Articles

Após polêmica, Rússia desiste de entregar mísseis S-300 ao Irã

In Conflitos, Geopolítica, Mísseis on 22/09/2010 by E.M.Pinto

https://pbrasil.files.wordpress.com/2010/09/lavrov.jpg?w=300Sugestão: Rodrigo Couto

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

O governo russo anunciou nesta quarta-feira que as sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) ao Irã impedem a entrega de mísseis S-300 ao país.

A Rússia desistiu do contrato de venda dos sistemas de defesa à Teerã em função das restrições das Nações Unidas, declarou o comandante do Estado-Maior russo, o general Nicolai Makarvov.

“Tomamos a decisão de não entregar os S-300 ao Irã porque, sem dúvida, estão proibidos pelas sanções da ONU”, afirmou o general.

“O comando tomou a decisão de interromper o processo de entrega”, completou o militar.

Em junho, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, anunciou a decisão de Moscou de “congelar” a entrega dos S-300 a Teerã, pouco depois da ONU ter aprovado uma resolução que proibia a venda de algumas armas pesadas a este país.

O sistema de defesa antiaérea S-300 tem capacidade de derrubar aeronaves, mísseis de cruzeiro e ogivas de mísseis balísticos num raio de 144 quilômetros em altitudes de até 27 mil metros.

Rússia e Irã haviam assinado um acordo para a entrega dos mísseis S-300 ainda em 2007.

BELARUS

A polêmica em torno da entrega dos mísseis S-300 já dura meses. Após as sanções o governo russo emitiu declarações desencontradas sobre o contrato.

Ainda em agosto, o governo iraniano disse ter obtido quatro mísseis do tipo, apesar da recusa da Rússia em honrar o contrato de venda dos armamentos.

De acordo com a agência iraniana semioficial Fars, o país teria recebido dois mísseis S-300 de Belarus e outros dois de um outro país não identificado.

Na época um porta-voz do Exército de Belarus negou a entrega. “Ainda não houve conversas com o Irã sobre a entrega de tais sistemas [de defesa antiaérea], e consequentemente não houve entregas ao Irã, nem destes equipamentos nem de partes dele”, informou Vladimir Lavrenyuk.

“Belarus observa rigidamente todos os acordos internacionais sobre o controle das exportações [de armamentos]”, disse.

POLÊMICA

Dias após a aprovação de sanções ao Irã no Conselho de Segurança da ONU, ainda em junho, Teerã disse que a Rússia deveria honrar suas obrigações.

“A venda dos equipamentos S-300 é um acordo de defesa que não tem nada a ver com as sanções do Conselho de Segurança da ONU e os russos devem cumprir com seus compromissos a este respeito”, disse na época o ministro de Defesa do Irã, o general Ahmad Vahidi.

Os EUA indicaram que o Irã teria capacidade de atacar a Europa com mísseis e criticaram a relação da Rússia com o país. Teerã nega que possua armamentos de longo alcance que possam atingir o continente europeu.

ENTENDA O CASO

Ainda no início de junho, um dia após a aprovação de sanções contra Teerã na ONU, o departamento de Estado dos EUA reafirmou em comunicado que os mísseis S-300 que a Rússia pretende entregar ao Irã não têm a venda proibida de acordo com a nova rodada de sanções impostas pelas Nações Unidas contra o país persa.

No entanto, o órgão americano afirmou que a resolução pede que os Estados “exercitem a vigilância e restrição na venda ou transferência de todas as outras armas e materiais relacionados” e afirmou que “agradecemos a restrição da Rússia na transferência do sistema de mísseis S-300 ao Irã”.

Inicialmente o governo russo sinalizou divergências quanto ao assunto, emitindo declarações desencontradas. Primeiramente, a agência de notícias russa Interfax citou uma fonte da indústria armamentícia, em anonimato, dizendo que Moscou iria congelar o contrato de venda dos mísseis por causa das sanções.

Na sequência, o porta-voz da Chancelaria russa, Andrei Nesterenko, negou a informação e disse que as únicas armas de defesa aérea proibidas de serem vendidas, de acordo com as novas sanções, são sistemas de mísseis portáteis, como lança-mísseis. “Armas de defesa aérea, com exceção de sistemas de mísseis portáteis, não estão incluídos no registro da ONU de armas convencionais que são mencionadas pela resolução sobre o Irã”, disse.

Depois, o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, reafirmou que as novas sanções impostas pela ONU ao Irã não obrigam Moscou a cancelar o acordo de venda mísseis. Lavrov disse ainda que Moscou mantém negociações para construir mais usinas nucleares no Irã — uma medida que, se for posta em prática, deve enfurecer as potências ocidentais –, para se somar à de Bushehr, prevista para entrar em operação em agosto após anos de atraso.

Fonte: Folha

Anúncios

26 Respostas to “Após polêmica, Rússia desiste de entregar mísseis S-300 ao Irã”

  1. Tamaras Nucks virou passas k k k k k

  2. E O IRAN FICOU A VER NAVIOS NESSA DO S300,FICOU FEIO…

  3. Não estou entendendo mais nada do que os russos estão fazendo. Entregam ou não entregam? Compram armamentos dos EUA ou não?

    Virou um samba do crioulo doido…

  4. É…pipocou!!!

    Mas conserteza deve haver outros interesses por tras disso.

  5. Parece a crise dos mísseis só que o Irã não é Cuba, ele tem de onde conseguir dinheiro e produzir seu próprio equipamento, não vão ficar a ver bicicletas como Cuba ficou.
    Se bobear é uma jogada entre russos e iranianos para que os russos consigam algo dos americanos.

  6. É, parece que o Brasil não é o único a enfiar o rabinho no meio das pernas de medo do Tio Sam.

    E nem venham falar que foi decisão da ONU, pois todos sabemos que a ONU come na mão dos Yanks.

    É isso aí Tio Sam, pé na b…. dos Ursos.

  7. pronto… agora israel pode tranformar aquilo em estacionamento sem mtos impedimentos e mcaso de problemas…

  8. hum.. o que o Putin ganhou em troca??

  9. Os russos não são ingênuos,como alguns por aqui pensam;eles sabem muito bem o que querem e já, já; os chineses darão o seu preço.
    A ONU,continua como sempre,é igual a peito de homem,a sua insignificância é patética assim como todo este esforço do TIO SAM para evitar que os iranianos tenha a bomba atomica.

  10. Aposto um bilhão de u$ por 1 milhão de km2 do pólo Artico. E ainda que o Canadá, Noruega e afins vão ficar caladinhos: O Iran não recebe seus poderosos dissuasores s300 e o “velho urso” umas reservas consideráveis de recursos energéticos e naturais.

  11. A Russia não cedeu aos americanos apenas se alinhou a eles pra enfrentar a China (o Irã fornece petroleo pra China e quer fornecer gas pra Europa)o que tambem coloca a Europa na mão da Russia ja que os russos são o maior fornecedor de gas para a Europa alem de serem o maior credor da Inglaterra.

  12. Um Urso que antes era temido, agora foi domesticado.

    Os russos falam, falam, mas no final da história, acabam fazendo o que o ocidente (Estados Unidos), quer.

  13. Para quem achava que os russos eram confiáveis e os Americanos não, isso deve estar sendo um pesadelo!

    Que sirva de lição ao Brasil: Aliados e parceiros são pontuais e de momento. Nada existe de certo na política e nas relações entre os Países.

  14. os S-300 só detectam os F22 a 25km de distância.. ou seja..rsrsrs… viraram pó muito antes…rsrs… próximo da lista please…rsrsrs

  15. Não fique tristinho meu Chá da Persia va a Chineses eles te vendem e t~]ao nem ai pra todos e tudo.

  16. ROBERTO CIRQUEIRA :
    E O IRAN FICOU A VER NAVIOS NESSA DO S300,FICOU FEIO…

    Ainda tem a Urcânia e as cópias chinesas do S300, e concordo, os Rússos , países ñ amigos + sim interesses.Os Rússos estão , tbm , no momento, ñ saõ confiáveis. Sds.

  17. Mais uma prova inconteste de o país que quiser ter capacidade de dissuasão militar deve investir em TECNOLOGIA PRÓPRIA, do contrário vai sofrer sanções quando começa a falar grosso.
    E ainda tem gente no Brasil que defende compra de prateleira, dai quando o caldo entornar, vai ser aquela história, a mais a época era outra, eramos amigos…

  18. carlos argus 22/09/2010 às 20:55 | #16 Citar ROBERTO CIRQUEIRA :
    E O IRAN FICOU A VER NAVIOS NESSA DO S300,FICOU FEIO…

    Ainda tem a Urcânia e as cópias chinesas do S300, e concordo, os Rússos , países ñ amigos + sim interesses.Os Rússos estão , tbm , no momento, ñ saõ confiáveis. Sds.
    CERTICIMO CARLOS ARGUS A SUA COLOCAÇAO,REALMENTE NAO SAO CONFIAVEIS,TODOS SAO FARINHA DO MESMO SACO,FRANCES,RUSSOS,EUA,E ETC…..

  19. Jakson Almeida 22/09/2010 às 19:14 | #11 Citar A Russia não cedeu aos americanos apenas se alinhou a eles pra enfrentar a China (o Irã fornece petroleo pra China e quer fornecer gas pra Europa)o que tambem coloca a Europa na mão da Russia ja que os russos são o maior fornecedor de gas para a Europa alem de serem o maior credor da Inglaterra.
    CARA VC VEIO COM UM VISUAL ATERRORIZANTE….KKKKKKKKKK

  20. Finalmente alguma sensatez no lado russo. Quem nao cumpre compromissos internacionais sao os iranianos. Pária tem que ser tratado como tal.

  21. Não acredito que a China ou qqer outro país venderiam este tipo de arma, ou qqer outro modelo, NESTE MOMENTO. Lembrem-se, a China faz parte do CS da ONU e votou à favor do embargo.

    Ou seja,o Irã vai se fingir de morto, o embargo cai e o Urso vende.

  22. Fabio ASC :
    É, parece que o Brasil não é o único a enfiar o rabinho no meio das pernas de medo do Tio Sam.
    E nem venham falar que foi decisão da ONU, pois todos sabemos que a ONU come na mão dos Yanks.
    É isso aí Tio Sam, pé na b…. dos Ursos.

    A Rússia com medo do Tio Sam é nova!!

    Tem algo por baixo, pois foi divulgado antes que as sanções não afetariam a venda de armas russas assim como não afetariam os investimentos chineses no Irã, e os chinas a pouco tempo enfiaram 40 Bi no Irã… tem algo aqui que eles não querem dizer… os russos não votariam a favor de sanções na ONU como fizeram se afetasse os seus interesses, eles tem poder de veto e poder de revogação de acordos e sanções, basta ter mais dois votos de países de conselho de segurança, e não precisam ser os com poder de veto, pode ser um dos rotativos mesmo…. os Russos fazem o que quiserem na ONU.

    Acho que nunca saberemos a verdade!!

  23. Jose Vanildes Luiz :
    Finalmente alguma sensatez no lado russo. Quem nao cumpre compromissos internacionais sao os iranianos. Pária tem que ser tratado como tal.

    Francoorp :

    Fabio ASC :
    É, parece que o Brasil não é o único a enfiar o rabinho no meio das pernas de medo do Tio Sam.
    E nem venham falar que foi decisão da ONU, pois todos sabemos que a ONU come na mão dos Yanks.
    É isso aí Tio Sam, pé na b…. dos Ursos.

    A Rússia com medo do Tio Sam é nova!!
    Tem algo por baixo, pois foi divulgado antes que as sanções não afetariam a venda de armas russas assim como não afetariam os investimentos chineses no Irã, e os chinas a pouco tempo enfiaram 40 Bi no Irã… tem algo aqui que eles não querem dizer… os russos não votariam a favor de sanções na ONU como fizeram se afetasse os seus interesses, eles tem poder de veto e poder de revogação de acordos e sanções, basta ter mais dois votos de países de conselho de segurança, e não precisam ser os com poder de veto, pode ser um dos rotativos mesmo…. os Russos fazem o que quiserem na ONU.
    Acho que nunca saberemos a verdade!!

    É isso aê, sem + comentários. Sds.

  24. Isso ta ficando feio pros Russos a cada cinco minutos trocam de ideia..
    Agora sim, agora nao…Como o colega disse ,isso esta como o samba do criolo doido….concordo…

  25. o jogo das sanções:
    ————————

    A condenação das sanções contra o Irã

    Enviado por luisnassif, qui, 23/09/2010 – 07:02

    Por Tomás Rosa Bueno

    Por enquanto discretamente – até ontem, em toda a imprensa em inglês, havia apenas uma nota da Reuters e outra de uma agência iraniana repercutindo a Reuters -, está em curso na Assembleia Geral da ONU uma iniciativa patrocinada pelo Brasil, a Rússia, a Índia e a China para obter uma resolução da Assembleia Geral condenando as sanções unilaterais contra o programa nuclear iraniano.

    Alguns países, entre els a Austrália e o Canadá, além dos Estados Unidos e da União Europeia, impuseram o seu próprio pacote de sanções contra o programa nuclear iraniano, à margem da ONU. Já em junho, antes mesmo da votação da resolução do Conselho de Segurança impondo sanções multilaterais contra o Irã, o chanceler russo, Sergei Lavrov, declarou que a Rússia se oporia a qualquer iniciativa de sanções unilaterais, chamando-as de “ilegais”. A China também já tinha soltado alguns resmungos contra as sanções unilaterais – a grande novidade, além da proposta de resolução da Assembleia Geral, é a adesão da Índia ao movimento contra as sanções. Devido à sua “relação especial” com os EUA na cooperação nuclear, a Índia vinha procurando manter-se “neutra” nesta questão, mas vem se irritando cada vez mais com o “aliado” nuclear que procura impor, via Grupo de Fornecedores Nucleares, limites à transferência de tecnologia nuclear que ferem os interesses indianos (e brasileiros, diga-se de passagem).

    Na entrevista à Reuters, o chanceler brasileiro Celso Amorim disse na terça-feira que a proposta de resolução foi discutida durante um encontro de ministros de relações exteriores dos quatro países na última terça-feira, em Nova York. Amorim afirmou que “em alguns casos somos contra até sanções multilaterais, de modo que com certeza as sanções unilaterais não são bem-vindas, porque estão fora do sistema da ONU”. O chanceler acrescentou que o Brasil e os EUA têm um objetivo comum, que é impedir o acesso do Irã a armas nucleares, e que as divergências são apenas quanto aos métodos.

    Sob o patrocínio de dois países do Conselho de Segurança, a China e a Rússia, do Brasil e da Índia, essa proposta de resolução, se concretizada, terá com certeza apoio da grande maioria da Assembleia Geral. As resoluções da AG não são legalmente vinculantes, mas têm um peso político importantíssimo. Os EUA, em uma manobra que já se tornou uma marca registrada nas suas relações com o Irã, estão boicotando o reinício das negociações sobre o programa nuclear iraniano enquanto esperam que mais países adotem sanções unilaterais, para depois acusar os iranianos de não quererem conversar. Uma resolução da Assembleia Geral contra medidas unilaterais que minam a autoridade das Nações Unidas seria uma medida decisiva contra a tentativa de deixar que a situação iraniana se deteriore a ponto de tornar qualquer negociação impossível.

  26. O Ur$o tá com medinhu tá!!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: