Articles

Trem de alta velocidade e empresa nacional

In Negócios e serviços, tecnologia on 31/08/2010 by E.M.Pinto Marcado: ,

https://i2.wp.com/www.tavcampinas.com.br/util/img/trem_brasil.jpgÁLVARO RODRIGUES DOS SANTOS

Está programada para novembro a divulgação do edital de licitação para projeto e obras do Trem de Alta Velocidade (TAV), que fará a ligação entre as cidades e aeroportos do Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas, também atendendo algumas poucas paradas intermediárias.

Do ponto de vista tecnológico, em seus mais variados aspectos, será uma obra fantástica, tanto pela performance programada (velocidades superiores a 300 km/ h, condições de segurança absoluta, comodidade competitiva com a do avião) como pelas diversificadas e problemáticas características geológicas, geotécnicas e ambientais presentes ao longo de seu traçado.

Do ponto de vista financeiro, com valor estimado em mais de 30 bilhões de reais, é um dos empreendimentos hoje mais atraentes no âmbito internacional.

Declarações oficiais dão conta de que cuidados especiais serão tomados para que se garanta a absorção pelo país das tecnologias que serão aplicadas na implantação do empreendimento.

No entanto, é justamente nesse específico aspecto tecnológico que os interesses estratégicos maiores do país podem ser preteridos.

Se, na superestrutura viária do TAV (equipamentos, componentes e sistemas operacionais), teremos a oportunidade de absorver novas tecnologias, na implantação da infraestrutura somos nós que temos muito, ou tudo, a oferecer.

Ao longo do eixo Rio-Campinas, o traçado do TAV atravessa singulares e sensíveis domínios geológicos com complexos comportamentos geotécnicos: baía de Guanabara, Baixada Fluminense, serra do Mar, bacia sedimentar de Taubaté (Vale do Paraíba), bacia sedimentar de São Paulo, mar de morros cristalinos dos trechos de planalto.

Sobre todos esses domínios geológicos a engenharia brasileira, com o suporte da engenharia geotécnica e da geologia de engenharia nacionais, implantou nas últimas décadas um expressivo número de grandes obras viárias.

Como exemplo, podemos citar a ponte Rio-Niterói, o metrô no Rio e em São Paulo, as rodovias dos Bandeirantes, dos Imigrantes, Ayrton Senna e Carvalho Pinto e o Rodoanel de São Paulo, entre vários outros destacados empreendimentos.

Todas essas obras contaram com a aplicação do vasto know-how brasileiro acumulado, assim como, elas próprias, permitiram avançar ainda mais a excelência desse know-how, condição essencial para a mais correta definição das concepções de projeto e da tipologia de soluções de engenharia capazes de assegurar para o TAV o elevado nível de segurança geotécnica exigido por esse empreendimento.

Ou seja, não se trata apenas de proporcionar procedimentos de absorção tecnológica; trata-se de, estrategicamente, garantir a aplicação efetiva de tecnologia nacional já dominada. E essa aplicação só será possível via real participação em projeto e obra da empresa nacional e das instituições nacionais de pesquisa tecnológica.

ÁLVARO RODRIGUES DOS SANTOS, geólogo, é consultor em geologia de engenharia, geotecnia e meio ambiente. Foi diretor de Planejamento e Gestão do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) e diretor da Divisão de Geologia. É autor, entre outras obras, de “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática”.

Fonte: FSP via CCOMSEX

Anúncios

13 Respostas to “Trem de alta velocidade e empresa nacional”

  1. Outra obra faraônica do brasil que não poderia ficar de fora dessa lista é a usina de Itaipú. Ja que foi feito essa montagem do trem, eu substituiria a cor branca pelo azul escuro, realçaria ao mesmo tempo o verde-amarelo e as janelas fumê. É só basearem por um ônibus da viação Cometa.

  2. Tem obras muito mais importantes do que esta.
    Se quer mexer com a malha viária, é só ajeitar, ativar e aumentar o que já existe.
    Precisamos de transporte ferroviário para nossa agricultura e não transporte de passageiros.
    É um absurdo pagar mais para trazer grão do Mato Grosso até Santos/Paranaguá do que transportá-lo para China.
    Com esse dinheiro poderiamos dar um up em nossa malha.
    Fora que, por R$ 300,00, será impossível a passagem, quero ver se transformam esse projeto viável.
    Mas é isso aí. Vai saber quantos % serão desviados dos 30 bi.

  3. sacanagem….
    investir em ferrovias e hidrovias, apenas para transporte de carga esse governo ***** não investe!

    Mas transporte pra elite ahhh ai sim!

  4. outra lula-branca .. essa levita…hahahaha

    uma obra do tipo … vitrine.. poucos se beneficiam ..todos pagam.

    as estradas federais um lixo.. sistema de ferrovias.. a deus dara…e vão torrar 30 bi..

    que tal entrarmos com uma ação pública .. questionando este “investimento” em detrimento de outros mais urgentes e essenciais. ???

  5. A ferrovia, seja ela para trasporte de cargas ou passageiros, é um dos meios mais econômicos que existe. O Brasil já teve uma, no passado, grande malha ferroviária e a antiga CIA. Paulista de Estradas de Ferro, foi considerada por muito tempo um referência mundial em modernidade e desempemho. Porém, desculpen-me oAndré, o SxMarcos e o Galileo, governos que pensaramexatamente como vocês, sucatearam nossa malha ferroviária em prol da indústria automobilística. E hoje, é exatamente este o motivo do gargalo em nossa infraestrutura. Nenhum País desenvolveu-se sem as ferrovias. Pelo jeito, até que estamos indo bem (por enquanto), porém, sem custos competitivos. Esta obra será só o início da modernização da tão sonhada e necessária malha ferroviária.
    Abraços.

  6. Eu acho que o Brasil tem condicoes de ter trem bala…A Franca e Italia tem..
    O PIB brasileiro em breve passara o destes paises..
    Tambem a China tem muitos problemas tambem ,mas investiram pesado na Olimpiadas de Pequim,trem bala etc…

  7. Se formos ver todas essas obras faraonicas custaram uma fortuna na epoca.
    Usina de Itaipu,Imigrantes, Bandeirantes, technologia nuclear Angra 1 ,2 e la vai..desenvolver o pro alcool, Brasilia..mas hoje todos estes investimentos (na maioria superfaturados,concordo)..estao dando frutos…
    As vezes tem que ter coragem e meter a cara..o trem bala tambem ajudara no marketing para trazer investimentos para o Brasil…

  8. Afonso :
    A ferrovia, seja ela para trasporte de cargas ou passageiros, é um dos meios mais econômicos que existe. O Brasil já teve uma, no passado, grande malha ferroviária e a antiga CIA. Paulista de Estradas de Ferro, foi considerada por muito tempo um referência mundial em modernidade e desempemho. Porém, desculpen-me oAndré, o SxMarcos e o Galileo, governos que pensaramexatamente como vocês, sucatearam nossa malha ferroviária em prol da indústria automobilística. E hoje, é exatamente este o motivo do gargalo em nossa infraestrutura. Nenhum País desenvolveu-se sem as ferrovias. Pelo jeito, até que estamos indo bem (por enquanto), porém, sem custos competitivos. Esta obra será só o início da modernização da tão sonhada e necessária malha ferroviária.
    Abraços.

    Afonso.
    Não falei em momento algum sobre o não investimento em ferrovias, muito pelo contrário. Se você ler meu post, verá.
    Acho sim um absurdo invertir 30 bi em uma malha ferroviária e um trem bala que servirá apenas para transporte de passageiros.
    É muito melhor invertir estes montante em uma malha FERROVIÁRIA para transporte de cargas. Aliviaria em muito o gargalo do escoamento agrícola que hoje está quase insustentável.
    Meus pais se aposentaram na RFFSA e garanto que sei bem o estado da malha ferroviária de ontem e hoje, e principalmente os motivos.
    De Boston. Quanto ao seu post, concordo em relação ao marketing. Mas se for pra investir em infra, que se invista na logística. Duplicação de estradas e um investimento brutal para revitalizar toda nossa malha ferroviária.

  9. Inacreditável!!! Um avanço muito forte! Entretanto, estaría muito mais satisfeito se essa linha não se limitasse à Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro. Gostaría que o trem bala virasse uma tradição. Formar linhas nas grandes cidades do Brasil (São Paulo, Rio, Salvador, Porto Alegre); Linhas que podem ligar o Sudeste com o Sul do País. Aos poucos, tornar essa forma de transporte importante para a economía do País e deixar de depender apenas da Sistema Aéreo Brasileiro, que já está saturado.

  10. Afonso eu também vou fazer uma “réplica”:
    Em primeiro lugar apenas fiz um lembrete sobre outra grande obra brasileira e opinei sobre a cor do trem. Em segundo lugar, vc foi preconceituoso em julgar que eu apoio o investimento rodoviário pelo governo JK. Muito pelo contrário, hoje os ônibus das grandes cidades tem que se desdobrar para atender á grandes demandas que deveriam ser transportadas por trem (se bem que os ônibus são indispensáveis para não sobrecarregar o sistema ferroviário e atendendo á demandas que não seriam viáveis ao trem, apenas o uso de biarticulados seria suficiente).
    Se aquele governo pensasse exatamente como eu Afonso, pode ter certeza, não estaríamos nessa situação caótica em relação á transporte, sem falar que eu investiria muito nas forças armadas, que por sua vez traz desenvolvimento na sociedade civil.

    Esse conceito da importância ferroviária contraria a opinião do SXMarcos: Quem disse que infraestrutura ferroviária não é importante? Será que é tão simples assim dizer “é só”? E porque passageiro também não precisa da eficiência do trem para se locomover ao dizer… “Precisamos de transporte ferroviário para nossa agricultura não transporte de passageiros”? O trem é tão importante para produtos quanto para passageiros, os congestionamentos rotineiros que se vê no Brasil que o diga. Vamos lembrar que a necessidade dos TAV ficou mais em evidência no Brasil depois da queda do avião da TAM em São Paulo, onde se cogitou o uso desse equipamento para desafogar Congonhas. O caus aéreo dando espaço para a eficiência ferroviária.

    O que é bom custa caro mesmo. Infraestrutura desse porte exige muito recurso financeiro. É por ter uma cultura voltada para o que é barato em termos de investimento que o brasileiro deixa de possuir uma boa qualidade de vida, fazendo com que a população seja mal transportada, tenha uma logística ineficaz a ponto de atrazar o porto de Santos, tenha que apressar obras desse porte para atender urgentemente as necessidades de dois eventos esportivos importantes e por aí vai.

  11. Primeiro as elites, o q sobrar e p nós , os outros. Sds.

  12. Fico frustrado com o resultado de meu artigo. Pretendi trazer à tona a estratégica questão da utilização da tecnologia nacional no projeto e na implantação do TAV, mas na verdade a discussão suscitada girou em torno da questão anterior de sua real necessidade ou não. Que também é uma questão de suma importância, não há dúvida, mas que imagino ter tido sua hora já passada.
    Debito isso ao momento eleitoral que por que estamos atravessando e espero que após 3 de outubro o tema por mim proposto possa ser tratado em seu devido escopo.
    Geól. Álvaro Rodrigues dos Santoo

  13. Uma obra desse porte é emblemática para o Brasil Grandioso meus amigos. Calma, que o
    que for pro bem do país vai acontecer, e logo.

    Em tempo: Num outro blog de defesa, li um desdenho sobre esse Plano Brasil. Isso me
    ajudou a ter contato com esse ótimo blog. Parabens ao seu fundador. Muito bom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: