Articles

Ação militar contra o Irã devido a programa nuclear “não é o ideal”, diz Obama

In Conflitos, Defesa, Geopolítica, História, Opinião on 22/09/2010 by konner7

https://i2.wp.com/nsm01.casimages.com/img/2008/11/05//081105103318347662706731.gif

DA REUTERS, EM WASHINGTON
DE SÃO PAULO

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta segunda-feira que o Irã possuir uma arma nuclear seria um “problema real”, mas ele não acredita que uma ação militar de Israel ou dos EUA seja a “forma ideal” de solucionar a crise.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), os EUA e a União Europeia impuseram sanções mais duras contra o Irã, que vem desafiando os pedidos internacionais para que interrompa as atividades de enriquecimento de urânio.

O Irã afirma que precisa do urânio enriquecido para a geração de eletricidade, mas os EUA e seus aliados, incluindo Israel, temem que o programa nuclear de Teerã seja uma forma de acobertar a tentativa de desenvolver uma bomba atômica.

“Continuamos abertos a soluções diplomáticas para resolver isso”, disse Obama em um encontro na CNBC. “Não achamos que uma guerra entre Israel e Irã ou as opções militares sejam a forma ideal para resolver esse problema. Mas mantemos todas as nossas opções sobre a mesa”, afirmou ele.

Os comandantes militares dos EUA também advertiram que eventuais ataques israelenses ou norte-americanos contra o Irã poderiam provocar ações de retaliação de Teerã e de grupos como o Hizbollah, no Líbano, e o Hamas, na faixa de Gaza, capazes de desestabilizar a região.

O Irã afirmou nesta segunda-feira que a agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) sofre de uma crise de “autoridade moral e credibilidade”, ressaltando uma piora nas relações entre Teerã e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Em um discurso aos Estados-membros da AIEA, incluindo os Estados Unidos, o coordenador de energia nuclear do Irã, Ali Akbar Salehi, também desafiou as exigências internacionais para que o país islâmico interrompa a atividade que o Ocidente suspeita que seja destina a fabricar bombas atômicas.

Salehi criticou o mais recente relatório da AIEA sobre a atividade nuclear do Irã, dizendo que o texto é injusto e sugerindo que as potências ocidentais o influenciaram. “Parece que a agência está sofrendo uma crise de autoridade moral e de credibilidade”, disse.

O relatório mostrou que o Irã intensificou a atividade de enriquecimento de combustível nuclear, segundo o governo apenas para fins pacíficos, desafiando as sanções mais rigorosas impostas pela ONU, pelos EUA e pela União Europeia desde junho. O documento também manifestou frustração pela falta de cooperação plena do Irã para com os inspetores da AIEA.

As relações entre o Irã e a AIEA têm se deteriorado desde que o diplomata japonês Yukiya Amano assumiu a diretoria da agência em dezembro.

Ele assumiu uma postura mais dura com relação ao Irã do que seu antecessor Mohamed ElBaradei. Em seus relatórios ao conselho de governadores da AIEA, ele disse que Teerã pode estar tentando desenvolver um míssil nuclear agora, e não apenas em algum momento do passado.

ENTREVISTA

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, voltou a negar que seu país tenha a intenção de construir uma bomba atômica. O líder do Irã disse ainda que inspetores da ONU “nunca apresentaram provas” de que Teerã pretenda obter uma arma nuclear e que as sanções impostas pelos EUA e pela ONU devido ao programa iraniano são “ineficazes”. “Não temos medo de bombas atômicas. Se nós de fato quiséssemos construir uma arma nuclear, teríamos coragem suficiente para anunciar esse desejo. Mas nunca fizemos isso. Nós defendemos que o arsenal de bombas nucleares [pelo mundo] deveria ser destruído”, afirmou ele durante entrevista à Associated Press, em sua sétima visita aos EUA.

Os EUA e outras potências ocidentais acusam o Irã de planejar a construção de uma bomba atômica. Teerã nega e diz que seu programa tem fins pacíficos.

Para Ahmadinejad, uma nova rodada de sanções contra seu país seria inútil. “Se elas fossem efetivas, não estaríamos sentados aqui neste momento”, disse.

O Conselho de Segurança da ONU já impôs quatro rodadas de sanções contra Teerã para pressionar o governo de Ahmadinejad a suspender o enriquecimento de urânio e voltar às negociações com seis países –EUA, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha– sobre suas ambições nucleares.

Em julho, o presidente do Irã disse que as negociações começariam em setembro, mas não deixou claro se seu país irá participar. “Não colocamos restrições a negociações”, disse ele. “Se ele nos disserem oficialmente que haverá uma reunião conjunta, nos prepararemos para isso”.

RESPOSTAS

Ao mesmo tempo, Ahmadinejad que o Irã “aguarda respostas” para perguntas feitas às seis potências nucleares. Segundo ele, o grupo deve deixar claro se “quer criar circunstâncias para aprofundar a amizade ou se deseja criar um clima de confrontação”. Além disso, Teerã exige que os seis países “reiterem seu compromisso com o TNP (Tratado de Não-Proliferação Nuclear) e deixe clara sua posição “sobre as [supostas] armas nucleares do regime sionista [Israel]”.

“As respostas deles não impedem a retomada das negociações, mas certamente definirão o tom das conversas”, disse Ahmadinejad.

O líder iraniano defendeu ainda que o governo dos EUA “deve reconhecer que o Irã é uma grande potência”.

“Nos consideramos uma influência cultural e um amigo de outros países. Nunca tentamos dominar outros ou violar os direitos de outros países. No entanto, há aqueles que insistem em manter hostilidades contra nós, matando ou destruindo a possibilidade de amizade no futuro. Isso é uma infelicidade, porque está claro que o futuro pertence ao Irã, e que tais inimizades serão infrutíferas”, acrescentou.

Fonte: Uol

Anúncios

20 Respostas to “Ação militar contra o Irã devido a programa nuclear “não é o ideal”, diz Obama”

  1. e eu crente que os F22 iriam fazer uma incursão em outubro…

  2. o Obama sabe q um ataque ao Irã seria a ruína do “império yankee”.

  3. Os iranianos iriam até o fim! E os EUA não atacam porque todos tem “rabo preso”. No mundo que vivemos, todos possuem relações importantes com todos, sob diversas esferas. É muito difícil acontecer uma guerra real. A não ser com aqueles países que não possuem estas relações, que hoje são poucos no mundo.
    E a maior arma atualmente são os embargos econômicos e de tecnologia, pois não matam num raio de X km² uma região, e sim cada ser-humano que nela se encontra, e pior ainda, mata aos poucos!
    Eu acho que as confrotações serão cada vez mais contra as MASSAS, e não contra países.

  4. LOGICO SABEM QUE SE ATACAREM O IRÃ VÃO TOMAR FOGUETADAS NA BUNDA,E SERIA A RUINA DO ESTADOS UNIDOS QUE VÃO DE MAL A PIOR,POSSIBILITANDO DE VEZ QUE A CHINA ASSUMA A LIDERANÇA MUNDIAL.

    IRÃ NÃO E IRAQUE ABRE O OLHO!!!

  5. Um ataque ao Irã significará a derrocada econômica dos EUA. A Europa, o Japão e muitos outros países sucumbiriam com um default dos EUA.

    Ah, a China. Com US$ 2,4 trilhões em títulos do tesouro dos EUA nas mãos, em breve ela comprará o que quiser.

    PS – As reservas do Pré-Sal, hoje estimadas em 100 bilhões de barris, valem, a preço de mercado, US$ 7 trilhões. A China tem $$$ nas mãos para comprar 1/3 de todo nosso petróleo… Pensem nisso.

  6. O Capitão Obvio, ataca novamente !

  7. É o Lula não sabia no que estava se metendo? né!
    Lá vai nois travez com a Turquia, devagar e sempre. Buscando alianças e parcerias, fora do imperio. GRANDE LULA, GRANDE LULA….

  8. B.O.B :
    LOGICO SABEM QUE SE ATACAREM O IRÃ VÃO TOMAR FOGUETADAS NA BUNDA,E SERIA A RUINA DO ESTADOS UNIDOS QUE VÃO DE MAL A PIOR,POSSIBILITANDO DE VEZ QUE A CHINA ASSUMA A LIDERANÇA MUNDIAL.
    IRÃ NÃO E IRAQUE ABRE O OLHO!!!

    Edu Nicácio :
    Um ataque ao Irã significará a derrocada econômica dos EUA. A Europa, o Japão e muitos outros países sucumbiriam com um default dos EUA.
    Ah, a China. Com US$ 2,4 trilhões em títulos do tesouro dos EUA nas mãos, em breve ela comprará o que quiser.
    PS – As reservas do Pré-Sal, hoje estimadas em 100 bilhões de barris, valem, a preço de mercado, US$ 7 trilhões. A China tem $$$ nas mãos para comprar 1/3 de todo nosso petróleo… Pensem nisso.

    Espero q o Irã tenha aprendido com seus vizinhos “invadidos” e se preparado p qdo vir a ser a bala da x, e como estão demonstrando q fizeram bem a lição de casa, os SSioniSStras/ianks estão pensando as consequências da aventura.O mundo só agradece a sensatez
    ; é a china torce pelo colapso dos ianks…Sds.

  9. Hummm Obama Bin Laden sensatinho voce heim amiguinho.Lembrou que não são o Iraque e espera minar a economia deles sucateando-os mas eles não são Saddan.E a crise economica e os desempregados e quase toda sua sociedade que te rejeitaria ainda mais sem falar no bilhões e vidas que terias de gastar para ser escudo da Europa e de Israel…TCHUMMMMM…

  10. xtreme 22/09/2010 às 14:00 | #1 Citar e eu crente que os F22 iriam fazer uma incursão em outubro…
    EI HOMEM DA TESE TU NAO DEIXA DE FAZER UMA BRINCADEIRINHA,KKKKKKKK

  11. carlos argus 22/09/2010 às 20:50 | #8 Citar B.O.B :
    LOGICO SABEM QUE SE ATACAREM O IRÃ VÃO TOMAR FOGUETADAS NA BUNDA,E SERIA A RUINA DO ESTADOS UNIDOS QUE VÃO DE MAL A PIOR,POSSIBILITANDO DE VEZ QUE A CHINA ASSUMA A LIDERANÇA MUNDIAL.
    IRÃ NÃO E IRAQUE ABRE O OLHO!!!

    Edu Nicácio :
    Um ataque ao Irã significará a derrocada econômica dos EUA. A Europa, o Japão e muitos outros países sucumbiriam com um default dos EUA.
    Ah, a China. Com US$ 2,4 trilhões em títulos do tesouro dos EUA nas mãos, em breve ela comprará o que quiser.
    PS – As reservas do Pré-Sal, hoje estimadas em 100 bilhões de barris, valem, a preço de mercado, US$ 7 trilhões. A China tem $$$ nas mãos para comprar 1/3 de todo nosso petróleo… Pensem nisso.

    Espero q o Irã tenha aprendido com seus vizinhos “invadidos” e se preparado p qdo vir a ser a bala da x, e como estão demonstrando q fizeram bem a lição de casa, os SSioniSStras/ianks estão pensando as consequências da aventura.O mundo só agradece a sensatez
    ; é a china torce pelo colapso dos ianks…Sds.

    CARA SE ELES FOREM PRA UMA NOVA AVENTURA DE GUERRA RAPIDA COM O IRAN,VAO SE FERRARRRRRRR,POIS VAI TER FOGO PRA TODO LADO O ORIENTE VAI ARDER NO FOGO E OS AMERICANOS NO BOLSO DO CONTRIBUINTE VAI SER UMA DERROTA SÓOOOOO…

  12. carlos argus :

    B.O.B :
    LOGICO SABEM QUE SE ATACAREM O IRÃ VÃO TOMAR FOGUETADAS NA BUNDA,E SERIA A RUINA DO ESTADOS UNIDOS QUE VÃO DE MAL A PIOR,POSSIBILITANDO DE VEZ QUE A CHINA ASSUMA A LIDERANÇA MUNDIAL.
    IRÃ NÃO E IRAQUE ABRE O OLHO!!!

    Edu Nicácio :
    Um ataque ao Irã significará a derrocada econômica dos EUA. A Europa, o Japão e muitos outros países sucumbiriam com um default dos EUA.
    Ah, a China. Com US$ 2,4 trilhões em títulos do tesouro dos EUA nas mãos, em breve ela comprará o que quiser.
    PS – As reservas do Pré-Sal, hoje estimadas em 100 bilhões de barris, valem, a preço de mercado, US$ 7 trilhões. A China tem $$$ nas mãos para comprar 1/3 de todo nosso petróleo… Pensem nisso.

    Espero q o Irã tenha aprendido com seus vizinhos “invadidos” e se preparado p qdo vir a ser a bala da x, e como estão demonstrando q fizeram bem a lição de casa, os SSioniSStras/ianks estão pensando as consequências da aventura.O mundo só agradece a sensatez
    ; é a china torce pelo colapso dos ianks…Sds.

    Não acredito que um ataque ao Irã va fazer os EUA desmoronar o.o
    Mesmo porque ja ficou claro, que aparentemente o plano de ataque
    visa somente as instalações nucleares, os EUA não pretendem fazer
    nenhuma outra ocupação por hora.

    Mas claro… Tudo é possível!!!

    Também acho que um ataque assim não vai atrasar muito o desenvolvimento
    da bomba atômica pelo regime iraniano. Um aumento no numero de atentados
    é possível, bem como uma retaliação contra Israel (que dependendo de como for)
    obrigue os EUA a intervir mais diretamente.

  13. Tiago Santos :

    carlos argus :

    B.O.B :
    LOGICO SABEM QUE SE ATACAREM O IRÃ VÃO TOMAR FOGUETADAS NA BUNDA,E SERIA A RUINA DO ESTADOS UNIDOS QUE VÃO DE MAL A PIOR,POSSIBILITANDO DE VEZ QUE A CHINA ASSUMA A LIDERANÇA MUNDIAL.
    IRÃ NÃO E IRAQUE ABRE O OLHO!!!

    Edu Nicácio :
    Um ataque ao Irã significará a derrocada econômica dos EUA. A Europa, o Japão e muitos outros países sucumbiriam com um default dos EUA.
    Ah, a China. Com US$ 2,4 trilhões em títulos do tesouro dos EUA nas mãos, em breve ela comprará o que quiser.
    PS – As reservas do Pré-Sal, hoje estimadas em 100 bilhões de barris, valem, a preço de mercado, US$ 7 trilhões. A China tem $$$ nas mãos para comprar 1/3 de todo nosso petróleo… Pensem nisso.

    Espero q o Irã tenha aprendido com seus vizinhos “invadidos” e se preparado p qdo vir a ser a bala da x, e como estão demonstrando q fizeram bem a lição de casa, os SSioniSStras/ianks estão pensando as consequências da aventura.O mundo só agradece a sensatez
    ; é a china torce pelo colapso dos ianks…Sds.

    Não acredito que um ataque ao Irã va fazer os EUA desmoronar o.o
    Mesmo porque ja ficou claro, que aparentemente o plano de ataque
    visa somente as instalações nucleares, os EUA não pretendem fazer
    nenhuma outra ocupação por hora.
    Mas claro… Tudo é possível!!!
    Também acho que um ataque assim não vai atrasar muito o desenvolvimento
    da bomba atômica pelo regime iraniano. Um aumento no numero de atentados
    é possível, bem como uma retaliação contra Israel (que dependendo de como for)
    obrigue os EUA a intervir mais diretamente.

    Claro como 2+2 =4, os iranianos vão atacar as bases ianks com seus misseis assim como os estado SSioniSStra, tem o problema da radiação q poderá chegar até ..e o estreito de ormuz q vai ser fechado pelos Persas, q tem só nimpedaço + de 3 subs adormecidos , na espera de ordem de ataque países q estão saindo da crise econômica vão afundar de x..inclusive os ianks..É terão de intervir militarmente p defender os SSioniSStras , pois ímpeto dos Medos está presentes nos Iranianos, sem falar nos seus aliados , os Palestinos de Gaza,Sirios é o temível Hesbolahh , q impos uma derrota aos SSioniSStras a bem pouco tempo. Enfim vai ser um baita rolo, = a + deficits = a desemprego dentros das terras ianks…Mt bom, o fundo do poço. Sds.

  14. Como ja disse, se fosse tao facil atacar o Iran ,isso ja teria sido feito a tempo.
    Seria uma pessima ideia para os americanos, os iranianos iriam mandar missel pra todos os lados, inclusive Arabia Saudita (instalacoes de petroleo) e dai os EUA iriam ficar sem gasolina..
    A economia ja em farrapos iriam pra frangalhos..
    A decisao foi sensata…
    Porem imaginem daqui a uns 3 anos quando o Iran de fato tiver a bomba..
    Dai que eles nao vao querer encarar mesmo…

  15. Pessoal,
    Estamos no mundo real. É no Céu que o que desejamos fortemente vira realidade.
    O fato dos EUA estarem em uma crise não quer dizer que deixaram de ser uma superpotência, e muito menos que perderão o lugar de potência dominante para a China, Rússia, Brasil, República Dominicana ou Principado de Mônaco nos próximos 30 anos.
    Tem que ter muita crise ainda e não tem que acontecer nenhum imprevisto nos países que estão no páreo para serem os bambambams.
    Os americanos, apesar da torcida ainda tem muito café no bule, queiramos ou não. E isso não tem nada a ver com ser antiaquilo ou contra-aquilo-outro. É fato.
    A crise americana afeta muito mais a situação interna que o vigor externo americano. Esse ainda continua e continuará dominante por um bom tempo.
    Quando e si a benevolente, pacífica, democrática e nada imperialista China, tão querida de todos, vier a se tornar a potência dominante, muitos já estarão velhinhos e eu provavelmente serei um lindo bebezinho rosado de cabelos cacheados, porque já terei reencarnado. rsrsrsrsrsrs

  16. Os EUA estão em crise e não em colapso. Colapso houve quando da queda da URSS.
    A crise americana aliada a vários outros fatores ocorridos no pós Guerra Fria, levarão com certeza a uma redução da influência americana e a um mundo mais multipolarizado, com maior participação de vários atores emergentes.
    Os EUA deixarão com certeza de ser a única superpotência dominante, mas a menos que caia um meteoro no Kansas ou que o supervulcão adormecido no Yellowstone entre em erupção, não há nenhuma possibilidade que os EUA venha a ser um país paupérrimo do Terceiro Mundo. Com certeza continuará a ser um país riquíssimo e será um dos países mais influentes e poderosas em todo o Século XXI e além, gostemos ou não.

  17. Bosco :
    Pessoal,
    Estamos no mundo real. É no Céu que o que desejamos fortemente vira realidade.
    O fato dos EUA estarem em uma crise não quer dizer que deixaram de ser uma superpotência, e muito menos que perderão o lugar de potência dominante para a China, Rússia, Brasil, República Dominicana ou Principado de Mônaco nos próximos 30 anos.
    Tem que ter muita crise ainda e não tem que acontecer nenhum imprevisto nos países que estão no páreo para serem os bambambams.
    Os americanos, apesar da torcida ainda tem muito café no bule, queiramos ou não. E isso não tem nada a ver com ser antiaquilo ou contra-aquilo-outro. É fato.
    A crise americana afeta muito mais a situação interna que o vigor externo americano. Esse ainda continua e continuará dominante por um bom tempo.
    Quando e si a benevolente, pacífica, democrática e nada imperialista China, tão querida de todos, vier a se tornar a potência dominante, muitos já estarão velhinhos e eu provavelmente serei um lindo bebezinho rosado de cabelos cacheados, porque já terei reencarnado. rsrsrsrsrsrs

    Eu espero estar no sheol(Ecl.9:5,Ezq.!8:4, 18:20 Joã.5:28,29 )e ser lembrado.Sds.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: