Articles

Mísseis e bomba

In Defesa, Geopolítica, Opinião on 11/09/2010 by E.M.Pinto Marcado: , ,

https://i1.wp.com/download.ultradownloads.uol.com.br/wallpaper/53170_Papel-de-Parede-Bomba-Nuclear-Olho_800x600.jpg

Sugestão: Roberto Ciqueira

Sabe-se que o Brasil tem capacidade de construir artefato nuclear a qualquer instante, devido aos estudos e pesquisas dos cientistas que monitoram a Usina de Angra dos Reis.

A Marinha detém, igualmente, conhecimento para tanto. E a Aeronáutica tem condições de fabricar mísseis geoestacionários, que ficam a 36 mil quilômetros do nível do mar.

Tudo isto é possível, mas não foi feito. Agora, com a vinda dos aviões de caça, última geração, tudo indica que vamos passar por um período armamentista.

Está previsto para após as eleições, chegarem os caças, 36 no início, podendo chegar a 100; nota-se que quem tem dinheiro necessita de armas, para defender sua riqueza.

Fontes de informação sabem que existe no centro do país um poço muito resistente, profundo e com defesas contra radiação atômica. Foi construído para ser campo de teste de explosão de artefato nuclear pequeno, do tipo que os sismógrafos locais indicam alteração mínima. Ou seja, bomba de muito pequena potência, a menor possível já feita. Típica operação experimental.

Ao que tudo indica, vai ser usado, sem o menor perigo, pois como já se disse, é “bombinha de São João”, usada nas festas juninas, e não uma “cabeça de negro” que assusta um quarteirão.

Mísseis, caças e bomba. O Brasil é o terceiro país do mundo na captação de investimentos estrangeiros, perdendo apenas para a China e Índia, com os Estados Unidos em quarto e a Rússia em quinto lugar.

Além da prosperidade, temos uma jazida de petróleo incalculável, no pré-sal.

Nossa vontade é que nunca sejam usados, mas que são necessários, são.

Jorge Cortás Sader Filho é escritor

© 1999-2006. «PRAVDA.Ru». No acto de reproduzir nossos materiais na íntegra ou em parte, deve fazer referência à PRAVDA.Ru As opiniões e pontos de vista dos autores nem sempre coincidem com os dos editores.

Fonte:Pravda

Anúncios

51 Respostas to “Mísseis e bomba”

  1. Eu fico extremamente feliz com essas noticias,me deixa bem + confiante em n capacidade de defesa, nesta selva onde só tem angloscorsários.Mt bom. Sds.

  2. Misseis geostacionarios?

  3. “Fontes de informação sabem que existe no centro do país um poço muito resistente, profundo e com defesas contra radiação atômica. Foi construído para ser campo de teste de explosão de artefato nuclear pequeno, do tipo que os sismógrafos locais indicam alteração mínima. Ou seja, bomba de muito pequena potência, a menor possível já feita. Típica operação experimental.”

    ISSO É UMA OPINIÃO PESSOAL, não sendo política oficial ou assumida. Para tanto, teria primeiro que mudar nossa carta magna, dentre muitos outros entraves que temos. Se vai ser feito ou não, isso vai muito além de um ACHO QUE VAI. Temos o direito de fazê-lo, mas estaríamos preparados para as consequências ?
    O motivo de meu comentário é apenas para depois não aparecer um site GRINGO dizendo que este assunto já está operacional e resolvido no BRASIL, e olha aqui a prova…etc.

    Temos o direito em fazer, mas como TODO DIREITO TRAZ CONSIGO UMA OBRIGAÇÃO, temos que ter isso em foco. Fico a pensar, fazer a nuke e ainda estar com uma coleira impedindo termos mísseis acima de 300KM. Enfim, temos que ter sossego para trabalhar aqui na América do Sul, e termos a intranquilidade de nossos vizinhos é algo a tomar cuidado. Enfim, este assunto é nacional e dispensa pitacos precipitados, deve ser muito bem construido, sem mais mancadas das que já demos.
    Uma analogia, é como entrar com uma granada dentro do elevador, se puxar o pino, já viu…

  4. Infelizmente meu caro Roberto Ciqueira, temos as condições mas muito pouco provável. Os avanços no VLS são prova que muito se fala neste país em P&D e pouco se realiza na prática, uma vergonha. Não é sentimento de vira-lata, mas somos muito ruins no que nos propomos. Nossos projetos levam meio século para avanços bem pequenos. Somos anões dentro de um território imenso, porém com desenvolvimento do nosso tamanho, excetuando-se algumas áreas, como pesquisas agrícolas, o resto somos compradores de tecnologia e não desenvolvedores. Mas uma bombinha não rquer muito tutano para se colocar em prática, os americanos fizeram isso com tecnologia de 1940. Tem que ser muito ruim mesmo para não conseguir o mesmo feito nos dias atuais. [ ]s

  5. “E a Aeronáutica tem condições de fabricar mísseis geoestacionários, que ficam a
    36 mil quilômetros do nível do mar”

    Dessa eu não sabia é verdade Edilson?

  6. Nós, os brasileiros que realmente amam esse pais, esperamos que isso seja sim realidade um dia, e que seja breve.

  7. Lineker, uma vez que se desnvolver e dominar a tecnologia dos propulsores do VLS teremos condições de ampliar isto.
    não acredito que a tenhamos, e demoraria alguns anos ainda para desenvolvermos, eu diria pelo menos uma década.
    sds
    E.M.Pinto

  8. -O QUE ?

    Utimamente,algumas impressas colocam cada matéria ,que meu Deus!
    E se tratando do PRAVDA.RU,…Hummmm?
    Que intenção eles tem para divulgar uma informação com esse conteúdo?
    Acho que o nosso Brasil está escondendo cartas nas mangas,ai eu concordo,porém os detalhes….
    Devemos ter calma e censo críticos para algumas informações “espetaculares”.
    O Seguro morreu de velho.

  9. Ai está sehores, o porque da escolha do rafale como escolhido para o Fx-2, pois dos tres é o unico com capacidade para lançamento de tais artefatos,agora pergunto será mera conhecidencia ou ha algo sendo planejado meio que em OF.

  10. Lança Míssil Brasileiro

  11. É Ricardo, após ver a sua brincadeira de mal gosto, devo concluir que o seu animal preferido é um tucano, o melhor negócio para a Petrobrás seria vende-la, e os Estados Unidos é o símbolo da virtude mundial e nós, brasileiros, somos subdesenvolvidos. Que vergonha…

  12. “Fontes de informação sabem que existe no centro do país um poço muito resistente, profundo e com defesas contra radiação atômica. Foi construído para ser campo de teste de explosão de artefato nuclear pequeno, do tipo que os sismógrafos locais indicam alteração mínima. Ou seja, bomba de muito pequena potência, a menor possível já feita. Típica operação experimental.”

    para mim cheira invencionismo … não boto fé neste artigo…

    quem é Jorge Cortás Sader Filho .. escritor… de ficção científica ???

  13. Quanto a BOMBA.. oras temos até livros de físicos brazucas explicando detalhadamente como fazer….. deve ter até em PDF na iNET ;)

    O problema não é mais o como e sim ter os meios… e felizmente temos.

  14. Ricardo :
    Lança Míssil Brasileiro

    uahahhaahaha.. adminto que foi engraçado…

    Claudio foi uma piada.. seja mais flexível.. ;)

  15. Ô Ricardo,é pura maldade rsssss acho que estamos um pouquinho mais adiantado.Contudo fazer o que.

  16. Nosso programa nuclear é bem consistente e sempre foi de ambito secreto.Pra que explosões?Elas não são mais necessarias.A iniciativa Militar da decada de 70 deu inicio a nosso programa.Lembro-me,ja citei isso aqui,logo no inicio do programa FANTASTICO da Rede Globo,na epoca eles noticiaram que reporteres aviam avistado algo semelhante a uma piramide no meio da selva.Não se falou a localização e o domingo chegou e não se falou mais nada,foi abafado.A primeira vista pensaram ser uma suposta piramide de uma civilização remota,mas ao aproximarem-se se é que se aproximaram virama tratar-se de outra coisa.Misterios Amazonicos.

  17. Como brasileiro não da valor em sua nação, somos uma das dez economia do mundo, território maior(ou igual) o da europa inteira, população, forças armadas de tradição e respeitada no mundo inteiro, mesmo sem logistica, exemplo o “panico” que os militares ingleses sentiram ao saber da posibilidade de terem abatido uma nave brasileira (civil) na guerra das Malvinas, ai a segunda maior marinha da america iria entrar em ação contra eles, a mesma marinha, F. aerea, que é sempre lembrada quando há exercicios de magnetude e diga de passagem faz bonito heim!!! Retornando ao assunto, é claro que já temos tecnologia para construção da nuke, só faltava vontade e necessidade de fabrica-las, agora que o Brasil esta jogando como “titular” na politica mundial iremos ver mudar muita coisa, nesse país, exemplo é um decreto assinado pelo presidente no ano passado, no qual autoriza a utilização das forças armadas mesmo em casos onde não ha invassão de territorio brasileiro…e mais

  18. Texto bem complicado e sem fundamento algum.
    Tomara que nunca venhamos a desenvolver um “MÍSSIL geoestacionário” porque ele não servirá de nada, principalmente para levar uma bomba atómica tupiniquim de um lugar para outro.
    Talvez seja melhor que desenvolvamos um “SATÉLITE balístico intercontinental”. rsrsrsrssrsrsrsr

  19. Claudio :
    É Ricardo, após ver a sua brincadeira de mal gosto, devo concluir que o seu animal preferido é um tucano, o melhor negócio para a Petrobrás seria vende-la, e os Estados Unidos é o símbolo da virtude mundial e nós, brasileiros, somos subdesenvolvidos. Que vergonha…

    Desculpe Claudio, era uma brincadeira, o míssil também não era nosso, sou Dilma, mais vamos lá;

    A verdade e a seguinte, e só vcs analisarem, e chegaram à conclusão que só não temos ainda por que não a montamos;
    O projeto ficou acobertado até o fim do regime militar e apenas em 1982, com a redemocratização do Brasil, durante o governo Sarney, é que tais fatos começaram a vir à tona pela imprensa brasileira. Em 1986 foi denunciada pela imprensa a existência de um local secreto, localizado na Serra do Cachimbo (fronteira de Mato Grosso com o Pará) destinado a testes nucleares. A SBF (Sociedade Brasileira de Física) após a denúncia não tardou em realizar um profundo estudo, que logo demonstrou que os buracos encontrados, construídos até grande profundidade (320 m), da Serra do Cachimbo eram, no mínimo, muito semelhantes aos utilizados no mais famoso campo de testes nucleares subterrâneos dos Estados Unidos, o Nevada Test Site. O relatório da SBF mostrava também que as perfurações, pelas dimensões do poço, poderiam ser destinadas a uma bomba de potência próxima a 15 ktons (semelhante à da bomba de Hiroshima).

    O fim de o segredo militar
    A partir do início da década de 80, iniciou-se o processo de redemocratização na América Latina, e conseqüentemente a desmilitarização dos seus vários países. Os novos governos civis buscaram entre si uma reaproximação, tentando mostrar que davam fim as antigas rixas regionais. Assim durante as décadas seguintes uma série de tratados amistosos ocorreu na América Latina. No governo Sarney Brasil e Argentina, logo após das suas redemocratizações, assinaram um acordo nuclear, de fins pacíficos, a fim de sepultar uma vez por todas suas antigas rivalidades. No entanto até a década de 1990 a sombra dos projetos nucleares secretos latino-americanos ainda reinava, e nada se sabia oficialmente sobre o destino de tais projetos.

    Em 1990, o governo Collor resolveu dar um fim simbólico ao polêmico programa nuclear secreto brasileiro, e que na época ainda sofria constantes denúncias da imprensa. Assim o então presidente da república, no dia 7 de setembro de 1990, foi até a antiga base secreta na Serra do Cachimbo e simbolicamente, com uma pá de cal, fechou um dos antigos poços destinados a testes nucleares.
    Hoje, mais de 50 anos depois de ter começado a explorar a tecnologia nuclear, o Brasil ainda continua a manter esforços, agora novamente pacíficos, para o desenvolvimento da indústria nuclear nacional. Atualmente, no governo de Lula, já há muitos planos para uma nova e ambiciosa empreitada nuclear: a retomada da construção de Angra III e ainda a construção de novas usinas, incluindo uma às margens do Rio São Francisco, a partir da próxima década até 2030.
    Unidades de Medida e Curiosidades.

  20. rsrsrs
    Pode crer Bosco…
    nem tinha dado conta desta
    sds
    E.M.Pinto

  21. Eu que te peço desculpas parceiro, é que as vezes a gente chega do trabalho e acaba ficando menos paciente com as brincadeiras das pessoas, mas só para acrescentar, a primeira vez que vi este vídeo, eles estavam falando francês, até mais parceiro.

  22. Alguns brasileiros são loucos pelos americanos. Deve ser por causa do tamanho dos pés deles, para falar de outra coisa. São negativistas e entreguistas por natureza.

  23. melhor que desenvolvamos um “SATÉLITE balístico intercontinental”. (2)

  24. Melhor que coloquemos minas nauticas atomicas em torno do pré-sal

  25. Míssil Geoestacionário?? aahahah lol
    Temos tecnologia alienígena tambem, e não sabia ahahah

  26. Senhores,
    se algum dia a soberania brasileira sobre a Amazônia e o Pré-sal forem colocados em discussão pela Comunidade Internacional, nós iremos perdê-los provavelmente sem que seja disparado um único tiro.
    Isso será feito em mesas de negociação por homens de terno e cheirando perfume importado.
    Se contestarmos a legitimidade de uma resolução da ONU (manipulada pelos americanos?) no sentido de nos tirar parte ou toda a soberania do Estado Brasileiro sobre parte ou toda a Floresta Amazônica e parte ou todo nosso mar territorial, inclusive as áreas marítimas em que se encontra as camadas pré-sal, ricas em petróleo, aí sim teríamos de implementarmos um plano de ação militar.
    A possibilidade de invasão do território brasileiro está descartada, salvo a região amazônica, onde poderia ser feita uma zona de exclusão para aeronaves não autorizadas e onde bases poderiam ser construídas e onde haveria a movimentação de tropas estrangeiras.
    Não estaria descartado algum tipo de ataque estratégico ao Brasil, provavelmente com uso de Tomahawks, bombardeiros, etc, no sentido de “amaciar” nosso espírito de luta e degradar nossa capacidade de defesa.
    Também não estaria descartada a criação de uma zona de exclusão marítima onde navios militares brasileiros não poderiam adentrar, sob pena de serem alvejados.
    Ninguém irá assaltar nossas plataformas petrolíferas.
    Não precisamos que haja lançadores de mísseis ou minas atômicas defendendo-as. Muito pelo contrário. No caso de perdermos nossa questão na ONU as mesmas deverão ser evacuadas e sua produção cessará. Simples assim.
    Lá não é o “forte Apache” onde iremos nos entrincheirar pra lutarmos por elas, mesmo porque, são os alvos mais fáceis de serem destruídos e isso a partir de centenas ou milhares de quilômetros.
    Só que ninguém irá fazê-lo, entre outras coisas porque não seria justificável frente a opinião pública o derramamento de petróleo no mar, sem falar que não haveria nenhuma necessidade tática ou estratégica nesse tipo de ação.

  27. Se insistíssemos em continuar produzindo nas plataformas petrolíferas, mesmo após uma resolução da ONU mandando que tal atividade cessasse, aí, uma coalisão formada pela ONU ou os americanos sob aval da ONU, iriam determinar uma zona de exclusão em torno dessas plataformas e muito provavelmente nossos trabalhadores nessas plataformas seriam vencidos pelo cansaço sem que um tiro fosse dado. Tais trabalhadores iriam ser recolhidos e levados em segurança para o território brasileiro.
    Com as plataformas evacuadas, aí sim poderia haver algo no sentido em desmontar tais estruturas.
    Escaramuças poderiam ocorrer entre navios, submarinos e aeronaves brasileiras, mas é pouco provável que veríamos uma guerra naval de grande intensidade, mesmo porque, na eventualidade de escaramuças, nossas bases seriam atacadas, degradando ou fazendo cessar nossa resistência.

  28. A sequência de eventos que poderia levar o Brasil a um combate naval contra forças navais americanas ou internacionais passaria antes por sanções das mais variadas.
    Na hipótese de não obedecermos uma resolução da ONU para pararmos de produzir, e, em não fazendo o efeito coercitivo esperado pelas sanções, aí sim poderia haver o uso de força militar com mandato da ONU para forçar o cumprimento de sua resolução.
    Tal força militar seria muito provavelmente o envio de uma frota que determinasse uma zona de exclusão ao redor das plataformas petrolíferas.
    Claro que haveria uma resposta do Brasil no sentido de impedir ou romper essa zona de exclusão, podendo mesmo tentarmos atacar a frota inimiga em trânsito.
    Sem dúvida haveria por parte da força inimiga uma resposta estratégica, no sentido de atacar nossas bases navais e aéreas, afim de degradar nossa capacidade defensiva.
    Infelizmente, para esse hipotético cenário, estamos muito aquém de uma capacidade dissuasória minimamente eficaz.

  29. E pessoalmente não vejo a invasão “americana” como uma ameaça direta e sim como consequência de outra ameaça, por exemplo uma disputa regional entre nações em que uma delas tenderia para um apoiante estrangeiro.
    Quem sabe da história do plano de invasão do nordeste na 2ª GG sabe do que estou falando, naquela altura os EUA não pretendiam atacar o Brasil e dominar território, mas sim seriam forçados a isto se o Brasil não colaborasse, pois o que estava em jogo era a inquestionável vantagem no conflito.
    Temos 3 ambientes para isto, energia (petróleo gás) recursos minerais e alimentícios, água (amazônia) e os nossos comportados vizinhos.
    Chavez e colômbia, onde o primeiro faz de tudo para cubanizar o que restou da América latina e o segundo sabota tudo o que é intenção do Brasil nas convenções e grupos que participa, com estes amigos que temos, tá mais que na hora de abrimos os olhos e partimos para o projeto armagedom do contrário a felicidade vai bater ai na nossa porta justamente por causa destes dois.
    sds
    E.M.Pinto

  30. Edilson,

    Eu também não acredito em invasão americana.
    Só fiz esses comentários tendo em vista o comentário do colega “1maluquinho” que propôs que colocássemos minas atômicas para defender o pré-sal.
    Não acredito que nossa capacidade de manter o pré-sal e a Amazônia passe por termos mais poder militar, salvo um arsenal atômico em quantidade e meios eficazes de lançá-lo, o que está longe de acontecer, e quando acontecer, talvez já não seja o poder dissuasório que é hoje. Também se isso ocorrer, corremos o risco de sermos considerados “párias” dentro da Comunidade das Nações, se usarmos um hipotético arsenal nuclear como meio intimidatório para irmos contra uma hipotética resolução da ONU.
    Temos que ter forças armadas eficientes pelo simples fato que devemos ter um Estado eficiente na defesa dos interesses do país e que tenha meios de se fazer presente no cenário internacional como um ator com o peso que cabe a um país que tem o 10º PIB do mundo, com 180 milhões de habitantes, com mais de 8 milhões de quilômetros quadrados, um litoral de mais de 8000 quilômetros, com riquezas naturais extraordinárias e que caminha para ser um país mais igualitário e com uma sólida democrático, e não porque, um dia, quem sabe, talvez, contudo, entretanto, rsrsr, os EUA possam vir aqui e nos invadir pura e simplesmente.

    Um abraço meu amigo.

  31. Conclusao, temos que ter a capacidade e coragem de dizer NAO. Nossa capacidade de defesa nao pode consistir apenas e tao somente de nossos meios de defesa naval, propriamente ditos. Para continuar a produzir petroleo em nosso mar territorial e garantir a integridade do territorio nacional e defender os interesses nacionais em todos os confins da terra, temos que ter capacidade de dissuacao, pensarmos grande para sermos grande. Isso passa, dentre outras coisas, mas principalmente e mais exequivel e adequado, a curto prazo, pelo desenvolvimento de uma quantidade minima de misseis balisticos de todos os tipos dotados de ogivas nucleares. Soh assim poderemos ser iguais e respeitaddos, como qualquer super-potencia e nos livrarmos de sancoes e ameacas da ONU – claramente um organismo usado para defender interesses dessas mesmas superpotencias.

  32. Temos de partir do principio de que o Brasil nao tem amigos, temos que ver as superpotencias como potenciais inimigos e nao amigos, pura ingenuidade pensar que americanos, sao bonzinhos e jamais iriam nos invadir, ou entao que nao dianta nada… que os EUA podem nos invadir a hora que bem entenderem agora e no futuro. Temos de deixar desse fatalismo derrotista, que nos leva a inercia e ao servilismo, ao vassalismo. Isso eh coisa de vira-lata, NUNCA podemos ou devemos aceitar tais pensamentos. Nossa doutrina tem, necessariamente que nos preparar para defender o pais quer seja contra russos, franceses, chineses e principalmente ingleses e americanos, pelos seus antecedentes, pelas suas necessidades e historia. Do contrario, extingua-se as FFAA, nao servem para nada!!!! A maior fonte de problemas ou ameacas para o Brasil nao vem da Venezuela ou qualquer vizinho, mas sim das super-potencias mencionadas acima. Se estivermos prontos para encarar qualquer um, nao daremos chances para para que nossos vizinhos sejam manipulados ou usados por outras superpotencias. O que nos falta eh a determinacao de sermos uma superpotencia, deixarmos de ser capacho dos ianques e companhia. Se quisermos e tivermos a determinacao de sermos fortes, poderiamos faze-lo e muito rapidamente. Considerando nossos recursos naturais e niveis de desenvolvimento tecnologico, industrial e economico, NAO acredito que nossa capacidade de desenvolvermos poderosos misseis balisticos e toda a sorte de artefatos nucleares estejam longe. Muito pelo contrario, soh nao o fazemos, por pura covardia e estupidez de certos estrategistas militares, tolice acreditar que nos tornariamos alvos e sujetos a ataques nucleares, caso tivessemos essas armas. Armas nucleares sao dissuasorias, tem a virtude de evitar a guerra e para serem usadas como um ultimo recurso. Na verdade, se elas tiverem que ser usadas, com certeza serao usadas contra aqueles paises que nao a possuem. Quem tem capacidade de retaliacao, dificilmente sofrerah um ataque nuclear!!!!
    Sds.

  33. Al Carvalho,
    Me desculpe a ignorância, mas me dê exemplo de uma situação em que somos feitos de capacho dos americanos?

  34. Pressao para assinarmos TNPN, bem como de limitacao de alcance de misseis, pressoes contra o desenvolvimento de nossas industrias nucleares e muitos outras interferencias que atrapalham o nosso desenvolvimento social, politico, economico industrial e tecnologico, com o velho e ja muito manjado imperialismo, chegando ateh a promover desestabilicao politica, economica e golpe de Estado e muitas mais!!! Bases militares instaladas na Colombia, reativacao da IV Frota, etc… Todos sabemos das pretencoes e atividades criminosas ianques nao soh no Brasil como na America Latina. Mais recentemente nos colocou para baixo no acordo nas negociacoes nucleares que conseguimos junto ao Iran, e muito mais. Querem o dominio total sobre a America Latina e o Brasil.

  35. Me desculpe, mas de ignorante voce nao tem nada!!!

  36. Completando, gostaria de enfatizar que nao sou anti-americano, apenas e tao sohmente pro-brasileiro, sem xenofobia. Quero meu Pais forte em todos os sentidos, livre, capitalista, democratico e soberano e que o povo seja feliz, orgulhe de ser brasileiro, de sua cultura, lingua, valores e historia e das imensas riquezas da patria brasileira. Nao tenho a menor duvida que temos tudo para para conseguirmos isso isso e brilharmos no universo das nacoes!!! Basta queremos, de verdade!!!

  37. Mais especificamente, para mim, capacho significa renunciar a tudo, a defesa da liberdade, da independencia politica, economica e tecnologica, a defesa da soberania nacional a defesa da cultura, lingua, historia,..Eh negar ao povo brasileiro o direito de desfrutar de seus vastos e ricos recursos naturaris, eh negar-lhe o direito a ter uma vida digna, honrada, compativel com seus recursos. Ser capacho eh nao ter a capacidade e coragem de dizer NAO a seus algozes.

  38. .E.M.PINTO E TODOS OS COMPANHEIROS DO PLANO BRASIL,VALEU PELOS COMENTARIOS E ESCLARESCIMENTOS SOBRE O ASSUNTO.ABS…VIVA BRASIL…..

  39. O PRAVDA é uma fonte “tão confiável” quanto um tablóide sensacionalista inglês. Não é um jornal sério – e olha que eu leio ele! – tem uma versão em português.

  40. xtreme :“Fontes de informação sabem que existe no centro do país um poço muito resistente, profundo e com defesas contra radiação atômica. Foi construído para ser campo de teste de explosão de artefato nuclear pequeno, do tipo que os sismógrafos locais indicam alteração mínima. Ou seja, bomba de muito pequena potência, a menor possível já feita. Típica operação experimental.”
    para mim cheira invencionismo … não boto fé neste artigo…
    quem é Jorge Cortás Sader Filho .. escritor… de ficção científica ???

    Boa tarde Xtreme… creio eu que ele esteja se referindo ao posso que um ilustre presidente nosso “tapou” com “uma pá de cal, simbolicamente…” a anos atráz. O tal posso realmente existia, ou existe. Tinha caracteristicas de um poço feito para testar artefatos nucleares de baixa potência! Salvo engano da minha parte, ele foi descoberto ou no final da decada de 80, ou início da de 90! Vou chutar, não tenho certeza, mas acho que foi Collor quem fez isso (jogar pá de cal)!
    Abraço.

  41. Al,
    Tudo bem!
    Se você chama essas coisas de ser “capacho” eu respeito. De minha parte não tenho tanto complexo de inferioridade assim. Pra mim, existem países com mais e menos influência no “concerto das nações”. Nós somos um ator mediano.
    Claro que gostaria de ver meu país mais atuante e influente, principalmente se viermos a somar dentro do contexto, já que se formos apenas mais um país com ambição desmedida que não leva o fator humano em conta, pra mim podemos continuar onde estamos. Dispenso ser um cidadão de mais um imperiozinho medíocre já que meu humanismo vem antes do meu patriotismo, afinal, sou brasileiro por pura força do acaso.
    Pra mim mais vale bucho cheio que uma falsa sensação de liberdade ou de soberania, mesmo porque de barriga vazia a voz não sai nem na hora de cantar o hino nacional, e muito menos na hora de pegar em armas para defender o “status quo” dos governantes, das elites e dos idealistas. Até pra ser bucha de canhão tem que estar de estômago forrado.
    Se conseguirmos ser um país mais igualitário, mais humano, mais justo, mais ético, com melhor qualidade de vida para toda a população, e além disso sermos mais influentes e somarmos ao resto do mundo no sentido de trazer mais paz e justiça, não vejo nada de errado em sermos uma superpotência e um peso pesado dentro da Comunidade de Nações. Se formos repetir os erros dos impérios que tanto odiamos, melhor que continuemos a ser “capacho”, porque o mundo e a humanidade já tem predadores suficiente.
    Um abraço meu amigo.

  42. Ainda bem que voce reconhece sofrer de complexo de inferioridade e/ou sindrome, pode ser um bom comeco para poder mudar. Nelson Rodrigues explica muito bem isso. Para explicar o fato de voce persistir no erro, Abraam Maslow, brilhante doutor em psicologia, tambem explica magnificamente tal comportamento. Resta saber se o “bucho cheio” a que se refere, trata-se do seu, do povo brasileiro ou de uma infima e leviana elite(s) entreguistas.
    Sim, no “concerto das nacoes” existem aquelas que sao mais ou menos fortes e eh exatamente por isso que exercem mais ou menos influencia. Tudo bem, mas ocorre que a realidade nao eh soh essa, os fortes nao respeitam leis internacionais, passam por cima delas todos os dias e abusam do poder, promovendo uma injusta “ordem” mundial. Para mim, promovem muito mais desordem do que ordem. Nao sou conformista e por isso quero que meu pais seja forte, em todos os sentidos, para que o povo brasileiro esteja protegido contra essas desnecessarias injusticas, provenientes de povos inescrupulosos e contribua para um mundo melhor, mais pacifico, para o bem de todos!!!Nao se trata de querer impor uma nova ordem mundial nossa, mas sim que tenhamos uma ordem mundial justa, para que possamos ter um mundo de paz duradoura.
    A meu ver, nao podemos mudar a ordem mundial, mas podemos e devemos mudar as coisas em nosso proprio pais. Soh com a derrota dos vira-latas, o poder militar nacional e sua capacidade de dissuadir, poderemos aumentar e assim bloquear paises imperialistas de controlarem a patria, a producao de alimentos, bem como todos os demais preciosos recursos da terra. Soh o poder militar do pais, pode garantir a autonomia e a prerrogativa de um pais em dizer NAO. Do poderio militar, depende a liberdade para dizer NAO e consumir tais recursos domesticamente, bem como garantir que os recursos da patria em questao serao consumidos, primeiramente, pelos cidadaos proprietarios de fato e de juri da patria em questao e nao no mercado dos consumidores imperialistas. Logicamente nao sou contra o intercambio comercial, mas acho que devemos exportar apenas e tao sohmente a producao excedente do mercado interno. Portanto, a liberdade vale muito, meu caro !!!! Seu humanismo estah equivocado, pensando como voce, a preocupacao com o “bucho cheio” eh do povo imperialista. Sua compaixao parece ser com o bucho de um povo e uma elite alienigena, nao do povo brasileiro!!!Se parece com aquele patriotismo onde voce defende a patria para os algozes, totalmente falacioso – que entrega a patria para estrangeiros – , e nao aos reais proprietarios, os cidadaos da patria em questao. Todos sabemos que recursos sao escassos e o que eh consumido num lugar nao eh consumido em outro!!! Assim, meu caro, defendo a independencia politica, economica, industrial, tecnologica, o sistema politico democratico e economico capitalista, para garantir que o “bucho cheio” e o bem-estar para a grande maioria do povo brasileiro e nao o de um infimo segmento do povo, ou uma “elite” mercenaria, mesquinha, leviana, que nao se identifica com o povo brasileiro, ao mesmo tempo que, vulgarmente, se contenta em ser tolerados, como despresiveis cidadaos de terceira classe nos paises centrais dominantes.
    Em hipotese alguma, vislumbro de que o Brasil seja um pais imperialista, ateh porque nao precisamos disso. Nosso pais eh tao bem dotado de recursos naturais, hidricos e energeticos, com abundantes terras araveis que se desejarmos, poderemos nos dar ao luxo de nao importarmos nada, de nenhum pais, sem seriamente comprometer nosso padrao de vida. Procuramos sim, ter boas relacoes com nossos vizinhos e com as demais nacoes. Sempre tendo em vista, contribuir com o progresso, desenvolvimento e bem estar das nacoes menos favorecidas. Nunca se esqueca que a defesa da patria passa necessariamente pela defesa da nacao e nao o contrario. A defesa da patria estah implicita na defesa da nacao. A patria soh tem valor na medida que a nacao eh forte o suficiente para domina-la e racionalmente explora-la para o seu proprio bem-estar – que nao tem sido o caso do Brasil, com a invasao das multinacionais e seus poderosos lobbies, o massacre e o estupro cultural brasileiro. Estamos pre-destinados a ser uma superpotencia e nao tenho a menor duvida que nao seremos como as atuais e aquelas do passado. Podemos ter algumas elites levianas, mas o povo brasileiro, gracas a Deus eh diferente, de longe muito mais virtuoso e numeroso que elas!!!!

  43. Al,

    Só informando que li seu comentário.

    Um abraço.

  44. Bosco,

    Tambem li sua mensagem, espero que eu nao tenha lhe ofendido, afinal voce tem o direito de pensar o que quiser e discordar de mim.

    Um abraco amigo

  45. Bosco teu ponto de vista militar entendi mas achar que eles viriam somente por uma verde causa é muito dificil.Na verdade eles querem o que tem la,o petroleo asim como tambem querem as riquesas Amazonicas.Esses argumentos internacionais de verde vale é puro embuste.Eles são os maiores degradadores do planeta e não nós.

  46. Bosco,

    A sociedade ideal, TEM COMO BASE, o NACIONALISMO. A ideologia nacionalista eh a fonte da sociedade que atende melhor o seu sentimento humanista. Eh tendo em vista o bem-estar do ser humano que precisamos dos sistemas capitalista e politico democratico. A liberdade eh um fator basico para qualquer ser vivo e para nos nao poderia ser diferente. Eh por isso que precisamos da democracia e do capitalismo, muito embora, necessariamente, haja regras tanto para o exercicio da democracia, quanto as liberdades economica e de imprensa, justamente para melhor atenderem as necessidades do ser humano, ou a sociedade, como um todo e nao sohmente aos interesses da velha conhecida sociedade que manda.
    Pode-se dizer que tanto Karl Marx quanto Adam Smith eram humanistas por excelencia, uma vez que seus estudos e teorias eram focados nas estruturas modo de producao capitalista e as relacoes sociais. Na verdade, nao soh analisava-se as entranhas do modo de producao capitalista, o materialismo e suas relacoes com o ser social e humano, o acumulo de capital e a expansao capitalista. Era flagrante a preocupacao com a estrututura e o funcionamento do modo de producao capitalista, visando a satisfacao das necessidades de consumo do ser humano – humanista.
    A ideologia nacionalista verdadeira, anda de bracos dados com o humanismo, ela eh baseada na cidadania e nao na raca, assim ela supera todas as diferencas raciais e sobretudo religiosas. Entendemos que principios religiosos sao tidos como bons e desejaveis na formacao do carater do individuo e estimula a honestidade, a empatia, a solidariedade, a moral, a etica, o respeito e a harmonia social, bem como entre as diversas nacoes no globo.
    Gostaria de enfatizar que o nacionalismo eh sinonimo de governo do povo, pelo povo e para o povo, significa tambem, um sistema economico capitalista, uma vez que eh de longe o mais produtivo, mais eficiente, qualitativamente melhor, e acompanha melhor as demandas decorrentes do crescimento populacional. As liberdades individuais e de imprensa e opiniao sao sagradas, embora eu creia que devam exister leis, regulamentando essas liberdades.
    Assim, o nacionalismo surge como uma grande forca, a fonte e ao mesmo tempo a bussola que nos orienta para o progresso, para o nosso desenvolvimento social e humano. Se cada nacao fosse nacionalista, nestes termos, com certeza, teriamos um mundo melhor, com todos tendo nao soh os seus respectivos “buchos” cheios, mas, bem e felizes cidadaos harmoniosamente cohabitando o planeta Terra. Essa eh a essencia do meu humanismo, NACIONALISTA, TUDO PELA NACAO!!!!

  47. E.M.Pinto :
    E pessoalmente não vejo a invasão “americana” como uma ameaça direta e sim como consequência de outra ameaça, por exemplo uma disputa regional entre nações em que uma delas tenderia para um apoiante estrangeiro.
    Quem sabe da história do plano de invasão do nordeste na 2ª GG sabe do que estou falando, naquela altura os EUA não pretendiam atacar o Brasil e dominar território, mas sim seriam forçados a isto se o Brasil não colaborasse, pois o que estava em jogo era a inquestionável vantagem no conflito.
    Temos 3 ambientes para isto, energia (petróleo gás) recursos minerais e alimentícios, água (amazônia) e os nossos comportados vizinhos.
    Chavez e colômbia, onde o primeiro faz de tudo para cubanizar o que restou da América latina e o segundo sabota tudo o que é intenção do Brasil nas convenções e grupos que participa, com estes amigos que temos, tá mais que na hora de abrimos os olhos e partimos para o projeto armagedom do contrário a felicidade vai bater ai na nossa porta justamente por causa destes dois.
    sds
    E.M.Pinto

    O meu medo é do sabotador, esse país e q tras perigo a nós,o Chapolim está + amigável com sua péssima performance dentro do seu próprio país; fico triste em saber q dentro de uma década teremos um Vls viável.Outros países já terem meios + avançados a base de plasma…estamos mt ,+ mt mesmo na rabeira da autodefesa.Lamentável,Sds.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: