Articles

FX2 – Executivo da sueca Saab condiciona investimentos no Brasil à compra de caças

In Aviões de Combate, Defesa, Negócios e serviços on 10/08/2010 by Comandante.Melk Marcado: , ,

https://i0.wp.com/img230.imageshack.us/img230/3039/nuevo2tp6.jpg

Para Ake Albertsson, troca de tecnologia é fundamental no negócio

O vice-presidente de cooperação industrial da empresa sueca Saab – fabricante do avião de caça Gripen, um dos candidatos a próximo vetor de guerra brasileiro – disse nesta segunda-feira (9) que possíveis investimentos da companhia no Brasil estão vinculados ao fechamento do acordo de compra das aeronaves.

Em evento no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), Ake Albertsson afirmou que Brasil e Suécia tem “indústrias de tecnologia complementares”, que podem trabalhar em conjunto caso o governo brasileiro compre os caças suecos.

– Você precisa de um incentivo para fazer investimentos desse tipo. É preciso ter certeza de que haverá dinheiro para custear os investimentos, por exemplo. Albertsson também defendeu a escolha do avião Gripen NG (New Generation) pelas Forças Armadas do Brasil com base no possível desenvolvimento que a construção conjunta da aeronave – que ainda está em fase de projeto – traria para os brasileiros.

– Se a Suécia tivesse comprado uma aeronave pronta na época (o Gripen entrou em operação no meio da década de 1990), a sociedade teria perdido. Se o Brasil comprar uma aeronave pronta, esse desenvolvimento tecnológico não vai existir.

O executivo sueco também disse que a proposta de venda de caças da Saab garante total transferência de tecnologia ao Brasil, o que, em tese, permitiria a adaptação de armas e componentes de fabricação nacional, bem como atualizações e modificações no futuro.

Para Albertsson, o fato de a proposta incluir a montagem dos aviões em território nacional representa uma oportunidade de transformar o Brasil em possível exportador de Gripens para outros países da região que comprarem a aeronave.

Fonte:R7

Anúncios

51 Respostas to “FX2 – Executivo da sueca Saab condiciona investimentos no Brasil à compra de caças”

  1. Esse condiciomanemento,lêia-se chantagem, já desqualifica o gripen NG, ele é pa país pqno , por ter pouquissima autonômia, e básicamente um produto ianks produzido no exterior, bem inferior ao rafale dos francos, e pior:N existe…por falta de adeus, até logo.hasta la vista gringo.

  2. Acreditar que uma empresa vai investir bilhões no brasil sem que o pais compra os caças so pode ser mesmo coisa de gente que acredita na terra do queijo podre.

  3. Agora, o desespero completo do lobie, começaram as chantagens! Os caras não tem qualquer vergonha da cara!

  4. A isso chama-se de Terrorismo Econômico.
    Ou você compra meu F-5 Digital ou estou de mal contigo.

  5. O título da matéria poderia ser diferente.

    Por exemplo:
    – Brasil e Suécia tem “indústrias de tecnologia complementares” –

    Ou ainda:
    – Saab garante total transferência de tecnologia ao Brasil –

    A escolha do título da matéria é uma opção editorial do veículo de comunicação, sendo que, muitas vezes, é determinante no foco da leitura. Ou melhor, da NÃO leitura, pois é muito comum ignorar o teor da matéria (ou entrevista) e ficar apenas na chamada do editor.

    Mas em relação à chamada em si, que tenta dar um foco negativo, é uma verdade de grande simplicidade. Qualquer empresa vai investir onde houver mercado.

    Imagine o Super Hornet vencendo o F-X2.
    Alguém acredita que Dassault ou Saab iriam investir no Brasil?

    Qual o motivo da General Eletric ter uma subsidiária de porte no Brasil?
    A GE-Celma no Rio de Janeiro.
    Certamente por haver uma enorme frota voando com motores GE por aqui, além de termos mão-de-obra qualificada. Que, inclusive, vai se qualificar cada vez mais atendendo este mercado de manutenção.

    Vamos ler toda a notícia, com calma e equilíbrio.

    Abç,
    Ivan.

  6. Em tempo.
    Tanto a matéria como a chamada são do R7.
    O Blog apenas a transcreveu, de forma transparente e correta.

    Respeitosamente,
    Ivan.

  7. prefiro o rafale com os franceses despejando dinheiro aqui a tempos

  8. Esse papo de Gripen NG já encheu os culhões. Os russos foram estranhamente eliminados do FX-2, mas nem por isso ficam choramingando pelos cantos ou empreendendo esforços para melar o programa. O mesmo se diga dos americanos, embora, teoricamente, o F-18 ainda possa ser escolhido. Putz, falta muita dignidade aos suecos e a seus lacaios “brasileiros”.

  9. Ao contrário dos franceses, a SAAB já investe na industria aeronáutica brasileira a muito tempo.

    Empresas brasileiras como a Akaer, Friuli, Winnstal, Minoica e Imbra completaram recentemente um ano de participação no programa do Gripen. E a SAAB já afirmou diversas vezes que essa participação independe de qual avião será escolhido no FX-2.
    Isso sim, é transferência de tecnologia.

    Agora me digam que empresas brasileiras estão trabalhando no Rafale?

  10. Concordo em parte com o Sr Ake Albertsson. Não se deve esperar nenhum investimento nesta área se não existir um pedido mínimo de aeronaves que viabilize o projeto. Agora, acredito que ele exagera quando fala que a Sociedade Sueca perderia se não investisse em desenvolvimento de aeronaves de combate. As tecnologia na Suécia nascem em suas Universidades e Centros de Pesquisa. Em parte, atreladas a empresas, mas esta é a parte fácil, colocar em produção as idéias nascidas nos Centros de Pesquisa. A Suécia abriu mão de uma indústria com maior potencial de desenvolvimento de tecnologias, como é a competitiva indústria automobilística.
    No caso do Gripen NG, os riscos estão todos com o contratante, logo Brasil ou Índia. Não vejo motivos para o Brasil embarcar neste projeto. Além do projeto mais adequado a países com as dimensões Suecas que não é o nosso caso.
    [ ]s

  11. Gunsalmo :Ao contrário dos franceses, a SAAB já investe na industria aeronáutica brasileira a muito tempo.
    Empresas brasileiras como a Akaer, Friuli, Winnstal, Minoica e Imbra completaram recentemente um ano de participação no programa do Gripen. E a SAAB já afirmou diversas vezes que essa participação independe de qual avião será escolhido no FX-2.Isso sim, é transferência de tecnologia.
    Agora me digam que empresas brasileiras estão trabalhando no Rafale?

    Discordo, pois as raízes da Embraer é Francês. O Bandeirantes nasceu desta aproximação (intercâmbio de engenheiros) Brasil x França. E o maior dos exemplos está nos submarinos de nova geração Brasileiros, incluindo um nuclear.

  12. Não vem que não temmmmmmmmmmmmm!

  13. Wolfpack em 10/08/2010 às 14:10

    “Discordo, pois as raízes da Embraer é Francês. O Bandeirantes nasceu desta aproximação (intercâmbio de engenheiros) Brasil x França. E o maior dos exemplos está nos submarinos de nova geração Brasileiros, incluindo um nuclear.”

    Wolfpack, vc não me respondeu:

    Que empresas brasileiras estão trabalhando no Rafale?

  14. “se Fosemos do tamanho do Paraguai o jato da Saab seria ideial pra nois”

    Com 1.300 km de raio de combate e traslado de 4.000 km (aproximadamente as mesmas distâncias cobertas pelos outros aviões) não sei onde o Gripen não atenderia nossas necessidades, principalmente nas quantidades que pretende-se adquirir…

    Se formos pensar somente em autonomia, é melhor comprar vários Airbus A-380, equipá-los com mísseis e baias para bombas e usá-los como caças…

  15. Só para alguns se lembrarem, a HELIBRAS é capital francês, a OMNYSIS foi comprada pela Thales, os franceses compraram parte do capital da Embraer, estão agora no Estaleiros do SNA. A Thales é uma das maiores empresas investidoras no Brasil na área de tecnologia. Estou me restringindo a empresas de tecnologia bélica.

  16. Jakson.
    Pelo que eu lembre, o presidente da SAAB falou que, independente do vencedor do FX-2, a empresa capacitaria fabricantes brasileiros para desenvolver peças do Gripen.
    Mas concordo com o Ivan. O chamada foi um pouco tendenciosa.
    O Brasil continua um ótima opção para fabricação de peças “baratas” e de boa qualidade do lado ocidental. Nem todos confiam na qualidade das peças da China e em sua política expancionista.

  17. Parabens pessoal voces são brasileiros de verdade finalmente a população falou algo correto e justo para o desenvolvimento do pais valeu gente esses suecos suman com seu caça de papel e tentando fazer o pais de tolo basta disso

  18. Chantagem não saab aprenda perder

  19. “a SAAB já afirmou diversas vezes que essa participação independe de qual avião será escolhido no FX-2”
    Gunsalmo, é só ler a notícia:
    OS VIKING NAUM VAUM INVESTI SE AXENTE NAUM COMPRA. Tá ligado? rsrsrs
    ————————————————————————-
    Olha Gunsalmo use a lógica que reclama do KLM.
    O KLM está dizendo que o gripe é para um país pequeno, como a Suécia, como o Paraguai, já o F-18 o Rafale o SU, são aviões feitos para projetar poder, feitos por potências, sacou? Já o outro dia tivemos a mesma conversa.
    Por exemplo o gripe pode transportar nukes?
    Olha, a FAB cedo o tarde vai ter que transportar esse tipo de bicho.
    (Acho a FAB não vai querer, mas eles vão ter que fazer o que o povo decida, que se tratando de ter nukes são decisões “políticas” kkk)

  20. Uma vantagem dos outros concorrentes é o fato dos dois motores, ja comentado por muitos leitores neste blog.
    Se eu tivesse que ir de São Paulo a Tabatinga, ou seja atravessar a Amazônia de jipe, eu gostaria de ter 2 motores. E olha que o jipe quando empaca ele não cai não, ele já está no chão, imagina andar lá cima pelas núvens no meio do mar verde e ficar sem motor. Eu sei, o piloto pula, e o gripe? já era.
    Numa dessas o piloto é recibido numa tribo como um deus, e o gripe vai cair numa reunião duma Ong. kkkk

  21. Os porcos suecos vão fazer de tudo pra melar o nosso F-X…depois do humilhante fracasso do gripenado na India.
    Preparem-se para notícias sujas!!!
    Não se conformam que perderam credibilidade aqui com tanta baboseira mentirosa e fictícia do seu caçinha jpeg…

  22. Milton Bras Cabral em 10/08/2010 às 15:46

    “Gunsalmo, é só ler a notícia:
    OS VIKING NAUM VAUM INVESTI SE AXENTE NAUM COMPRA. Tá ligado? rsrsrs”

    Milton vc é que não está sabendo ler: Os Viking, como vc diz, já investem no Brasil há muito tempo. A participação dessas empresas que eu citei já completou 1 ano. Se tem alguma dúvida, pesquise no Google cada uma delas.

    só como exemplo, dois links falando sobre a associação entre a SAAB e a Akaer:

    http://www.alide.com.br/joomla/index.php/capa/75-extra/717-alide-entrevista-cesar-silva-akaer

    http://defesabrasil.com/site/noticias/industria-nacional/saab-assina-memorando-de-entendimento-com-a-akaer.php

    Os investimentos que estão condicionados á compra do Gripen são aqueles referentes à criação de um polo aeronáutico e uma linha de montagem do Gripen aqui no Brasil.
    É óbvio que esses estão condicionados à compra pois não teria sentido ter uma linha de montagem aqui de um avião que não será usado pela FAB. Isso, nenhum dos fabricantes fará.

    A Dassault divulgou uma lista de empresas brasileiras que poderiam, no futuro, fabricar componentes do Rafale. A fabricação desses componentes, todavia, seria apenas para os Rafale encomendados pelo Brasil e, mais importante, SÓ SE O RAFALE FOR O ESCOLHIDO NO FX-2.

    Essa é a grande diferença entre SAAB e Dassault: A primeira já investe e transfere tecnologia a um ano, independente do FX-2. A segunda, talvez transfira alguma coisa no futuro, mas só se o produto dela for o escolhido.

    Um abraço.

  23. Milton Bras Cabral em 10/08/2010 às 15:46

    “Por exemplo o gripe pode transportar nukes?”

    Milton, até os vetustos A-4 Skyhawk comprados de segunda mão pela marinha podem carregar “nukes”. Alias foram desenvolvidos para a marinha americana com esse fim.
    Essa desculpa de serem para “projetar poder, feitos por potências” não cola, sacou?

    Um abraço.

  24. Milton, quanto ao fato da SAAB não querer investir, vc é que não está sabendo ler: Os Viking, como vc diz, já investem no Brasil há muito tempo. A participação dessas empresas que eu citei já completou 1 ano. Se tem alguma dúvida, pesquise no Google cada uma delas.

    só como exemplo, dois links falando sobre a associação entre a SAAB e a Akaer:

    http://www.alide.com.br/joomla/index.php/capa/75-extra/717-alide-entrevista-cesar-silva-akaer

    http://defesabrasil.com/site/noticias/industria-nacional/saab-assina-memorando-de-entendimento-com-a-akaer.php

    Os investimentos que estão condicionados á compra do Gripen são aqueles referentes à criação de um polo aeronáutico e uma linha de montagem do Gripen aqui no Brasil.
    É óbvio que esses estão condicionados à compra pois não teria sentido ter uma linha de montagem aqui de um avião que não será usado pela FAB. Isso, nenhum dos fabricantes fará.

    A Dassault divulgou uma lista de empresas brasileiras que poderiam, no futuro, fabricar componentes do Rafale. A fabricação desses componentes, todavia, seria apenas para os Rafale encomendados pelo Brasil e, mais importante, SÓ SE O RAFALE FOR O ESCOLHIDO NO FX-2.

    Essa é a grande diferença entre SAAB e Dassault: A primeira já investe e transfere tecnologia a um ano, independente do FX-2. A segunda, talvez transfira alguma coisa no futuro, mas só se o produto dela for o escolhido.

    Um abraço.

  25. Olha o que uma escolha politica faz:

    Passaram-se anos nos estudos das necessidades dos aviões militares. A base de Anápolis está aposentando os Mirages, que cumpriram missões durante anos. A revisão geral custa muito caro e a FAB resolveu ir usando os que estão em condições. Peças são retiradas de uns para que os voos não parem. A manutenção dos aparelhos é quase inviável em termos econômicos e de segurança.
    http://www2.correiobraziliense.com.br/cbonline/colunas/col_vlo.htm

    Isso e que da comprar um caça caro, de manutenção e operação caras,antes que perguntem da materia é sobre o M2000 sim.

  26. Eles visitaram a Scania que é Sueca e estão planejando se instalar se vencer a licitação aqui no ABC, pelo menos foi o que saiu em um jornal circular na Scania, eu torço para que ou Rafale ou Saab saia do papel, tenho medo do próximo governo isso entrar na gaveta, ou se arrastar mais uns bons anos.

  27. Jakson peço para que você verifique o link que colocou pois não localizei nele a informação mencionada por ti.

  28. Meio que óbvio condicionar os investimentos à uma contra partida, no caso a compra dos caças. Nada demais. No momento, o Rafale já ganhou e continuar a discutir caça Y ou X é estéril.

    E vou continuar com a minha pregação: a FAB tem de compor sua força com 2 caças, um Hi e outro Lo.
    Um para missões de Dominância Aérea e Interdição à longa distância e outro para missões de Caça e Apoio Aéreo.
    Hi:Biturbina, grande alcance e persistência em combate, de preferência de 5ª geração(shape furtivo, weapons bay internos), a FAB operaria em quantidades menores. 72 seria um número razoável para começar.

    Low: Monoturbina, alcance médio, baixos custos operacionais, furtividade seria importante mas não imprescindível. Deveria ter participação nacional no projeto e fabricação. A FAB operaria em grandes quantidades. 180 para cobrir todo o território.

    A combinação ideal que eu via para essa composição Hi-Lo da Força seria PAKFA/Gripen.

    Agora, com os Rafale, fica difícil esse tipo de composição. De qualquer forma, acredito que a FAB necessitará de um caça Lo, com características furtivas. Poderia ser até uma versão do Stealth Gripen, (SEM SISTEMAS AMERICANOS), para evitar o que aconteceu com o Gripen Ng. Poderia até compartilhar de alguns sistemas do Rafale, para efeito de padronização.

    []’s

  29. Carcara é esse link mesmo no destaque “aviões novos”.
    http://www2.correiobraziliense.com.br/cbonline/colunas/col_vlo.htm

  30. A notícia é clara:

    “possíveis investimentos da companhia no Brasil estão vinculados ao fechamento do acordo de compra das aeronaves.
    Brasil e Suécia tem “indústrias de tecnologia complementares”, que podem trabalhar em conjunto caso o governo brasileiro compre os caças suecos.
    Você precisa de um incentivo para fazer investimentos desse tipo. É preciso ter certeza de que haverá dinheiro para custear os investimentos, por exemplo.”

    Então Gunsalmo? como vc afirma que os investimentos “independem”????

    Isso era antes, aqui mesmo no blog eu li várias vezes que a Saab investia no Brasil ainda que não se comprase o avião deles, mas isso era lobby, agora tá comprobado, agora se cai na real, agora se investe se compramos o avião deles. O lobby era só fumaça.
    ———————————————–
    Gunsalmo continua: “A Dassault divulgou uma lista de empresas brasileiras que poderiam, no futuro, fabricar componentes do Rafale. A fabricação desses componentes, todavia, seria apenas para os Rafale encomendados pelo Brasil e, mais importante, SÓ SE O RAFALE FOR O ESCOLHIDO NO FX-2”

    Olha, eu não gosto na verdade do negócio com a França, a França é uma potência decadente, os chinas estão ficando com a indústria deles, e -sem subsídios- nós vamos a ficar com o agro deles, então, é um país sem futuro, eu gosto do Brasil fazer parcerias com países que contem também com recursos naturais ou seja, que no futuro podam investir 30 30 ou 50 bi na produção de armamento.

    A diferência e que a Dassault não mentiu, não falou que ia investir independentemente de ganhar o FX2.

  31. Enquanto às nukes, e algo que pergunto porque não sei, mas lembro de ter lido, mas não lembro onde, assim que não sei.
    O transporte de armamento depende do desenvolvimento de uma bomba pequena, o caça não é um bomber ou seja não precisa, mas fico ainda na dúvida das limitações que possa ter o gripe, e ainda suspeito de se toda a insistência de certa imprensa com o gripe não tem a ver com alguma limitação futura.

    A Suécia nunca almejou ser potência, nunca precisou projetar poder, o Brasil tem que se associar a países que estejam na mesma, ou seja que almejem ser potências e estejam despostos a investir pesado, no caso, a Índia por exemplo.
    ———————————————–
    “Essa desculpa de serem para ‘projetar poder, feitos por potências’ não cola, sacou?”
    Olha, foi você que comparou a Suécia com a França.
    Com o mesmo território, a Suécia é um país, e a França tem sido uma potência até agora.
    População: Suécia 9mi França 65(+7x) Brasil 198(22x)
    FR tem 7 vezes a população da Suécia e o Brasil 22 vezes.
    É impossível defender a Suécia como parceiro, sabendo que a China vai ser a fábrica do mundo, já é.
    A China vai a deixar aos euracas sem indústria, e nós, depois de eles não ter grana para subsídios, nós vamos a deixar eles sem agribussines. Óbvio que é um cenário fictício, o real cenário deles vai ser um ultraprotecionismo e aislacionismo que ja se percebe.
    Na verdade já nem é bom negócio a França, é para barganhar, para que repassem tecnologia.

  32. O PIB Francês é 6,5 vezes o PIB sueco,
    (ou seja uma relação parecida com a da população)
    enquanto ao Brasil nesse ano 2010 vamos superar o PIB da França!
    Sorria Gunsalmo, Deus é tupiniquim.

  33. Todos os argumentos são validos e visão o melhor pra nós…Uma associação de nossa industria com a tecnologia Sueca é muito interessante se somente isso estivesse em jogo.Eles tambem querem muito aqui investir pois hoje somos o melhor investimento a extrangeiros.Ate tivemos que tormar medidas de contenção ao grande fluxo de dolares que começaram a entrar de forma alucinante.Mas nossa decisão esta acima da esfera economica e industrial,ela é geopolitica.Não so estaremos comprando armamentos e tambem suas tecnologias mas acima de tudo optando por uma associação fora da orbita do mal EUA-RUSSIA-CHINA…Estamos no caminho certo…BLIM BLOM…ATENÇÂO SENHORES PASSAGEIROS AMERICANOS E SUECOS,PORTADORES DO BILHETINHO DA COR ROSA-CHOQUE.QUEIRAM TOMAR O PORTÃO PRINCIPAL.QUE SE PIQUEM…BLIM BLOM

  34. Tudo indica que o caça, há ser escolhido para Força Aérea, será o Rafale. Como a Força terá que comprar um caça de treinamento, poderíamos fazer que nem a Inglaterra fez, comprava alguns Gripen C/D, com isso o Governo Federal, agradaria a Gregos e Troianos. rsrsrs

  35. França condiciona “investimenos”, Suécia também, e por aí vai, qual a novidade?

  36. Gripenado com armas nucleares……kkkkkkkkkkkkkk
    ah esqueci…tem sea gripens mirabolantes…
    Acho que a India ainda não sabe disso….rsssss

  37. A SAAB tenta pressionar o Brasil de todas as maneiras, essa parceria com as empresas aqui citadas (Akaer, Friuli, Winnstal, Minoica e Imbra) é para pressionar o governo e o povo brasileiro, mas eu tenho certeza que o Brasil é muito maior do que esses objetivos escusos. Se podemos ter o melhor porque nos contentar com o pior.

    Sds. Carlos Augusto

  38. Quem ve eles falando assim até parece que um gigante do mundo capitalista

    rsrsrs

  39. Milton Bras Cabral em 10/08/2010 às 17:15

    “Então Gunsalmo? como vc afirma que os investimentos “independem”????”

    Milton, é só ler os links que coloquei que vera que o contrato com as empresas brasileiras é “não-vinculante”, ou seja, não está atrelado ao FX-2. Se vc quiser posso fornecer links de outros sites falando sobre a mesma notícia. Deve ter saído até aqui nesse site. A tecnologia já vem sendo transferida a um ano. Leia a entrevista com o diretor executivo da Akaer em um dos links.

  40. Milton Bras Cabral em 10/08/2010 ás às 17:18

    “Com o mesmo território, a Suécia é um país, e a França tem sido uma potência até agora.
    População: Suécia 9mi França 65(+7x) Brasil 198(22x)
    FR tem 7 vezes a população da Suécia e o Brasil 22 vezes.
    É impossível defender a Suécia como parceiro, sabendo que a China vai ser a fábrica do mundo, já é.”

    Se não podemos ser parceiros da Suécia porque ela não é poténcia, então alguem tem avisar ao Lula pra deixar de lado os acordos militares que estão sendo feitos com os países africanos, pois nenhum deles é poténcia também (será que ele sabe disso?).

    Alem do mais, essa parceria com a França até agora só deu prejuízo: Votam contra o Brasil no CS da ONU e barram produtos agrícolas brasileiros.
    Enquanto isso, a Suécia é a maior consumidora européia do nosso etanol.

  41. Milton Bras Cabral em 10/08/2010 ás às 17:22

    “O PIB Francês é 6,5 vezes o PIB sueco,
    (ou seja uma relação parecida com a da população)
    enquanto ao Brasil nesse ano 2010 vamos superar o PIB da França!
    Sorria Gunsalmo, Deus é tupiniquim.”

    Espero que vc esteja certo, Milton. O problema é que, por razoões que desconheço, quanto mais o PIB cresce, mais o orçamento das forças armadas é contingenciado.
    Vou acreditar que Deus é tupiniquim só quando nossos recrutas não forem mandados pra casa mais cedo por falta de comida no rancho.

    Um abraço.

  42. “Eles visitaram a Scania que é Sueca”, não, Scania é alemã, Volkswagen tem o 71% dos votos.

    “Então Gunsalmo? como vc afirma que os investimentos ‘independem’????”

    Gunsalmo disse: Milton, é só ler os links que coloquei que vera que o contrato com as empresas brasileiras é “não-vinculante”, ou seja, não está atrelado ao FX-2. Se vc quiser posso fornecer links de outros sites falando sobre a mesma notícia. Deve ter saído até aqui nesse site. A tecnologia já vem sendo transferida a um ano. Leia a entrevista com o diretor executivo da Akaer em um dos links.

    Olha, que parte de “executivo da Saab condiciona investimentos no Brasil à compra de caças” cê não entende?
    Que tem a ver com otros investimentos? (Que foram publicados todos aqui no blog, e não é o que se está avaliando)
    Não me fale de outros investimentos, o cara da Saab “condiciona investimentos à compra de caças”.
    Não me fale de outros investimentos.
    Assim foi o lobby da Saab, sem lógica, autoritario e falacioso, além de infantil.
    Se ferraram amigo, os outros leitores estão lhe dizendo que NEM OS VIZINHOS compram o projeto gripe, e nem o país Suécia, ainda que um vendedor da Saab anunciou que o governo sueco ia comprar.
    Chega da Saab, não dá, essa insistência é ridícula, o Brasil JÁ É uma potência não podemos perder tempo, o país tem que estar pensando como entrar em parceria com a Índia ou a Russia porque os países europeus NÃO vão ser parceiros no futuro, só temos que ver os países européos como fornecedores de tecnologia HOJE, porque no futuro europa já era.

    “Se não podemos ser parceiros da Suécia porque ela não é poténcia, então alguem tem avisar ao Lula pra deixar de lado os acordos militares que estão sendo feitos com os países africanos”
    caro gunsalmo, estamos falando de PARCEIROS para desenvoler armas con lo último en tecnologia e investimentos de DECENAS de bilhões, são 3 o 4 países no mundo, talvez 5 o mas contando o jaguar.

    Suécia compra etanol, beleza, o Brasil comercia com tudumundo, e o Brasil compra muito produto sueco, mas Suécia não vai investir decenas de bi em armas nos próximos anos.

  43. “Vou acreditar que Deus é tupiniquim só quando nossos recrutas não forem mandados pra casa mais cedo por falta de comida no rancho.”

    Olha, tem que ter a camisa, a canarinha, tem que ter um pouco de paciência, porque as coisas estão se resolvendo, tem no estado brasileiro um grave problema de gerenciamento, as vezes tem recursos mas mal distribuidos. Acho que está claro que os caras que estão no governo tem intenção de continuar investindo para fazer das Forças Armadas um escudo perante qualquer ameaça extrangeira.

    PENSE EM GRANDE gunsalmo, eu já postei aqui neste prestigioso blog, várias vezes minhas avaliações de por que o Brasil vai ser um dos países mais ricos e em pocos anos, ou seja não só vamos crescer, vamos chegar antes do que se pensa a ser a terceira economia, e isso vai ser pelo avanço tecnologico em genética-agribussines nanotecnologia e obviamente pelo minério e petróleo.
    PENSE EM GRANDE gunsalmo, o país vai ter muuuuito dinheiro, se a China para de crescer hipótese provável, até é possível sermos a segunda economia em duas décadas. Eu acredito os chinas param por falta de recursos naturais e porque os americanos vão ter sucesso no cerco que estabeleceram. Os States se mantrão muitos anos no primeiro lugar. Por isso a parceria com os americanos vai durar décadas, vamos compartilhar com os ianques a liderança do ocidente já pronto, e se como falava os chinas param de crescer vamos a superar eles.
    PENSE EM GRANDE e acridite se quiser, rsrs. reality rules!

  44. A SAAB perdeu o FX2 quando mandou o vice-Ministro da Defesa Sueca ao Brasil e ele na frente das câmeras disse em alto e bom tom: com o Gripen o Brazil terá dois pelo preço de um… O cara com esta frase disse a que veio a SAAB e a Suécia… No imaginário do Ministro Emo, este negócio é um contrato a ser fechado com índios, amadores, … Logo, para um homem inteligente como o Ministro Nelson Jobim, este tom do Ministro Sueco disse tudo e mais um pouco. Jogar para a mídia ignorante e amadora algo como ter mais pelo metade do preço… Que por sinal o aviãozinho de papel é bem carinho, mais caro que um F18E/F Super Hornet e vem com um reator F414 apenas. Logo ouro de tolo. Nunca, jamais voará pela FAB. Esta é minha torcida. O melhor, nada menos que o mais capacitado para a FAB.
    [ ]s

  45. Milton Brás Cabral em 10/08/2010 às 23:42

    “Olha, que parte de “executivo da Saab condiciona investimentos no Brasil à compra de caças” cê não entende?”

    Milton que parte de “A tecnologia já vem sendo transferida a um ano.” VOCÊ não entende?

    Os contratos entre a SAAB e as empresas brasileiras já foram assinados e vem sendo cumpridos a um ano. UM ANO! Não é uma semana, nem um mês, É UM ANO!

    Então, a menos que os executivos da SAAB possuam uma máquina do tempo e consigam viajar para o passado para desfazer os contratos assinados e toda a tecnologia transferida, acho que os suecos estão bem na dianteira em termos de cooperação com nossa industria aeronautica.

    Quanto aos outros investimentos que dependeriam da escolha do Gripen, isto é igual para todos os três concorrentes.
    Ou vc acha que a Dassault vai construir uma linha de montagem do Rafale aqui no Brasil mesmo que ele não seja escolhido no FX-2?
    Se vc acha isso, eu lamento muito pela sua ingenuidade.

    “PENSE EM GRANDE e acridite se quiser, rsrs. reality rules!”

    Eu penso, Milton. Quem não pensa é o governo, que cada vez mais contingencia os orçamentos das nossas forças armadas.

    Um abraço.

  46. Milton Brás Cabral :
    “Eles visitaram a Scania que é Sueca”, não, Scania é alemã, Volkswagen tem o 71% dos votos.
    “Então Gunsalmo? como vc afirma que os investimentos ‘independem’????”
    Gunsalmo disse: Milton, é só ler os links que coloquei que vera que o contrato com as empresas brasileiras é “não-vinculante”, ou seja, não está atrelado ao FX-2. Se vc quiser posso fornecer links de outros sites falando sobre a mesma notícia. Deve ter saído até aqui nesse site. A tecnologia já vem sendo transferida a um ano. Leia a entrevista com o diretor executivo da Akaer em um dos links.
    Olha, que parte de “executivo da Saab condiciona investimentos no Brasil à compra de caças” cê não entende?
    Que tem a ver com otros investimentos? (Que foram publicados todos aqui no blog, e não é o que se está avaliando)
    Não me fale de outros investimentos, o cara da Saab “condiciona investimentos à compra de caças”.
    Não me fale de outros investimentos.
    Assim foi o lobby da Saab, sem lógica, autoritario e falacioso, além de infantil.
    Se ferraram amigo, os outros leitores estão lhe dizendo que NEM OS VIZINHOS compram o projeto gripe, e nem o país Suécia, ainda que um vendedor da Saab anunciou que o governo sueco ia comprar.
    Chega da Saab, não dá, essa insistência é ridícula, o Brasil JÁ É uma potência não podemos perder tempo, o país tem que estar pensando como entrar em parceria com a Índia ou a Russia porque os países europeus NÃO vão ser parceiros no futuro, só temos que ver os países européos como fornecedores de tecnologia HOJE, porque no futuro europa já era.
    “Se não podemos ser parceiros da Suécia porque ela não é poténcia, então alguem tem avisar ao Lula pra deixar de lado os acordos militares que estão sendo feitos com os países africanos”
    caro gunsalmo, estamos falando de PARCEIROS para desenvoler armas con lo último en tecnologia e investimentos de DECENAS de bilhões, são 3 o 4 países no mundo, talvez 5 o mas contando o jaguar.
    Suécia compra etanol, beleza, o Brasil comercia com tudumundo, e o Brasil compra muito produto sueco, mas Suécia não vai investir decenas de bi em armas nos próximos anos.

    Milton ela é de origem Sueca porém em 2008 o grupo Volkswagen anunciou a compra de participação acionária.

  47. Olha, o origem da Scania, tudo mundo conhece, rsrs, o negócio é que HOJE a VW detém o 71% das ações com direito a voto. Parece que já passou de anúncio.

    Gunsalmo, eu não discuto de política, pode falar mal do governo todo o que quiser.
    Pode dizer que o governo não investe nas FAs, tudo mundo sabe que isso não é verdade.
    Reality rules!
    Seja pragmático, se o governo é bom, seja tucano `petralha` ou sei lá, a gente tem que apoiar.

  48. GUNSALMOOO….No caso dos paises Africanos são outros interesses inclusive militares mas logisticos-operacionais e não extrategia de defesa.

  49. “Ou vc acha que a Dassault vai construir uma linha de montagem do Rafale aqui no Brasil mesmo que ele não seja escolhido no FX-2?”

    Olha, a Dassault nunca falou isso, entanto a Saab sim. Estão as matérias aqui no blog. A Dassault nunca falou que seus investimentos INDEPENDIAM de ganhar o FX2.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: