Articles

“Mistral” sob pressão?

In Defesa, Geopolítica, Naval, Navios de Guerra on 11/09/2010 by E.M.Pinto Marcado: , ,

https://i2.wp.com/img413.imageshack.us/img413/1568/tonnerre.jpg

Segundo o Ministério da Defesa francês,o ministro do Exterior russo, Sergey Lavrov e Anatoly Serdyukov ministro da Defesa, reuniram-se com os seus homólogos franceses em 07 de setembro para continuar as negociações para a compra dos navios da classe Mistral pela Rússia, entre outras questões políticas. Desde que a Rússia manifestou o seu interesse em comprar e contruir alguns navios de assalto anfíbio desta classe em agosto de 2009, as negociações e reuniões foram realizadas em diferentes ocasiões. No entanto, Lavrov confirmou esta semana que as negociações continuam, com negociações cada vez mais específicas. Ele ainda enfatizou que o processo agora centrar-se sobre a transferência de tecnologia.


https://i1.wp.com/jdb.marine.defense.gouv.fr/public/tnr/Les_deux_BPC_aux_bassins_Vauban/.09TLN0235iB_S-DZIOBA_010_DxO_m.jpg

Os navios da classe Mistral pode implantar rapidamente um grande número de tropas, veículos e helicópteros para qualquer zona costeira do mundo. Desse modo, é um trunfo poderoso para operações no estrangeiro. Em números, pode transportar 16 helicópteros, quatro barcaças de desembarque, até 70 veículos, incluindo 13 Blindados MBT, e 450 soldados. Em paralelo, o navio de 200 metros de comprimento pode acomodar uma sede operacional inteira para as operações conjuntas, bem como um centro médico.

Um problema comum

Enquanto o diálogo bilateral sobre este possível acordo de defesa de vários bilhões de dólares continua, a RIA Novosti e Kommersant informaram em meados de agosto que a Rússia teria “apoiado” fora das negociações com a França, os planos de realizar uma concorrência para a construção destes navios, que permitirá que a indústria da Rússia participe no programa. Este movimento veio depois de reclamações da United Shipbuilding Corporation (USC) foram expressas sobre a relutância do Ministério da Defesa para permitir que os estaleiros russos de se associar com estaleiros estrangeiros para um contrato desse tipo.

Durante sua reunião com seu homólogo francês, Lavrov explicou que a Rússia teve de emitir uma Solicitação de Propostas, como é exigido por lei. No entanto, nenhuma das partes quis deixar a impressão de que isso iria comprometer as negociações “exclusivas.” Segundo o Kommersant, a USC tem oferecido para a construção do navio de U$ 500 a U$ 700 milhões, o que é superior ao preço da França em cerca de US $ 430 a 580,000 mil dolares.

https://i1.wp.com/www.defense.gouv.fr/var/dicod/storage/images/base-de-medias/infographies/aa-bpc_mistral/714233-1-fre-FR/aa-bpc_mistral.jpgAssim, a Rússia enfrenta o mesmo problema que muitos países ocidentais tiveram de enfrentar durante as últimas décadas: comprar barato no exterior ou comprar caro em casa e apoiar a indústria nacional? Especialistas em defesa russos advertiram há muito tempo que as capacidades da indústria de defesa nacional estão aquém dos países ocidentais, tornando difícil para as empresas se manter competitiva a nível internacional. A fim de dar impulso à indústria nacional, o presidente russo, Dmitry Medvedev, aprovou, em Março de 2010, uma política de longo prazo para o desenvolvimento da indústria nacional de defesa. Juntamente com uma nova doutrina militar, emitido em fevereiro de 2010, a liderança política da Rússia lançou um grande esforço para modernizar suas forças armadas, também espera que isso gere um impulso significativo para a indústria de defesa russa.

No entanto, Medvedev está bem ciente do fato de que a capacidade de inovar é necessária para suportar qualquer esforço de modernização. Já no final de 2009, ele pediu o apoio da indústria de defesa para assegurar a efetiva modernização das forças armadas e fornecê-lo com armas de última geração no “estado da arte”. Em Agosto, o presidente russo declarou: “Para manter nossa posição competitiva no mercado de armamento e equipamentos especiais, nós devemos ativamente modernizar o nosso complexo militar-industrial, introduzindo tecnologias inovadoras e novos métodos de gestão e atrair jovens profissionais talentosos”.

preocupações no Báltico

De todos os lugares, um dos estaleiros da USC que estariam envolvidos na construção dos navios anfíbios está localizado no enclave russo do Báltico de Kalingrado. Embora não seja o local da construção, que preocupa os vizinhos da Rússia, os protestos de numerosos políticos do Báltico contra a venda de navios de guerra franceses para a Rússia, é a ameaça à soberania dos países bálticos que representa tal capacidade provida por esses navios. Já no final de 2009, a Letônia expressou preocupações sobre a repercussão possível do acordo franco-russo. funcionários letões referiam que se a Rússia comprar um navio deste tipo e colocá-lo no mar Báltico, a Letônia teria que rever seu plano de defesa do Estado, a partir de um ponto de vista da ameaça militar á segurança do Estado.

As esperanças da Ministra da Defesa Nacional lituana, a Sra. Rasa Jukneviciene, que o caso “Mistral” seja discutido dentro da União Européia e da OTAN, O ministro da Defesa da Letônia Imants Liegis disse: “Eu acredito que tais questões estratégicas e militares como a venda de equipamentos de última geração para terceiros deve ser discutido com os parceiros da OTAN e os Estados membros da UE antes de se tomar uma decisão.” O temor dos Estados do Báltico tem sido o fato de que as suas preocupações estão sendo ignoradas no seio da OTAN. Assim, Liegis enfatizou ontem: “A OTAN e os esforços da UE para melhorar a sua relação com a Rússia não deve ocorrer em detrimento da segurança da região do mar Báltico.”

Fonte: Defense & Professionals Tradução e texto Geopolítica Brasil

Anúncios

7 Respostas to ““Mistral” sob pressão?”

  1. Que os Rússos vão ter esses navios, td nós o sabemos, o + importante p eles é a transferência de tecnológia…até parece certo um país da AS.

  2. Parece que a proa do navio de assalto da classe Mistral está inacabado. Muito feio. Porque os Russos precisam de transferência de tecnologia para construção de um navio anfibio? Eles já constroem porta-avioes… Estranho.

  3. Apenas imaginemos: Nosso país tipiniquin com dois mistral deste,completo é claro mais dois Nae de 50.000 ton, com dois esquadrões de rafale que seja, ja colocaria um pouco de respeito dentro da nossa fronteira marítima, ah claro acompanhsado das escoltas italianas.Ô gente num se pode sonhar, voces ja nos xingam acreditemos que um dia chegamos lá.

  4. Eis aí a Rússia se adaptando aos novos tempos, comprando equipamento bélico ocidental…

  5. A Russia quer manter sua hegemonia na regiao, agora ironicamente com tecnologia ocidental. Fará o que sempre fez, agora com tecnologia de ponta. Pelo historico russo, os estados bálticos teem mesmo que ficar de orelha em pé.

  6. esse sim… é bom!

  7. Wolfpack :
    Parece que a proa do navio de assalto da classe Mistral está inacabado. Muito feio. Porque os Russos precisam de transferência de tecnologia para construção de um navio anfibio? Eles já constroem porta-avioes… Estranho.

    Amigão,os porta-aviões Russos,são fabricados pela Ucrânia,bem como alguns navios;eles os russos, são bons em submarinos,ai eles são formidáveis.
    Aliás os ucranianos tem parcerias estratégicas com o Brasil,né.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: