando um marinheiro percebe que o rumo que está seguindo é desastroso, ele modifica a sua rota, mas exércitos imperialistas afundam as suas embarcações em areia movediça e continuam marchando, ainda que em círculos, enquanto os políticos apresentam o livro de citações dos ideais norte-americanos”.

Após o triunfo de Marja, acreditava-se que as forças lideradas pelos Estados Unidos atacariam a grande cidade de Kandahar, onde, segundo uma pesquisa feita pelo exército norte-americano em abril último, 95% da população é contrária à operação militar, e 5% ou 6% dela considera os talebans os seus “irmãos afegãos” – novamente, ouvimos ecos de conquistas anteriores. Os planos para Kandahar foram adiados, parte disso devido à saída de McChrystal.

Sob tais circunstâncias, não é de se surpreender que as autoridades dos Estados Unidos estejam temendo que o apoio popular à guerra no Afeganistão caia ainda mais.

Em maio, o WikiLeaks divulgou um memorando da CIA, redigido em março, sobre como sustentar o apoio europeu ocidental à guerra. O subtítulo do memorando é: “Por que contar com a apatia pode não ser suficiente”.

“A baixa exposição da missão no Afeganistão possibilitou que líderes franceses e alemães desprezassem a oposição popular e aumentassem sistematicamente as suas contribuições em tropas para a Força Internacional de Assistência para Segurança (Isaf, na sigla em inglês)”, informa o memorando.

“Atualmente, Berlim e Paris contam respectivamente com o terceiro e o quarto maior contingente de tropas da Isaf, apesar da oposição de 80% da população alemã e francesa ao aumento do número de soldados da Isaf”. É portanto necessário “adequar as mensagens” para “impedir ou pelo menos conter a reação contrária”.

O memorando da CIA deveria fazer com que nos lembrássemos de que os Estados possuem um inimigo interno: a sua própria população, que precisa ser controladas quando o povo se opõe à política estatal.

As sociedades democráticas se baseiam não na força, mas na propaganda, que fabrica a aquiescência por meio da “ilusão necessária” e da “supersimplificação emocionalmente potente”, para citar Reinhold Niebuhr, o filósofo favorito de Barack Obama.

Sendo assim, a batalha para controlar o inimigo interno continua sendo altamente pertinente – de fato, o futuro da guerra no Afeganistão pode depender disso.

Tradução: UOL

Fonte:UOL

Anúncios

7 Respostas to “THE NEW YORK TIMES – A guerra no Afeganistão: ecos do Vietnã”

  1. A maldiçãovai durar p sempre,até o fim da hegemonia dos ianks militarmente,ótimo.Já vão tarde,e seus aliados juntos.

  2. Os americanos são uns bundões mesmos!
    Vão para a guerra e chamam uns amiguinhos pra ajudar!!!! (No caso França,Alemanha e Ingraterra).
    Que covardia em Tio Sam!! Nem assim conseguem ganhar!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Abraços a todos.

  3. Fim aos Eua e seus aliados do inferno!!!!!!!!!!!

  4. Ecos do Vitnã ou trauma?Quando não lhes vem a instantanea vitoria não teem o condicionamento psicologico de resistir e superar.Soldados bundões que jamais conseguiram passar de nosso segundo estagio de guerra na selva.Quando o poderio não obtem o resultado entra em ação o fator psico que transforma o inferior na mais sangrenta maquina de matar.

  5. Kramba, só comments xiitas aqui! KKK Assim não né pessoal, pouco mais de bom-senso pra não cair a qualidade do fórum e acharmos que só mininada de 8 anos posta aqui…

    Está claro que a estratégia no Afeganistão ruiu, queriam o Al Caeda, mas se viram no meio de um lugar onde ela se confunde com todos que estão lá. Retirada já seria algo a se pensar, rapidamente, para um novo plano de caça ao Al Caeda, menos intrusivo.

  6. Essa guerra parece como uma piada que um amigo do meu pai contou…
    O diabo estava pedindo carona, entao parou um motorista e deu carona ao diabo…chegando numa encruzilhada esta um super caminhao ..dai o diabo disse vai que da’..o motorista morreu, chegando no inferno, o motorista, mas que p…..vc disse que dava pra passar..O diabo responde, foi mal, nao deu….
    Esta todo mundo vendo que e’ burrice,os politicos ocidentais dizendo ..vai que da’….

  7. eh triste ver o que EUA fizeram desde a II Guerra… tinham tudo para serem lideres perpetuos, mas por egoismo pueril e desespero por poder, apoiaram golpes, ditaturas, minipularam governos, em alguns casos jogaram dos dois lados… e agora estao (apenas comecando) a perder o trem da historia…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: