Articles

GIRA MONDO, GIRA

In Segurança Pública, Terrorismo on 31/08/2010 by E.M.Pinto Marcado: ,

https://i1.wp.com/colunistas.ig.com.br/flaviogomes/files/2010/08/4globa.jpg

SÃO PAULO (já deu) – Leio nas folhas que a tia de Juliard Aires

Fernandes, 19 anos, um dos chacinados pelos traficantes mexicanos que mataram 72 imigrantes que tentavam entrar ilegalmente nos EUA, disse que seu sobrinho poderia estar vivo no Brasil se o país lhe oferecesse oportunidades.

Ele e Hermínio Cardoso dos Santos, 24, são os brasileiros que estavam no grupo executado pelo crime organizado no país mais neoliberal da América Latina, parceirinho comercial dos EUA, gracinha-gracinha. Queriam fazer a América.

Ambos pagaram 24 mil reais para pilantras que prometeram colocá-los nos EUA. “Ninguém sai da própria pátria sem ser por necessidade. Aquilo que nosso país não dá, vamos buscar lá fora. É ilegal? É, mas qual é a alternativa? Entra e sai presidente e não se faz nada”, disse a tia ao repórter Rodrigo Vizeu, da “Folha de S.Paulo”. A tia viveu seis anos nos EUA. A mãe do outro assassinado, dona Maria, contou que seu filho Hermínio queria “ganhar um dinheirinho para fazer uma casa e, se sobrasse, comprar um carro velho”. O menino já tinha sido deportado da Itália e impedido de entrar em Portugal.

O país que não “dá condições”, no entanto, lhe deu a chance de comprar uma passagem para a Itália, outra para Portugal, e mais uma para a Guatemala, a partir de onde tentou entrar nos EUA. E lhe deu condições de arrumar 24 mil reais para tentar entrar ilegalmente nos EUA.

Que me desculpem a mãe de um e a tia de outro, mas o dinheiro das passagens, mais a taxa de imigração ilegal seriam suficientes para comprar um carro velho. E talvez para começar a fazer uma casa na zona rural mineira, de onde saíram. O que o país não lhes dá é a chance de ganhar dinheiro fácil. Ou de sonhar em ganhar dinheiro fácil, como promete a América encantada.

Jamais vou julgar ninguém por querer morar fora do Brasil. Nem por querer ganhar dinheiro fácil. Cada um faz o que quer, acredita no que quiser. Mas esses dois meninos, embora sejam daquela classe social que vagamente chamamos de “gente simples e pobre”, sabiam exatamente o que estavam fazendo quando arrumaram os 24 mil reais para comprar uma passagem ilegal para o sonho americano. Não é pouco dinheiro. Sabiam que o que estavam fazendo era ilegal. Estavam tentando ludibriar um país que não quer mais receber ninguém. Sabiam os riscos que estavam correndo. Poderiam ter investido melhor esse dinheiro. Na sua roça, num trator, num curso de inglês, num pequeno negócio em suas cidades, numa faculdade.

Mas preferiram optar pela vida fácil: fazer a América lavando louça ou pintando paredes. Tiraram 24 mil reais de suas famílias em nome de um desejo babaca. Perderam suas vidas.

Esse tipo de imigrante não tem graça nenhuma, valor nenhum. É bem diferente daquele que saiu da Europa,ou do Japão, ou da África, fugindo da guerra, da miséria, da fome, da perseguição. Ou daqueles que fogem de ditaduras, da opressão. Ou mesmo daqueles que simplesmente buscam novas aventuras, desejam viver, aprender, crescer em outro país.

Não existe nada de errado em querer morar fora de seu país. Absolutamente nada.

Mas é uma injustiça com seu país culpá-lo por ter sido assassinado tentando fazer algo ilegal e com dinheiro no bolso.

Fonte: Flávio Gomes

Anúncios

13 Respostas to “GIRA MONDO, GIRA”

  1. Sem tirar nem por…

  2. Sem comentários.

  3. As pessoas assumem riscos e lidam com as consequências, o que aconteceu com eles nfoi um crime, mas não foi um crime brasileiro.

  4. Perfeito !

    É de se compreender a dor das famílias, mas não da mais pra justificar com esse discurso culpando o país ou governo (indiferente do partido ou ideologia) por tudo. Se quiser que o estato seja provedor de tudo vamos acabar igual cuba e mesmo assim nos faltara liberdade.
    Precisamos avançar em muitos aspectos, principalmente no cultural, onde o povo tem que assumir sua parcela de responsabilidade na sociedade, não dá mais pra todo mundo ser coitado, esse caso foi muito bem ilustrado e mostra que a família foi capaz de levantar capital que acredito que muitos realmente pobres nem sonham em ter nas mãos.

    Essa questão também deve ser levada a sério pelo nosso sistema judiciário, que não cansa de ser paternalista e acha que os menores infratores são todos vitimas da sociedade injusta. Estou cansado de ver menor e réu “primário” que rouba, mata pra manter luxos que muito trabalhador nem sonha em ter e quando é preso diz que não tinha comida em casa, só que rouba, mata, etc, pra frequentar balada e dar festas, pra andar de carro e moto bacana etc, ou ver a mãe do criminoso pego com Fuzil na mão chorando na TV dizendo que o filho é boa pessoa, trabalhador …

    Na escola seja ela provida pelo estado ou não, obtemos conhecimento. Os valores, educação, carater são aprendidos em casa, com a família, e isso é responsabilidade do cidadão, sem isso nunca vamos contruir um país justo, todos temos que assumir nossa parcela de responsabilidade e deixar de ser os espertos que sempre quando as coisas dão errado passamos por vítima culpando a tudo e a todos …

    Prosperar trabalhando, estudando se sacrificando não é facil, mas é possível …

    []s,

    Ps – Criticam a Saúde no Brasil, que realmente pode melhorar, mas não se lembram que os EUA não tem saúde pública, ou tem Grana pra pagar ou morre doente …
    Por mais que possamos alcançar um patamar equiparado aos países do “primeiro mundo”, sempre teremos situações onde ha cidadão

  5. sem contar que esse não é um caso isolado…na verdade são muitos e muitos ditos “refugiados” brasileiros que vão atrás de uma quantia dessas e talvez até mais para acabarem indo ilegalmente a esse país,que quando consegue entrar acabam lavando louça.pintando paredes,sendo garçonetes e etc. etc. etc..
    é pura hipocresia o cidadão(a) conseguir um dinheiro desses pra fazer uma tremenda idiotices dessas e não pode conseguir a mesma quantia pra estudar algo e se formar em alguma coisa,ou mesmo pra cosntruir uma casa,comprar um carro velho…fazer algo pro seu país em vez de lavar pano de *** dos outros e meter o pau na terra natal..eu tenho é vergonha desses ditos brasileiros que só sabem criticar o estado mais não fazem nda pra melhorar o país onde vivem e acabam assim como estes,sendo apenas mais uma manchete de jornal.

  6. Atravessar a fronteira mexicana e’ como ir pro Afganistao, numa dessa tem sorte, numa dessa acontece algo assim..
    Existem muitos que morrem sem a familia nunca ficar sabendo do destino deles..sao jogados no deserto e por la ficam…

  7. bom são vários cenários que levam a pessoa a ‘tentar a sorte’ desta forma.. não tenho o direito de julgar as escolhas dos outros…

    agora … creio ser mais interessante ir para o Canada que para os EUA… nem sempre aonde se paga mais é o melhor… ;)

  8. Vídeo, uma parodia com os imigrantes (no caso, um mexicano) que vão para o EUA e se americanizam, passando até a ser contra seu país e compatriotas…

  9. Sem comentários… Texto perfeito!

    Ah! E, se o país não dá oportunidades, crie-as!

  10. Um texto bom…Concordo.. O país, num contexto mais geral, não é o culpado por esta sanha de se querer fazer a América…Até porque este pessoal pobre, pobre não era…

  11. de Boston :
    Atravessar a fronteira mexicana e’ como ir pro Afganistao, numa dessa tem sorte, numa dessa acontece algo assim..
    Existem muitos que morrem sem a familia nunca ficar sabendo do destino deles..sao jogados no deserto e por la ficam…

    O México já está virando um estado de narcotraficantes,por causa da miserabilidade,tanto eles quanto nós ,Brasucas, procuramos o “EL Dourado” da vida melhor, temos de ficar espertos, o méxico tbm pode ser aqui.Sds.

  12. O México é um exemplo, a não ser seguido!

    Um país com aproximadamente 110 milhões de habitantes, com um PIB de + ou – 1, 5 trilhão de dólares e uma força aérea que tem como armas máximas 10 F-5 não modernizados, localizado ao lado da maior potencia bélica do planeta, não é um país soberano…

  13. Wi :
    O México é um exemplo, a não ser seguido!
    Um país com aproximadamente 110 milhões de habitantes, com um PIB de + ou – 1, 5 trilhão de dólares e uma força aérea que tem como armas máximas 10 F-5 não modernizados, localizado ao lado da maior potencia bélica do planeta, não é um país soberano…

    Pobre México, perto do paraiso e dentro do inferno; e q inferno, a + burra das elites latina américana, plantaram , estão colhendo.Sds.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: