Articles

Portugal, a OTAN, o Atlântico Sul e o Brasil

In Conflitos, Geopolítica, Opinião on 22/09/2010 by E.M.Pinto

https://pbrasil.files.wordpress.com/2010/09/mapabrasil-portugal.jpg?w=300

Autor:João Brandão Ferreira

Fonte: Jornal Defesa e Relações Internacionais – Portugal

Decorreu, recentemente, no Instituto de Defesa Nacional – casa onde não se discute futebol, novelas ou rock and roll, mas coisas sérias que interessam ao futuro do país – um seminário sobre o futuro conceito estratégico da OTAN, o que não é certamente de se estranhar na próxima cimeira daquela organização, em Lisboa, em Novembro.

O debate foi encerrado pelos ministros da defesa português e pelo seu homólogo brasileiro, que estava em visita à terra de onde partiu um tal de Cabral, que haveria de aportar em Porto Seguro, por volta da primavera de 1500. Só por ter ouvido o ministro brasileiro valeu a pena a viagem.

Sem pretender tocar em tudo o que se debateu, direi que a focalização das intervenções se centrou na importância que o “mar” parece ter voltado a ter para Portugal – e não só como projeção de poder, mas como exploração de recursos – e no “súbito” interesse que o governo português passou a ter em mostrar a importância que o Atlântico Sul deve ter para a OTAN. O que se passou, naquele âmbito, naquele dia, mostrou à saciedade como, em política, não se pode ter razão antes do tempo. Mas, em Estratégia, pode e deve-se.

Expliquemo-nos: há cerca de 50 anos, o governo português, defendeu que a OTAN deveria estender-se ao Atlântico Sul, pois era necessário defender a África do ataque comunista e garantir a liberdade de comunicações marítimas, sobretudo a Rota do Cabo, por onde passavam (e passam!), a maioria dos abastecimentos para o mundo ocidental. Na altura, é claro, ninguém deu ouvidos ao que disseram os governantes de Lisboa. Nem a OTAN, nem a CEE (Comunidade Econômica Européia), nem os EUA nem, tão pouco os Ibero-Americanos, incluindo o Brasil. Se alguns políticos de nome acharam a idéia boa e pertinente, mantiveram a prudência do recato, face ao politicamente correto – uma constante de sempre.

Na altura pretendeu, ainda, o governo português lançar e desenvolver a “Comunidade Luso-Brasileira”, que poderia ter sido um instrumento de grande alcance para a segurança, desenvolvimento e aproximação das duas nações irmãs, que até há menos de 200 anos tinham sido uma só realidade política. O projeto frustrou-se sobretudo por manifesto desinteresse do Brasil que preferiu apostar no seu “dolce farniente” tropical, baseado no samba, futebol e carnaval, sustentado pelo que colhe no seu úbere solo e subsolo. E, ainda, por causa da aposta que fez em nos substituir na
África, acaso a Idéia portuguesa do Minho e Timor mancava, como veio a suceder.

Acontece que os povos podem viver nos mais diferentes regimes políticos ou ter da democracia a idéia mais díspar, mas vivem – normalmente sem darem conta – numa verdadeira ditadura geográfica. Ou seja a Geografia acaba sempre por se impor à Política e não esta àquela.

Sem embargo, um lance político/social em que a história dos povos é pródiga, fez com que uns “adiantados mentais” tomassem de assalto o Terreiro do Paço e tivessem decretado que o Infante D. Henrique, o D. João II, mais o Bartolomeu Dias, o Diogo Cão, o Vasco da Gama e um rol extenso de outros de semelhante coturno, eram gente pouco estimáveis, quiçá responsáveis pelas desgraças da Nação – os outros, piores ainda, eram os seus herdeiros mais modernos. Estas idéias peregrinas tiveram como consequência que o país voltasse as costas ao mar.

Passados mais de 30 anos após este erro trágico, a força das circunstâncias (e da Geografia…), está fazendo com que os responsáveis políticos atuais estejam a rever os erros (grosseiros) efetuados. A proposta de extensão da Plataforma Continental – que tão bem tem sido conduzida – aparece, assim, como uma espécie de “milagre” da N. Sª de Fátima! Vamos a ver se em vez de reverter a nosso favor não vai ser pasto dos tubarões europeus…

O Brasil, por sua vez, só acordou há poucos anos da sua letargia foram desenvolvendo indústrias de ponta e de grande mais-valia econômico/financeira; tornou-se auto-suficiente em energia – que era a sua grande vulnerabilidade – e, de uma potencia regional centrada no seu umbigo, sem qualquer espírito marítimo, de repente aparece a crescer brutalmente, e a requerer um lugar permanente no Conselho de Segurança da ONU e a promover acordos nucleares com o Irã!

Em Portugal, os políticos ofuscados pela Europa – de onde, no passado, quase nunca nos veio proveito algum – deram uns passos tímidos junto de quem falava português no mundo e criaram, em 1996, a CPLP, cujo maior cultor foi o embaixador brasileiro José Aparecido de Oliveira que, só por isso, já merece ficar na História. Esta organização tem tido um desenvolvimento muito periclitante em parte pelo pouco empenho português, desinteresse brasileiro e fragilidades de toda a sorte, de que sofrem os antigos territórios portugueses vitima da malfadada “descolonização”.

Chegamos a 2010, com uma crise econômico/financeira grave no mundo e outra pior em casa; com a UE cheia de problemas; sem peso especifico em nenhuma organização internacional de que Portugal é parte; endividados até ao tutano; com os partidos políticos em guerra civil permanente; a perder soberania e capacidades quase diariamente para Bruxelas (e Madrid) – muitos até gostam!, etc.

Com este pano de fundo, os políticos do retângulo dão-se, finalmente, conta dos erros feitos relativamente à “maritimidade” e o governo acorda para a realidade da OTAN querer fechar o comando que a Aliança tem em Oeiras, faz muitas décadas. Verifica também que tem que diversificar opções e mercados. O tempo que se perdeu!…

O Brasil e o mar aparecem, deste modo, como alternativas óbvias e válidas. Estando o ministro Jobim, em visita à Portugal e a assinar negócios, pareceu ao governo luso ser um bom momento para lhe pedir um acordo que ajudasse à manutenção do comando da OTAN em Oeiras, alegando-se uma parceria (“um olhar”), para o Atlântico Sul. A jogada foi bem vista e permitia, ainda, a Portugal aumentar a sua importância junto daquela organização de Segurança e dar o ar da sua graça.

Só que o ministro brasileiro, em resposta ao ministro português estragou, ainda por cima com uma franqueza brutal, a bem delineada jogada de poker portuguesa. O discurso do ministro Jobim valeu pela substancia mas, também, pela clareza e pela determinação que colocou nas idéias que defendeu. Nada, mas mesmo nada, usual num político. Também denotou alguma arrogância, sinal claro de que o aumento do poder real do Brasil, logo funcional, lhes está, já, a subir à cabeça (cabe aqui referir que um orador brasileiro que falou no painel anterior, querendo salientar a importância do mar para o Brasil referiu que o único ataque que o seu pais sofreu veio por mar – o ataque ao Rio de Janeiro, por parte de franceses; ora a verdade é que o Brasil nunca sofreu qualquer ataque por mar, já que na altura do conflito, a terra de Vera Cruz pertencia à corte portuguesa…).

Durante a sua intervenção o ministro do país irmão – onde os portugueses são um dos pratos fortes do anedotário nacional – referiu a continuada fraqueza dos países europeus da OTAN face aos EUA; condenou a expansão a leste; idem para a tentativa de colocar mísseis americanos em alguns desses países (no que tem razão), bem como a alteração dos limites de atuação do artº 5º- que afirmou apenas servirem interesses dos EUA – no que também, penso, tem razão, etc. No fundo defendeu que a OTAN já não tem razão de existir, pois já não existem as razões que levaram à sua fundação (no que está claramente enganado). Pelo meio desferiu uma tremenda acusação sobre os EUA, que deve ter deixado o adido militar daquele país com as orelhas queimando, e o ministro Santos Silva com um sorriso amarelo.

Bom, a OTAN para o Brasil tem apenas um interesse residual e talvez lhes escape que os europeus desenvolveram-se extraordinariamente à sombra do guarda-chuva convencional e nuclear americano. E, seguramente, não fazem idéia do que é ter 150 divisões soviéticas do outro lado da fronteira…

Andar para leste foi o corolário natural dos russos terem perdido a “guerra” e a União Soviética ter implodido. E se houve algum acordo com o senhor Gorbachev, sobre isso, não se sabe publicamente. Humilhar ou despertar ameaças na grande nação russa é que já parece ser politicamente insensato e aí tem o Sr ministro razão.

Que o Brasil possa ter razões de queixa dos EUA, por causa de muita política de canhoneira por parte daqueles no Hemisfério Centro e Sul-americano, é razoável; que os critiquem sobre as agressividades do Tio Sam sobre a Amazônia, também se aceita; e que vai haver mais choques agora que o Brasil aspira ser uma (super) potência é natural. O fato de o ministro pertencer ao Partido dos Trabalhadores é apenas uma contingência ideológica, que ajuda a alguma radicalização do discurso.

Que tudo isto deva interferir com a posição portuguesa é que já é discutível. Vejamos mais em detalhe:

A proposta de Lisboa não é geopoliticamente despropositada, nem ofende quaisquer interesses ou brios brasileiros. Permite uma eventual parceria que seria útil a ambos os países e oferecia-lhes uma posição reforçada, para quando os EUA quisessem unilateralmente e fora do âmbito da OTAN, instalar um comando qualquer que lhes permita operar no Atlântico Sul e na África. Dizer o senhor ministro Jobim que não quer países estranhos à região, por lá, pode ser uma tirada grandiloquente, mas que não colhe no campo prático, já que as águas internacionais são livres e nada restringe que países terceiros façam acordos entre si.

Porém, acredito que uma outra abordagem ao problema teria sido preferível, por parte do governo português: a de lançar a ideia de que o estabelecimento de uma zona de paz e segurança para a área em questão, deve constituir o esteio político/doutrinário da CPLP – onde parece que o Brasil não quer se empenhar, vide o recente acordo que fez com a CEDEAO (Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental). E Portugal não é estranho ao Atlântico Sul, andamos por lá uns cinco séculos e nas costas brasileiras 322 anos – mais do que o Brasil tem de vida própria…

Ora estando a CPLP estruturada neste sentido, já seria mais fácil ao Brasil aceitar uma parceria com a OTAN. Mas agora só se pode pensar nisso para a próxima cimeira.

Nota do Editor:  O Autor cometeu um leve equívoco o Sr. Ministro Nelson Jobim, não Pertence ao Partido dos Trabalhadores, PT, e sim ao PMDB.


Adaptação: Angelo Nicolaci- GeoPolítica Brasil

Fonte: Jornal Defesa e Relações Internacionais via Geopolítica Brasil

Anúncios

88 Respostas to “Portugal, a OTAN, o Atlântico Sul e o Brasil”

  1. HAHAHAHAHAHAHA.Os portugueses estão se achando os senhores do mar, quanta pretensão só se esqueceram que o seu paizinho esta falido.

  2. Jakson Almeida :
    HAHAHAHAHAHAHA.Os portugueses estão se achando os senhores do mar, quanta pretensão só se esqueceram que o seu paizinho esta falido.

    Jakson, pode me explicar o que quis dizer com Portugal se achando “senhores do mar”? Não percebi essa arrogância no texto. O autor fez um comentário a respeito da OTAN, organização a qual Portugal é um membro ativo. Penso que existe uma despropositada má vontade para com os portugueses da parte de alguns…

  3. Inacreditável. Trata-se de amontoado de chocarrices. Razão pela qual, reconheceu o próprio autor, os lusitanos enriquecem nosso anedotário nacional. Parem de cantar fado e acordem para o fato de que a Comunidade Européia engolirá Portugal, por conta do terrível endividamento, e acabarão por se tornarem cativos do capital especulativo, sendo expropriados em sua própria terra.
    Deixem cá o nosso samba e o futebol e olhem o que acontece em Atenas.

  4. A Portugal lhe faltou mais conhecimentos do pensamento estrategico brasileiro que somente agora se faz brilhar no Brasil. Sempre queriamos “cuidar” do Atlantico Sul, mas como sempre no Brasil faltou visao estrategica e de praxe “verbas”. O novo nome do jogo se chama “pre-sal” e ai os brios brasileiros se aricam quando Portugal aparece no cenario buscando uma cooperacao entre Brasil e OTAN.
    A falha no pensamento portugues tem a ver com os EUA e o fato da OTAN nao ser nada mais nada menos do que um comando americano. Portugal nao ajudaria em nada o Brasil uma vez que os EUA decidem se “apoderar” do Atlantico Sul.
    A janela de oportunidade brasileira esta aberta neste instante por causa das guerras americanas no Oriente Medio. Agora e a hora do Brasil correr atras do prejuizo dos ultimos 50 anos e colocar sua “Blue Navy” ao mar. Uma vez que as guerras americanas terminem as intencoes destes se voltam ao Atlantico Sul. Ja deram o primeiro salvo ativando a IV Frota. Estao pensando e antecipando os movimentos brasileiros no futuro. O Brasil tem que jogar a proxima cartada.
    Imaginem uma guerra global; somente dois gargalos e suficiente para paralizar comercio; Suez e Panama. O que resta? Atlantico Sul

    Quanto tempo se perdeu o meu Brasil!!

  5. Sempre foi assim,a Europa com pires nas mãos e um bando de malucos europeus( extrema direitas) pipocando para todo os lados na Europa,tem mais que acontecer isso.
    Cabe a nós sul americanos e Africanos colocar as nossas barbas de molho.
    Acho que os americanos, não gostam muito disso por aqui,já há os chineses,russos,iranianos,”a familia dorémi”…parece que as coisas por aqui virou o “terreiro do pai joão”,ou “a casa da mãe joana”.

  6. Fora os que não forem #BRASILEIROS#!!!!!

  7. Os paises pequenos da comunidade europeia so’ levam e levarao ferro dos paises grandes :Alemanha,Franca, Reino Unido…
    Todo esse interesse pelo Atlantico Sul depois da descoberta do Pre-Sal..
    Estamos cansados de ser colonia europeia/americana…precisamos nos cuidar desses mesmos exploradores mundiais como ja esta provado pela historia..
    Uns submarinos nucleares e algumas bombas “cogumelo” vao fazer esses “machoes” ficarem com voz de princesa….kkkkk

  8. Creio que chamar os portugueses de burros é exagerar, mas que de vez que outra montam num Jegue, isso la é verdade. Portugal quer ser ator grande de novo de maneira errada, sabe que sua sobrevivencia, como nação, depende totalmente da potente Inglaterra, de seu arsenal de guerra, sem o qual Portugal ja teria sido engolido literalmente pela Espanha. Portugal tenta fazer uma reação de gente grande, lá no Timor Leste, mas mesmo neste país pequeno precisa do apoio de outras nações, como o Brasil por exemplo, pois caso contrario levaria um chute no trazeiro da emergente Austrália. Resumindo, acho que Portugal poderia se unir ao Brasil, mas de maneira humilde, assim como a Inglaterra é com os EUA, baixa a cabeça e resmunga baixinho.
    Não tem outra opção, é talvez o país mais fraco da Europa e de quebra se encosta em países que tradicionalmente não simpatizam muito com a lingua Latina.
    Pobre Portugal, se não se tocar de vez pode ser aniquilado pela sua própria sombra. Se encostar no Brasil pode pegar alguma luz, se afastar demais pode ficar pra sempre na penumbra.

  9. Guga :

    Jakson Almeida :
    HAHAHAHAHAHAHA.Os portugueses estão se achando os senhores do mar, quanta pretensão só se esqueceram que o seu paizinho esta falido.

    Jakson, pode me explicar o que quis dizer com Portugal se achando “senhores do mar”? Não percebi essa arrogância no texto. O autor fez um comentário a respeito da OTAN, organização a qual Portugal é um membro ativo. Penso que existe uma despropositada má vontade para com os portugueses da parte de alguns…

    Todos nós BRASUCAS temos uma porção de sangue lusitano,temos + é q olhar p Portugal e ver o futuro da AS, onde o mesmo irá ocorrer ao longo dos anos,com a integração e fronteiras abertas.Seremos um continente homogenizado, como já está ocorrendo na europa , lêia-se UE. Sds.

  10. Guga depois de tudo que foi comentado acima é desnecessário explicar o que eu quis dizer com “os portugueses estão se achando os senhores dos mares”.
    Pelo que parece o Brasil pode “ganhar um estado alem mar”.hahahahaha!!!!

  11. carlos argus os americanos tambem devem ter uma porção de sangue britanico nas veias e no entanto tratam a Inglaterra como um “estado-capacho”.

  12. Ele esta falando sério… fiquei na dúvida…

    Fato: A OTAN tem resguardado os interesses estadunidenses direta ou indiretamente na questão energética e onde o fez, piorou a situação da SEGURANÇA em todos os sentidos e para TODOS, para dizer o mínimo… Em alguns lugares, chega muito próximo a descrição do inferno.

    Fato: Haverá disputas cada vez maiores para garantir os escassos recursos fósseis ainda disponíveis.

    Fato: Não queremos problemas no Atlântico Sul.

    Fato: A farra da gastança militar para garantir a segurança dos membros da OTAN, baseado na livre impressão do dólar, acabou e não é mais possível sustenta-lá sem prejuízo para Brasil, China e demais credores, além do fato, de ser extremamente perigoso manter um esquema deste no futuro. Sem falar que é desastroso para o povo destes países devedores.

    Será que este senhor GARANTE que isto não iria se voltar a soberania brasileira, entre outras coisas:

    “Desdobrar e sustentar capacidades expedicionárias para operações militares além da área abrangida pelo tratado quando requerido para impedir um ataque na área abrangida pelo Tratado ou para proteger os direitos e OUTROS interesses vitais dos membros da Aliança.”

    Fora as classificações em aberto em outros tópicos…

    Hipoteticamente, uma célula “Terrorista dos Passitas sem Carnaval”, mais conhecido como TPC ou o que a imaginação humana puder criar, poderia ser encaixado como espoleta para uma intervenção militar (até contra interesses chineses, indianos, russos, etc… já que aborda o mundo todo)…

    Tratar de crenças, isto é coisa de religião ou conto infantis e não cabe em discussão séria de geopolítica…

    Nós não acreditamos em bruxas, muito menos em papai noel, caso ainda acreditas no segundo, desculpe, não é nossa culpa… já que no primeiro parece que já superaram (não é mais possível desde a IIGM, um conflito sério).

    Abraços.

    Mas com todo o respeito possível a este senhor, e principalmente ao povo português, o que eles querem, fazer uma transição civilizacional tranquila ou caminhar para a desconfiança e posterior corrida armamentista, que neste século, fatalmente disparará a singulariedade tecnológica no meio de uma guerra (nem queira saber os horrores disto) ou de um conflito nuclear generalizado…

    PPS. O Atual Ministro da Defesa, além de não pertencer ao PT, é amigo pessoal do candidato adversário do próprio PT. O Ministério da Defesa é um orgão de ESTADO e não de GOVERNO. Cuidado ao misturar política e correntes ideológicas com assuntos de Defesa, incluso em seu próprio país…

  13. Com a descobreta do petroleo na plataforma maritima brasileira contendo bilhoes de barris, com a conhecida riqueza de nosso mar territorial, é bom começarmos a pensar em sua proteção. O texto nos mostra que interesses se voltam ao atlantico sul, e não são interesses de inocentes. A OTAN, desde a derrocada do império sovietico, tornou-se o braço armado da Europa, e será usada quando necessário. Lembremos da guerra das Malvinas e o apoio ao exercito britanico. Faz-se necessario a criação de uma força sul americana de defesa. Os americanos tentam criar bases na Colombia… Temos uma costa maritima imensa e desprotegida. Barbas de molho, como se dizia antigamente…

  14. Creio que o administrador do PLANO BRASIL deve posta esta notícia. Como gostei demais desta nota do Estadão, estou adiantando um pouquinho. É muito bom ver o Atlântico Sul se unindo.

    ===========================================================
    URUGUAI VETA O ABASTECIMENTO DE UMA FRAGATA INGLESA RUMO AS MALVINAS.

    A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, agradeceu a recente atitude de seu congênere uruguaio, José Mujica, que impediu a entrada de uma fragata da Marinha da Grã-Bretanha no porto de Montevidéu, onde o barco se reabasteceria antes de ir para as Ilhas Malvinas (Falkland).

    A fragata Hms Gloucester D-96 pediu às autoridades uruguaias permissão para atracar na capital uruguaia e se reabastecer de combustível e víveres, mas o governo negou o pedido. O caso ocorreu há mais de uma semana.

    “Em nome de todos os argentinos, quero agradecer o gesto imenso que você teve em impedir que um navio de guerra britânico pudesse se reabastecer nos portos uruguaios”, disse Cristina, em vídeo postado hoje no site da agência estatal de notícias Télam.

    O governo argentino havia solicitado aos países vizinhos que não dessem apoio a navios britânicos que navegam para as Ilhas Malvinas, epicentro da guerra de 1982 entre Argentina e Grã-Bretanha. Buenos Aires tenta recuperar o arquipélago no Atlântico Sul, em poder dos britânicos desde 1833.

  15. Portugal tem dado motivo para os brasileiros ficarem irritados, à mais o menos uns três anos atrás a polícia de Lisboa invadiu a embaixada brasileira sem respeitar as leis internacionais, que falam que uma embaixada é um território do país ali representado. Os cidadãos brasileiros são tratados como bandidos pela imigração portuguesa. Na parceria do KC-390 eles querem a construção da fuselagem e software em Portugal, como se esse jato fosse um requesito da
    “fap”, agora eu não vou comentar sobre a colonização portuguesa, que foi totalmente diferente da inglesa para os americanos. Portugal para o Brasil é mais problema do que solução, poderíamos ficar bem distante destes “mui amigos”. Esse tratado de Lisboa é mais um abacaxi colocado na nossas mãos por estes imbecis. Caro Carlos argus, os portugas não nos causam alegria não.

  16. Jakson Almeida :HAHAHAHAHAHAHA.Os portugueses estão se achando os senhores do mar, quanta pretensão só se esqueceram que o seu paizinho esta falido.

    Eles são outros que veem em nós soluções para seus infotunios devaneiando uma porção em nossas riquesas.Não se surpreenda se intregarem uma coalisão contra nós…Vão perder os tamancos e o rumo de retorno a santa casinha.Brasileiro fala portugues mas não dança o vira de sainha dando pulinho e virando pra ca virando pra la.Em toda nossa historia que não é milenar mas de meio seculo e pouco jamais conhecemos derrota.

  17. A realidade é que tudo agora é motivo para todo o mundo meter o bedelho no atlântico sul. Por que será?? Acho que todo mundo já sabe.

  18. Graças de podermos fazer negócios com vampiros na luz do dia, sem morar sobre o mesmo teto e ter que dormir a noite com os mesmos…

    Buuuuuuuuu…

  19. Alguma pergunta…

    Risos…

  20. Aahh é né? Agora que o Brasil está entre as 10 econômias e ganhando o que lhe é de direito (atlântico sul) eles querem crescer o olho?
    Senti uma certa despeita por parte deste português que produziu esse texto.
    Agora é a vez do Brasil. E a OTAN que vá para bem longe do nosso lar (mar).

  21. Guga :

    Jakson Almeida :HAHAHAHAHAHAHA.Os portugueses estão se achando os senhores do mar, quanta pretensão só se esqueceram que o seu paizinho esta falido.

    Jakson, pode me explicar o que quis dizer com Portugal se achando “senhores do mar”? Não percebi essa arrogância no texto. O autor fez um comentário a respeito da OTAN, organização a qual Portugal é um membro ativo. Penso que existe uma despropositada má vontade para com os portugueses da parte de alguns…

    A isso se soma: “E Portugal não é estranho ao Atlântico Sul, andamos por lá uns cinco séculos e nas costas brasileiras 322 anos – mais do que o Brasil tem de vida própria…”

    Sao muito arrogantes mesmo…

    Paiszinho falido de M…
    Capachos da OTAN

    BRASIL ACIMA DE TUDO ABAIXO DE NADA … PRIMEIRO BRASIL!!!!

    Saudacoes Patrioticas

  22. a Russia tem petroleo paks e ngm meche com ela ; )
    claro neh
    ela eh uma potencia nuclear.
    Brasil tem logo que se armar
    tem que agir mto mais do que estao agindo agora.

  23. CARLOS…Integração com fronteiras abertas essa o camelodromo e texteis de fundo de quintal de São Paulo soltarão foguetes

  24. Oh Joaquim ficaras sem tamancos e Maria vai dançar o vira em vez de fado com Severino rs rs rs rs

  25. A diplomacia deste governo PT tem deixado muito a desejar.

    Para mim, o perigo de o Brasil recusar quaisquer parcerias com outros países (e aproveito para dizer que compreendo a vossa atitude para com os EUA) é que quando o Brasil acordar para a necessidade de se impor no Atlântico Sul estará isolado.

    O Brasil não valoriza a CPLP nem a relação com Portugal. Receber o Presidente Iraniano já é importante …

    Se criticam o unilateralismo Americano não podem depois querer actuar sozinhos na vossa área de influência.

    E se têm assim tão pouco amor aos Americanos, deixarem Portugal e a CPLP de lado vai resultar em quê? Se não querem interferência Americana no Atlântico Sul vão constituir uma alternativa com quem?

    Sou sempre surpreendido com o nivel de Lusofobia que existe no Brasil mas mais ainda que ela exista em fóruns como este aonde se discute estratégia.
    Presumo que seja síndrome de ex-colónia mas gostava que não deixassem o preconceito ser obstáculo à estratégia.

    A oferta Portuguesa pode não ter sido muito consequente mas não foi feita com má fé. Tal como Portugal organiza as cimeiras UE-Brasil e UE-África e tal como foi Portugal a tomar a iniciativa de constituir a CPLP, o Brasil poderia também fazer um esforço e ser construtivo em vez de causar ainda mais celeuma ao nivel diplomatico.

    Quando é que Portugal e a CPLP podem esperar que o Brasil acorde para a vida?!
    Quando é que o Brasil vai deixar o preconceito terceiro-mundista para trás?

  26. Carlos, uma correção apenas, a invasão não foi na Embaixada e sim na casa do Brasil.
    Quanto aos nossos conterrâneos, já deixei minha impressão aqui no blog, há brasileiros e brasileiros e infelizmente uns pagam pelos outros.
    Acho que o proteste é direito de todos porém que seja feita com respeito.
    Sds
    E.M.Pinto

  27. M.N.Silva…Mas não te surpreendes com a segregação Portuguesa em relação a emigrantes e trabalhadores Brasileiros não é mesmo?Se fossemos iguais em Portugal não teria espaço para repatriados.Portugal não tava nem ai para Atlantico Sul e porque agora esse interesse heim?Ele chama-se pré-sal!Portugal não fica na Europa?E não faz parte da OTAN?Então geopoliticamente temos nada haver com Portugal em se tratando das nossas pretenções regionais…Brasileiros o mundo nos escolheu como a bola da vez.Famintos latinos e gananciosos Ocidentais querem se nutrirem de nós.Não precisamos de nada disso.Temos potencial para caminharmos por nossas proprias pernas e comercializarmos e tratarmos de tudo diretamente com todos,sem intermediarios,sem sanguesugas\ e lobos e sem arrastarmos a escoria em nossas costas.O Brasil é unicamente o povo Brasileiro.Abram as portas a todos e não nos restara nada…Brasil acima de tudo liberdade.

  28. ENTREGUISTAS E EXTRANGEIROS TENHAM A CERTESA QUE NOSSA SOCIEDADE E NOSSOS SOLDADOS JAMAIS PERMITIRÃO QUE NOS SUGUEM E ISSO INDEPENDE DE NOSSOS POLITICOS E NOSSO BRAVO SANGUE UNGIRA DE GLORIA NOSSA SAGRADA E AMADA TERRA.

  29. Maluquinho, o teu nick diz tudo e nem sei para que me dou ao trabalho de responder mas pronto:

    1 – Mas que raio têm problemas pontuais a ver com estratégia?

    2 – Segregação?! Qual segregação? Não é Portugal o país com a maior comunidade Brasileira da Europa?….

    2.2 – Também tenho queixas sobre o tratamento que os Portugueses sofrem no Brasil. E depois? Algum país é perfeito?

    3 – Portugal SEMPRE ESTEVE AÍ para o Atlântico Sul!
    Por isso é que a cooperação bilateral politica, economica, diplomatica começou conosco. Por isso a CPLP ter sido NOSSA iniciativa.

    Aonde estava o Brasil quando a Guiné-Bissau teve problemas? Aonde está o Brasil na ajuda a S. Tomé e Príncipe?

    4 – Podemos discutir se geopoliticamente Portugal não tem nada a ver com o Atlântico Sul mas por esse critério se o Brasil não faz nada no Atlântico e ainda anda com os projectos da América Sul, que tem o Brasil a ver com o Atlântico?…

    5 – famintos latinos … e os Brasileiros são quê?

    6 – Gananciosos? Não somos todos? Ou o Brasil quer se envolver por altruísmo?…

    7 – Maluquinho eu tenho respeito pelo Brasil mas se o Brasil não devolve esse respeito não será respeitado.

    A tua atitude é de um ultra-nacionalismo fascista e isolacionista extremo e só gostava de perceber porque é que os Brasileiros não são capazes de ver Portugal e a CPLP como uma oportunidade em vez de a ignorarem – ou no teu caso temerem.

    Sim porque Portugal e o seu imperialismo são uma ameaça tão grande para o Brasil…

  30. De onde vem esta agressividade para com Portugal e os Portugueses?

    Nem sequer houve guerra de descolonização… de onde vem todo este preconceito?!!!

    Eu em Portugal não vejo este ódio ou discriminação para com o Brasil…
    O Brasil é um dos destinos preferidos dos Portugueses, a cultura Brasileira é apreciada.

    Por favor digam-me como é que se justifica este ódio extremo para com os Portugueses?

  31. Um blog só tem qualidade quando as matérias expostas são discutidas com inteligência, diplomacia e conhecimento de causa. As opiniões de cada um são respeitadas desde que não ofendam as opiniões de outros. Se isso não acontece significa que não estamos aprendendo nada e que continuamos com a mesma lenga lenga dos mesmos….e do costume. Se a diplomacia brasileira fosse a mesma de alguns participantes deste blog, este grande país estaria arruinado. A título de esclarecimento…. os ingleses não são capachos dos estados unidos! Simplesmente respeitam-se por uma questão estratégica e economica. Digo-o por conhecimento de causa pois gasto muito tempo entre os dois países. Assim como passo algum tempo em Portugal por motivo de negócios… e não vejo semelhante falta de respeito para com os brasileiros como a que alguns aqui neste blog manifestam para com os portugueses. Fique bem claro…. sou BRASILEIRO… mas orgulho-me da minha veia lusitana….assim commo da minha secular veia paulista….

  32. Nem tanto ao céu, nem tanto à terra…

    Não vou entrar em detalhes, más concordo com algumas partes do texto texto do Sr. João Brandão Ferreira, discordo de outras e algumas não levo a sério.

    Más o texto é a opinião de um português, não de Portugal ou dos portugueses.. Assim como as opiniões dos bloguistas, que aqui se expressam livremente, são pessoais…

    E se os portugueses gostam de vir ao Brasil é porque entre outras coisas, mesmo com as críticas e anedotas que fazemos com eles(e que os portugueses também fazem com os brasileiros…) na prática, costumam ser bem recebidos pela maioria dos brasileiros.

    Inclusive, são muitos os portugueses que tem negócios altamente lucrativos no Brasil…

    E apesar do calor das discussões, dos xingamentos, empurrões e caneladas mútuas, não creio que haja ódio dos brasileiros pelos portugueses e vice-versa…Fora do mundo virtual, no mundo real, do dia a dia, não vejo isto.

  33. MCorreia,

    muito bem posto,concordo com seu comentário…

  34. Eu acho que a informação ainda está à prevalecer, do que os desvios de conduta. Sou naturalizado português e não me senti incomodado com os comentários. Só acho que não são produtivos estes comentários, pois fazendo-os desta forma o que teríamos de direito à criticar os sionistas, ou preconceitos pelo o mundo à-fora. O lance é absorver o que é de interessante nos comentários. Quantas vezes a mídia aberta também é preconceituosa e irônica? Eu quase não consigo mais ver TV.

  35. Permitam-me discordar mas raro é o debate sobre as relações Portugal Brasil em que não haja um Brasileiro preconceituoso a ofender Portugueses.

    Falo por experiência e basta ir ao Orkut e ver quantas comunidades de ódio a Portugal existem.

    Em Portugal há anedotas sobre Brasileiros?… Encontram muitas mais sobre Espanhóis ou Ingleses.

    Não, desculpem mas por experiência própria vos digo que os desaforos que o maluquinho aqui postou não são caso raro.
    HÁ preconceito xenófobo contra Portugal no Brasil. Não digo de todos ou da maioria dos Brasileiros, mas ele existe numa proporção demasiado grande.
    Penso até que a seguir aos EUA, Portugal é provavelmente o país mais odiado no Brasil, à frente mesmo da Argentina.
    Mas aqui já estou a especular, voçês saberão melhor do que eu.

  36. Aliás, se pararem para analisar. É a própria mídia que insita o preconceito para com os portugueses. Por que será? Já pararam para analisar que a polônia e portugal foram os unicos países a vetar a vacina h1n1? O avião com os poderosos da polônia explodiu, foi “acidente”, porque FALARAM EM PÚBLICO demais… E portugal vetou mas ficou quieta. Temos de ver a alienação inserida nestas “camisas de time”, tudo para fugir dos reais problemas da sociedade.

  37. “Falo por experiência e basta ir ao Orkut e ver quantas comunidades de ódio a Portugal existem.”

    Não me referi a internet, como destaquei:

    “…não observo este ódio NO MUNDO REAL (não o espaço virtual da web) , do dia a dia, não vejo isto.”

    Venha ao Brasil pessoalmente e poderá formar juízo por si mesmo…

  38. pessoal acho que mesmo que tenha ocorrido erros historicos pelos portugueses, devemos ter respeito entre nossos paises pois muitos aqui no brasil tem o sangue portugues correndo pelas veias, a questao em debate é sobre a OTAN, e nao pra ficar fazendo comentarios preconceituosos, sei que houveram erros no passado mas é melhor que mantemos o respeito entre nos.

  39. Existe preconceito com Portugal e com razão de ser. Portugal esta na Europa e até pouco tempo não estava nem aí para o Brasil, agora que o Brasil esta gigante vem tecer cordialidades, duvidosas, para com o Brasil. Quem manda em Portugal é a Inglaterra e a Espanha, mas o recado que eles passaram desta feita foi Ingles, querendo que nosso país venha a ser na OTAN o que Portugal é, ou seja, nada, um país que só obedece e fica na sua insignificância. Quem é Portugal?
    Sou descendente de Espanha, quem é Espanha?
    Estes países que colonizaram a América Latina não são nada na Europa, tiveram um crescimento sem significancia as custas do bloco, porque eram nada e a Europa teve que emprestar muito dinheiro para eles poderem respirar.
    Viajamos muito para a Espanha para visitar alguns parentes que temos lá, sabém o que nos falam? Que tanto Portugal como Espanha, vivem a sombra dos outros grandes, sozinhos não são nada, mas a arrogância por viverem na Europa não perdem nunca.
    O Brasil ta fazendo a coisa certa na diplomacia internacional e trata estes dois países como merecem. Tem paises mais importante para nós nos ocuparmos, quem é grande trata com os grandes e ve se sobra tempo pros pequenos.
    Grnade Jobin falou o que Poretugal merecia ouvir…insignificante.

  40. Cade o meu comentário com a piada.

  41. Foi excluída
    Sds
    E.M.pinto

  42. E.M.pinto:
    Então os portugueses falam o que querem do Brasil e nos não podemos falar o que queremos dos portugueses.

  43. Fernando Gonzales. Até o linguajar deles não permite usos de gírias estrangeiras.. Sou Brasileiro e tenho vergonha em dizer que o nosso país é um dos mais alienados do mundo. Vá comparar com os portugueses… Se vivessem à sombra da UE como dizes, não teriam uma cultura e governo tão blindados do Satanista Modus Operanti dos poderosos globais. E nenhum preconceito tem razão de ser, é ignorância, e na maior ignorância ainda é absorver isto como verdade maior. Pois os Poderosos dizem para nós: Tolos! Tolos! … Mas o assunto aqui está descaminhando.. mas pois bem, mesma coisa é a disputa eleitoral, para tudo fazem intrigas que não tem nada a ver, fugindo das realidades. Não estão a ver que mesmo que um dos lados esteja certo, não resolverá em nada na qualidade de vida do indivíduo? Eu considero uma palhaçada tudo isto.

  44. Caro Jakson, o Plano Brasil não é o programa do ratinho, aqui não teste de paternidade nem briga de ex mulher na picina de sabão.
    Não vejo no comentário dos participantes portugueses ofensas o Brasil ou aos brasileiros ao contrário vejo é uma injustificada birra de alguns brasileiros quanto a Portugal.
    Do que li até agora os participantes portugueses tem sim é reclamado do tratamento dado a eles pelos brasileiros, quanto a piada além de não caber no espaço (se quiser enviar para algum deles peça o email e faça-o pessoalmente) a piada é discriminatória e segundo as leis brasileiras permitem processos aos autores por n razões, concorde ou não.
    O foco do tema foi mais uma vez desvirtuado para picuinhas preconceituosas do tipo os Francese isso, os Russos aquilo, e isto decepciona, pois a questão não se restringe a apontar o dedo e acusar uma ao outro.
    Há inúmeros pontos discutíveis no artigo em nenhum o autor toca na questão da discriminação entre os dois povos, cita até o fato de fazer-mos piadas como justificativa a muitos erros decisórios dos seus lideres e não dos nossos, o que eu concordo também se estende aos nossos.
    Agora parece que alguns procuram cachorro pra chutar, parecem ter necessidade de achar alguém para justificar o fracasso pessoal, hora são os franceses por isso e aqui, hora os russos, agora os portugueses, amanhã? quem vai ser?
    Há pontos prós e contra como todas e quaisquer opiniões dado que o especialista e autor não é a única autoridade no assunto, e que ele mesmo deixa claro o que concorda e discorda.
    Se lerem o artigo atentamente verão a quem as críticas do autor se direcionam, mas ai é pedir demais, ler e entender né?
    sds
    E.M.Pinto

  45. Fernando Gonzales,

    Fala como se o Brasil tivesse andado desesperado à procura de cooperação com Portugal e não a tivesse obtido.

    O contrário já é verdade. Quem teve a iniciativa da CPLP? Quem a dinamiza actualmente? Quem foi primeiro investir no outro país?

    Se Portugal é insignificante e não quiserem cooperar muito bem, a prerrogativa é vossa, mas depois não se queixem que os Americanos interferem nos vossos assuntos.

    Se o seu pensamento estratégico é chamar Portugal e Espanha de atrasados, então imagine o que eu poderia dizer do Brasil e pense duas vezes antes de soltar o seu ódio irracional contra Portugueses.

  46. Não e a toa que na sigla PIG (porco em inglês)portugal vem a ser a primeira letra.Como o Fernando Gonzales disse acima Portugal não significa nada para as relaçoes comerciais do Brasil, se vamos Agir comercialmente de forma grande então tratemos com os países grandes que nos interessam mais.

  47. Aquilo de que eu já estou farto é de ver politicos e intelectuais Portugueses falar dos laços fraternais com o Brasil para serem recebidos com a atitude deste ministro Brasileiro.

    Há décadas que Portugal tem o discurso da Lusofonia e que este está ausente do Brasil. Há décadas que Portugal tenta trazer o Brasil para o Atlântico.

    Continuo a perguntar de onde vem o desprezo do Brasil pelo seu país irmão Portugal?
    De onde vem todo este ódio?

    Para mim o que aqui está em causa nem é sequer a proposta Portuguesa mas sim a atitude com que ela é recebida.
    É isso que me choca.
    Durante a minha infância sempre ouvi o discurso dos países irmãos e a realidade é que o Brasil não só não quer saber de Portugal como ainda o antagoniza.
    Eu só gostaria de saber porquê…

  48. Jakson,

    Se Portugal interessa tão pouco e é assim tão insignificante, porque todo este activismo em expressar este ódio e desprezo?…

  49. O Brasil devia e deixar a CPLP e esse acordo lingüístico.

    Caetano Veloso

    “Gosto de sentir a minha lígua roçar
    A língua de Luís de Camões
    Gosto de ser e de estar
    E quero me dedicar
    A criar confusões de prosódias
    E uma profusão de paródias
    Que encurtem dores
    E furtem cores como camaleões
    Gosto do Pessoa na pessoa
    Da rosa no Rosa
    E sei que a poesias está para a prosa
    Assim como o amor está para a amizade
    E quem há de negar que esta lhe é superior
    E deixa os portugais morrerem à míngua
    “Minha pátria é minha língua”
    Fala mangueira!
    Fala!
    Flor do Lácio Sambódromo
    Lusamérica latim em pó”

  50. Isso é BRASILIDADE.

  51. Anúncio de uma lanchonete brasileira.

    ” PROMOÇÂO
    HOT DOG
    X TUDO
    X BANCON
    X ERGUES
    X BURGUER
    HAMBURGUER
    CREME DE FRANGO
    CARNE – MIXTO”

    Eu acho que tem algo de errado nesta salada de fruta brasileira, tropical, natural.. astral, tudo de bom! maravilhosa.

    Deve ser meu rato que digitou errado.. ops! mouse!…

  52. M.N.Silva :Jakson,
    Se Portugal interessa tão pouco e é assim tão insignificante, porque todo este activismo em expressar este ódio e desprezo?…

    Sem querer entrar em controvérsia maior, talvez tenha a ver com o passado dos Portugueses em nossa amada terra. Historicamente falando, nós fomos dilapidados! Nosso ouro, nossa madeira, nossos diamantes, nossas riquezas! Dias atráz, um conterrâneo seu fez um comentário sobre um avião nosso do qual discordei. Isso quase virou um conflito internacional (piada claro)! Em suma minha resposta foi “Eu não respondo por meu governo, assim como você não responde pelo seu”!
    Ler aqui no blog palavras que atentam contra Portugal e os portugueses, não significa que o Brasil pensa dessa forma!
    Mas que existe um certo ressentimento no coração do brasileiro que conhece um minimo da história de como vocês colonizaram nosso pais, isso é fato.
    Quero deixar claro que não estou querendo fomentar mais ainda a fogueira que isto esta virando. Estou apenas colocando meu ponto de vista.

  53. Jonnas :
    Anúncio de uma lanchonete brasileira.
    ” PROMOÇÂO
    HOT DOG
    X TUDO
    X BANCON
    X ERGUES
    X BURGUER
    HAMBURGUER
    CREME DE FRANGO
    CARNE – MIXTO”
    Eu acho que tem algo de errado nesta salada de fruta brasileira, tropical, natural.. astral, tudo de bom! maravilhosa.
    Deve ser meu rato que digitou errado.. ops! mouse!…

    Eu volto a insistir piada de português não pode ,não e mesmo,mas de brasileiro pode.

  54. A sua moderação devia se aplicar a ambos.

  55. pessoal mais uma vez venho a dizer as besteiras ao qual vcs falam aqui neste debate, sera que vcs que tem o sangue portugues ai em suas veias nao conseguem parar para pensar que seus tataravos eram os portugueses que de acordo com o que vcs falam aqui, eram os que nos exploravam, nos roubavam, nos matavam e etc.

    po pessoal pensa so um pouquinho, o passado condena atodos.

    sds a todos.

  56. Jakson, não foi piada. Foi só para mostrar que a realidade é outra!. Que temos coisas mais importantes a serem debatidas, do que se um país e isto ou aquilo. É isto justamente que o poderosos querem. Nos dar cada vez mais alvos diferentes, quando na realidade só existe um! Oculto por milênios nas sociedades de todo o Mundo. Isto é totalmente irreal. O brasileiro possui veia indigena, holandesa, portuguesa.. é o povo mais miscigenado da terra, e já foi comprovado que esta mistura na genetica humana só tem a benefiar-nos biologicamente.

  57. E eu jamais faria piada com o meu país.

  58. Jakson fica já sabendo que toda a tentativa de envio de piadas do gênero serão excluídas a terceira tentativa será a última, respondida com bloqueio e impedimento de postagem no blog.
    Sds
    E.M.Pinto

  59. E.M.Pinto :
    Jakson fica já sabendo que toda a tentativa de envio de piadas do gênero serão excluídas a terceira tentativa será a última, respondida com bloqueio e impedimento de postagem no blog.
    Sds
    E.M.Pinto

    Censura

    A censura é tão antiga quanto a sociedade humana. Mas para algumas pessoas ela representa a violação do direito de livre expressão; para outras representa um instrumento necessário à defesa dos princípios morais.

    A censura existe, de alguma forma, em todas as comunidades humanas, presentes ou passadas e em qualquer parte do mundo.

    De forma política, moral ou religiosa, a censura baseia-se em certos princípios reunidos em uma ideologia pré definida que orienta sua atividade fiscalizadora e/ou repressora. No entanto, em alguns casos, ela tem servido para encobrir interesses particulares de pessoas ou de grupos.

    Exerce-se a censura por meio do exame e da classificação do que se considera imoral, crime, pecado, heresia, subversão ou qualquer outro ato suscetível de supressão e/ou punição exemplar.

    Do ponto de vista da forma pela qual é exercida, a censura pode ser preventiva, repressiva e indireta. Censura prévia ou preventiva é o direito que tem o governo de exercer vigilância sobre a publicação de livros ou periódicos, assim como da encenação de peças teatrais, fora da intervenção dos tribunais. Em muitos países, no entanto, a censura ao texto impresso é feita após a publicação, de acordo com o princípio segundo o qual o cidadão deve assumir a responsabilidade de seus atos. Nesses casos, a censura chama-se punitiva ou repressiva.

    Outros Assuntos
    Causas da Violência
    Amor ao próximo
    Preconceitos
    Aposentadoria justa
    Bem-sucedido
    Capitalismo ?
    Criacionismo ?
    Drogas, Causas
    Prevenção da Aids
    Desemprego
    Inflação/Economia
    Seguro-desemprego
    Justiça Social
    Liberdades na TV
    Democracia
    Eleições e Política
    Censura na TV
    Feminismo
    Paganismo
    Pai-Nosso
    Religião
    Protestantes
    Estudos sociológicos mostram que o maior rigor da censura, do ponto de vista da moral sexual, coincide com a ascensão política da classe média, possivelmente porque essa supremacia só se mantém pelo trabalho e dos hábitos morigerados, virtudes que seriam abaladas pelo maior relaxamento sexual. Já a aristocracia, quando está no poder, não dá a mesma importância a esse aspecto.

    A Grécia antiga foi a primeira sociedade a elaborar uma justificativa ética para a censura, com base no princípio de que o governo da pólis (cidade-estado) constituía a expressão dos desejos dos cidadãos, e que portanto podia reprimir todo aquele que tentasse contestá-lo. Mesmo na sociedade ateniense, mais liberal, alguns delitos de opinião podiam ser punidos com a morte, como prova a execução de Sócrates, obrigado a beber cicuta ao ser condenado por irreligiosidade e corrupção dos jovens. O respeito a alguns princípios de ordem parecia tão arraigado na sociedade de Atenas, que até mesmo Platão, discípulo de Sócrates, defendia a censura como um dos requisitos essenciais ao governo.

    Durante todo o período medieval as autoridades eclesiásticas impuseram uma rígida concepção do mundo, com base em princípios que se queriam eternos e imutáveis. Os tribunais do Santo Ofício exerciam uma censura de caráter moral, político e religioso, sendo os réus submetidos a torturas, a longos períodos de prisão ou à morte na fogueira.

    Depois da Reforma Cristã Protestante, o clima geral de intransigência religiosa, tanto nos países católicos quanto nos protestantes, deu ensejo ao recrudescimento das práticas repressoras. A Igreja Católica publicou, durante o Concílio de Trento, o Index librorum prohibitorum, relação de obras cuja leitura era terminantemente proibida aos fiéis. Nos países protestantes, as proibições não se limitavam aos livros católicos, mas também aos de outras igrejas reformadas. Na Grã-Bretanha, por exemplo, o anglicanismo oficial reprimiu severamente a defesa pública do puritanismo.

    No mundo moderno alguns fatores impuseram várias modificações no conceito de censura. Tal processo foi fruto de um longo trabalho de educação que permitiu um espírito crítico mais aguçado; a disseminação de obras, desde as artísticas às de informação, como as enciclopédias, diminuíram o grau de desinformação e minimizaram superstições e preconceitos.

    Mesmo assim, o século XX assistiu ao nascimento e derrota de regimes tragicamente autoritários, em que a censura teve uma atuação patológica pelo rigor com que foi exercida e pela virulência de seus princípios. Assim ocorreu na Europa, com o governo nazista na Alemanha, fascista na Itália, franquista na Espanha e salazarista em Portugal.

    Em nome do socialismo, a União Soviética e todos os países do bloco socialista, assim como Cuba, China e demais países socialistas da Ásia, adotaram uma censura tão rigorosa e obscurantista quanto a do fascismo e nazismo. O movimento da contracultura e pelos direitos civis, nascido nos Estados Unidos e disseminado em todo o mundo, trouxe uma mudança radical de padrões e valores, que muito contribuiu para o desprestígio da censura e o fortalecimento da democracia.

    No Brasil, a não ser por breves períodos, a censura acompanhou de perto nossa história desde o período colonial. A Igreja Católica chegou a instituir as visitações do Santo Ofício em Pernambuco e Bahia, com as famosas confissões obrigatórias, em que se valorizavam sobretudo os pecados de natureza sexual e religiosa.

    Na república, a repressão agravou-se no governo Vargas, em que a censura prévia determinava até mesmo o noticiário. Com a queda da ditadura e a derrota do nazifascismo, a censura retraiu-se, chegando ao mínimo no governo de Juscelino Kubitschek, fase mais liberal de toda a história brasileira até aquela data. Mas o governo militar instituído em 1964 trouxe de volta os exageros da censura, que chegou a proibir a exibição do balé Bolshoi e a venda das gravuras eróticas de Picasso. A constituição de 1988 aboliu totalmente a censura.

    Resumo Extraído de Enciclopédias
    Projeto Renasce Brasil

  60. Deixa eu corrigir a postagem anterior sobre censura.

    Censura

    A censura é tão antiga quanto a sociedade humana. Mas para algumas pessoas ela representa a violação do direito de livre expressão; para outras representa um instrumento necessário à defesa dos princípios morais.

    A censura existe, de alguma forma, em todas as comunidades humanas, presentes ou passadas e em qualquer parte do mundo.

    De forma política, moral ou religiosa, a censura baseia-se em certos princípios reunidos em uma ideologia pré definida que orienta sua atividade fiscalizadora e/ou repressora. No entanto, em alguns casos, ela tem servido para encobrir interesses particulares de pessoas ou de grupos.

    Exerce-se a censura por meio do exame e da classificação do que se considera imoral, crime, pecado, heresia, subversão ou qualquer outro ato suscetível de supressão e/ou punição exemplar.

    Do ponto de vista da forma pela qual é exercida, a censura pode ser preventiva, repressiva e indireta. Censura prévia ou preventiva é o direito que tem o governo de exercer vigilância sobre a publicação de livros ou periódicos, assim como da encenação de peças teatrais, fora da intervenção dos tribunais. Em muitos países, no entanto, a censura ao texto impresso é feita após a publicação, de acordo com o princípio segundo o qual o cidadão deve assumir a responsabilidade de seus atos. Nesses casos, a censura chama-se punitiva ou repressiva.

    Estudos sociológicos mostram que o maior rigor da censura, do ponto de vista da moral sexual, coincide com a ascensão política da classe média, possivelmente porque essa supremacia só se mantém pelo trabalho e dos hábitos morigerados, virtudes que seriam abaladas pelo maior relaxamento sexual. Já a aristocracia, quando está no poder, não dá a mesma importância a esse aspecto.

    A Grécia antiga foi a primeira sociedade a elaborar uma justificativa ética para a censura, com base no princípio de que o governo da pólis (cidade-estado) constituía a expressão dos desejos dos cidadãos, e que portanto podia reprimir todo aquele que tentasse contestá-lo. Mesmo na sociedade ateniense, mais liberal, alguns delitos de opinião podiam ser punidos com a morte, como prova a execução de Sócrates, obrigado a beber cicuta ao ser condenado por irreligiosidade e corrupção dos jovens. O respeito a alguns princípios de ordem parecia tão arraigado na sociedade de Atenas, que até mesmo Platão, discípulo de Sócrates, defendia a censura como um dos requisitos essenciais ao governo.

    Durante todo o período medieval as autoridades eclesiásticas impuseram uma rígida concepção do mundo, com base em princípios que se queriam eternos e imutáveis. Os tribunais do Santo Ofício exerciam uma censura de caráter moral, político e religioso, sendo os réus submetidos a torturas, a longos períodos de prisão ou à morte na fogueira.

    Depois da Reforma Cristã Protestante, o clima geral de intransigência religiosa, tanto nos países católicos quanto nos protestantes, deu ensejo ao recrudescimento das práticas repressoras. A Igreja Católica publicou, durante o Concílio de Trento, o Index librorum prohibitorum, relação de obras cuja leitura era terminantemente proibida aos fiéis. Nos países protestantes, as proibições não se limitavam aos livros católicos, mas também aos de outras igrejas reformadas. Na Grã-Bretanha, por exemplo, o anglicanismo oficial reprimiu severamente a defesa pública do puritanismo.

    No mundo moderno alguns fatores impuseram várias modificações no conceito de censura. Tal processo foi fruto de um longo trabalho de educação que permitiu um espírito crítico mais aguçado; a disseminação de obras, desde as artísticas às de informação, como as enciclopédias, diminuíram o grau de desinformação e minimizaram superstições e preconceitos.

    Mesmo assim, o século XX assistiu ao nascimento e derrota de regimes tragicamente autoritários, em que a censura teve uma atuação patológica pelo rigor com que foi exercida e pela virulência de seus princípios. Assim ocorreu na Europa, com o governo nazista na Alemanha, fascista na Itália, franquista na Espanha e salazarista em Portugal.

    Em nome do socialismo, a União Soviética e todos os países do bloco socialista, assim como Cuba, China e demais países socialistas da Ásia, adotaram uma censura tão rigorosa e obscurantista quanto a do fascismo e nazismo. O movimento da contracultura e pelos direitos civis, nascido nos Estados Unidos e disseminado em todo o mundo, trouxe uma mudança radical de padrões e valores, que muito contribuiu para o desprestígio da censura e o fortalecimento da democracia.

    No Brasil, a não ser por breves períodos, a censura acompanhou de perto nossa história desde o período colonial. A Igreja Católica chegou a instituir as visitações do Santo Ofício em Pernambuco e Bahia, com as famosas confissões obrigatórias, em que se valorizavam sobretudo os pecados de natureza sexual e religiosa.

    Na república, a repressão agravou-se no governo Vargas, em que a censura prévia determinava até mesmo o noticiário. Com a queda da ditadura e a derrota do nazifascismo, a censura retraiu-se, chegando ao mínimo no governo de Juscelino Kubitschek, fase mais liberal de toda a história brasileira até aquela data. Mas o governo militar instituído em 1964 trouxe de volta os exageros da censura, que chegou a proibir a exibição do balé Bolshoi e a venda das gravuras eróticas de Picasso. A constituição de 1988 aboliu totalmente a censura.

    Resumo Extraído de Enciclopédias
    Projeto Renasce Brasil

  61. Ao meu ver, em qualquer coisa que se faça, há regras a serem respeitadas ou não. Cada qual com sua consequência. Portanto, há a confusão, inclusive tambem incitada pela mídia! entre liberdade, e libertinagem. A liberdade atual é uma libertinagem muito mais controlada do que antes. Afim de destruir a célula da família na sociedade, e consequentemente tudo o que o indivíduo tiver para obter apoio e lutar contra o seus direitos, é também destruir referências, fazer o homem perde-se nele mesmo.

  62. Censura na internet
    Por:Fabiano Pereira
    Há algo estranho no ar. Ou fora dele. Diversas e bem-sucedidas ações de censura de conteúdos e sites na web nos fazem refletir sobre o papel da mesma e sobre a subversão do seu sentido original e primário: servir de veículo de manifestações livres e democráticas.

    Até que ponto é válido sucumbir a um governo, estado ou corporação em nome da “saúde dos negócios” ou defesa de interesses pagando um preço caríssimo, a longo prazo, que é permitir a influência do poderio financeiro das grandes corporações no “editorial” dos sites, à moda da mídia tradicional?
    Considerações gerais sobre liberdade e internet

    A internet, em sua ramificação mais conhecida, a web, sempre foi um símbolo, por assim dizer, da plena liberdade de expressão do indivíduo, palco das mais variadas manifestações artísticas, culturais, políticas; de todos os tipos.
    Uma web assim foi responsável por uma grande mudança (até mesmo uma revolução) na nossa maneira de agir e interagir com pessoas, culturas e diferentes visões de mundo. A mídia tradicional, também conhecida como o antigo “quarto poder”, caiu por terra e sucumbiu frente aos sites e blogs independentes, dinâmicos, opinativos, vibrantes, personalizados; indo além da mera reprodução dos fatos “manjados” e conhecidos, retratados com a frieza típica das antigas corporações da mídia. Talvez a maior revolução cultural que a humanidade assistiu (e participou ativamente) nos últimos tempos.

    A visão que pessoalmente tenho da web é a de um grande palanque público, multi-facetado, amplo, acessível. Um palco onde desfilam as mais diversas vertentes do pensamento humano, levando ao conhecimento de todos uma série de informações e dados abrangentes e plurais, por excelência. O conjunto das características essencialmente democráticas é a essência da internet e é, sem dúvidas, a grande mola propulsora de seu grande crescimento econômico, proporcionado essencialmente pelo conceito chamado de “web 2.0”, que “convidou” o usúario comum de sites a sair de sua posição passiva (“herança” da mídia tradicional) para participar, ativamente, como criador de conteúdo.

    A censura: cano entupido

    Toda a democracia e liberdade de expressão apresentada acima pouca importância teria para as grandes corporações privadas e estatais se ficasse restrita a um gueto de geeks (ou nerds, como queiram), de pouco representatividade “demográfica”, assim como os guetos anarquistas e socialistas no mundo unidimensional de hoje pouco ou nada incomodam os “neo-liberais” de plantão, que enxergam nesses “guetos” um curioso e inofensivo contraponto ao modo corrente de viver e pensar uma sociedade.
    Porém, quando há um crescimento absurdo de usuários acessando a internet e na medida em que este meio torna-se popular e acessível, há, conforme é possível enxergar nos casos recentes de censura, um “medo” generalizado, protagonizado pelo lado “mais forte” ou pelo poder estabelecido da história.

    Ora, não é difícil entender: imagine se a internet fosse inserida no Brasil em plena era de ditadura? Fatalmente, o meio seria censurado de todas as formas possíveis e imagináveis, já que seria muito mais poderoso, direto e contundente que belas canções com mensagens subliminares de bossa-nova e mpb.

    Blog Censurado em Cuba

    Em Cuba, recentemente, o blog de maior audiência naquele país, o ‘Generación Y’ foi censurado. Sua autora, Yoani Sánchez, declarou: “Os censores anônimos do nosso famélico ciberespaço tentaram me trancar em um quarto, apagar a luz e não deixar meus amigos entrarem”. Ao retratar, em seus artigos, o dia-a-dia e as dificuldades encontradas pelo povo cubano em sobreviver, em adquirir produtos de informática e “as vagas promessas” de mudança do novo presidente daquele país, Raúl Castro, irmão de Fidel Castro, acabou “incomodando” o poder estabelecido e foi bloqueado. Em princípio, a autora não poderia nem mesmo atualizar seu blog, mas acabou descobrindo uma outra forma de fazer as atualizações.
    Google: serviços censurados na China

    Recentemente, usando como justificativa política os protestos na capital do Tibete, Lhasa, contra a ocupação chinesa, o governo chinês decretou a censura do youtube e, por tabela, dentro da tortuosa lógica totalitarista, o google news. Apesar de que, recentemente, o bloqueio foi “afrouxado” (mais precisamente em 26/03/08) em grande parte devido aos protestos da imprensa mundial (até mesmo os jornalistas estão impedidos de trabalhar na região, tendo que se deslocarem para regiões vizinhas) e o acesso aos sites foi desbloqueado, é realmente preocupante o poder das censuras das nações totalitárias pelo mundo.
    Curiosamente, mesmo após ter acatado pedidos de censura chineses, o Google divulgou, recentemente, um pedido de punição econômica, por parte dos Estados Unidos, aos países que adotam censura na internet. Segundo Andrew McLaughlin, diretor do Google para políticas públicas e assuntos ligados ao governo, “É justo dizer que a censura é a principal barreira que enfrentamos para as negociações”.

    Panorama global da censura

    Esta questão é tão preocupante que já foram criados sites que tratam diretamente do assunto. No site OpenNet Initiative, há um mapa da censura mundial. Nele, é possível ver que o mapa da censura na internet abrange, especialmente, as regiões da Ásia e do Oriente Médio. Não por coincidência, os países com maior concentração de regimes totalitários do mundo.
    Recomendo uma pesquisa por este site, para que você possa tomar conhecimento de outros casos de censura ao redor do mundo.

    Conclusões Finais

    A questão é relevante, atual e preocupante. Percebe-se que muitos outros intereses, além da própria liberdade de expressão, estão inseridos neste complexo contexto de fatos e opiniões divergentes e poderosas.
    Temo que os exemplos citados, em que atitudes de censura foram bem sucedidas, possam servir de exemplo negativo para outras nações com tendências totalitárias. Por um momento, a tal “liberdade total de expressão” e a “impossibilidade e frear a informação livre na internet” está em xeque, questiona-se, portanto, até que ponto nossa liberdade está garantida, ou, mesmo, qual a provável influência negativa que possa decorrer da enorme popularização da web, que hoje atravessa todas as fronteiras.

    É necessário haver discernimento e bom senso por parte das grandes empresas que ditam as tendências da internet, no sentido de ter alguns conceitos primordiais claros e bem definidos. É intolerável qualquer tipo de censura, trata-se de um verdadeiro crime de “lesa-majestade” intelectual, social e democrático a censura de qualquer informação na internet, ou em qualquer outro meio e mídia.

    A luta pela liberdade (e pelo direito a ela) é diária, constante. Nunca está ganha, nunca é confortável. Sempre haverá ditadores, sejam socialistas ou capitalistas, querendo manipular a mente do povo, esconder a verdade.

    Que a luta pela verdade e pela liberdade de propagá-la seja uma constante na vida de todas as pessoas e empresas de alguma forma envolvidas com internet.
    http://imasters.uol.com.br/artigo/8409/tendencias/censura_na_internet/

  63. Presidência da República
    Subchefia para Assuntos Jurídicos

    LEI Nº 7.716, DE 5 DE JANEIRO DE 1989.
    Mensagem de veto Define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor.

    O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

    Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)

    Art. 2º (Vetado).

    Art. 3º Impedir ou obstar o acesso de alguém, devidamente habilitado, a qualquer cargo da Administração Direta ou Indireta, bem como das concessionárias de serviços públicos. (Vide Lei nº 12.288, de 2010) (Vigência)

    Pena: reclusão de dois a cinco anos.

    Art. 4º Negar ou obstar emprego em empresa privada. (Vide Lei nº 12.288, de 2010) (Vigência)

    Pena: reclusão de dois a cinco anos.

    Art. 5º Recusar ou impedir acesso a estabelecimento comercial, negando-se a servir, atender ou receber cliente ou comprador.

    Pena: reclusão de um a três anos.

    Art. 6º Recusar, negar ou impedir a inscrição ou ingresso de aluno em estabelecimento de ensino público ou privado de qualquer grau.

    Pena: reclusão de três a cinco anos.

    Parágrafo único. Se o crime for praticado contra menor de dezoito anos a pena é agravada de 1/3 (um terço).

    Art. 7º Impedir o acesso ou recusar hospedagem em hotel, pensão, estalagem, ou qualquer estabelecimento similar.

    Pena: reclusão de três a cinco anos.

    Art. 8º Impedir o acesso ou recusar atendimento em restaurantes, bares, confeitarias, ou locais semelhantes abertos ao público.

    Pena: reclusão de um a três anos.

    Art. 9º Impedir o acesso ou recusar atendimento em estabelecimentos esportivos, casas de diversões, ou clubes sociais abertos ao público.

    Pena: reclusão de um a três anos.

    Art. 10. Impedir o acesso ou recusar atendimento em salões de cabelereiros, barbearias, termas ou casas de massagem ou estabelecimento com as mesmas finalidades.

    Pena: reclusão de um a três anos.

    Art. 11. Impedir o acesso às entradas sociais em edifícios públicos ou residenciais e elevadores ou escada de acesso aos mesmos:

    Pena: reclusão de um a três anos.

    Art. 12. Impedir o acesso ou uso de transportes públicos, como aviões, navios barcas, barcos, ônibus, trens, metrô ou qualquer outro meio de transporte concedido.

    Pena: reclusão de um a três anos.

    Art. 13. Impedir ou obstar o acesso de alguém ao serviço em qualquer ramo das Forças Armadas.

    Pena: reclusão de dois a quatro anos.

    Art. 14. Impedir ou obstar, por qualquer meio ou forma, o casamento ou convivência familiar e social.

    Pena: reclusão de dois a quatro anos.

    Art. 15. (Vetado).

    Art. 16. Constitui efeito da condenação a perda do cargo ou função pública, para o servidor público, e a suspensão do funcionamento do estabelecimento particular por prazo não superior a três meses.

    Art. 17. (Vetado).

    Art. 18. Os efeitos de que tratam os arts. 16 e 17 desta Lei não são automáticos, devendo ser motivadamente declarados na sentença.

    Art. 19. (Vetado).

    Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)

    Pena: reclusão de um a três anos e multa.

    § 1º Fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo. (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)

    Pena: reclusão de dois a cinco anos e multa.

    § 2º Se qualquer dos crimes previstos no caput é cometido por intermédio dos meios de comunicação social ou publicação de qualquer natureza: (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)

    Pena: reclusão de dois a cinco anos e multa.

    § 3º No caso do parágrafo anterior, o juiz poderá determinar, ouvido o Ministério Público ou a pedido deste, ainda antes do inquérito policial, sob pena de desobediência: (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97) (Vide Lei nº 12.288, de 2010) (Vigência)

    I – o recolhimento imediato ou a busca e apreensão dos exemplares do material respectivo;

    II – a cessação das respectivas transmissões radiofônicas ou televisivas.

    § 4º Na hipótese do § 2º, constitui efeito da condenação, após o trânsito em julgado da decisão, a destruição do material apreendido. (Parágrafo incluído pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)

    Art. 21. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. (Renumerado pela Lei nº 8.081, de 21.9.1990)

    Art. 22. Revogam-se as disposições em contrário. (Renumerado pela Lei nº 8.081, de 21.9.1990)

    Brasília, 5 de janeiro de 1989; 168º da Independência e 101º da República.
    JOSÉ SARNEY
    Paulo Brossard

  64. Regras são uma coisa ruim? será que a sequência 01000100101 se fosse liberal, anárquica, eu estaria agora digitando via web? Querem nos fazer crer! Que o homem pode tudo, se assim desejar. Como se fosse um Deus. Mas não é. A liberdade que pretendem implantar é a liberdade do: se eu quiser eu faço! ( quando na realidade, este EU FAÇO, os limites disto JÁ ESTÃO CONTROLADOS), ou seja, vale mais liberdade com regras, ou libertinagem controlada? O que vai contra toda o pensamento humano que nos faz mais inteligentes que os demais animais.

  65. M.N.Silva não tenho nada contra portugues e nehum outro povo mas me importo contudo que é de interesse unica e exclusivamente de meu pais….Que soldados Portugueses fiquem em Portugal pois se vierem ao Brasil ja lhes expulsamos uma vez e agora lhes exterminaremos….O mundo todo agora ficou bonzinho com o Brasil.Todos querem agora se fazerem influentes no sul do atlantico,estejam a vontade e restritos as aguas internacionais.Desde quando se anunciou o pré-sal recebemos uma enxorrada de dolares que foi preciso nosso governo intervir para frea-la.Querem comprar,querem vender tambem queremos mas não se iludam pois mesmo que consigam iludir nossa politica externa com artimanhas jamais nosso povo e nossos soldados permitirão que se beneficiem.O Brasil é dos Brasileiros e ponto final.

  66. Salve Jackson,

    Como diz Jack, vamos por partes.

    1ºEste texto mostra claramente uma mudança de visão em relação ao Brasil, eles passaram a nos ver como “crescidos”, cansamos de ser tratados como crianças e agora mostramos nosso real interesse, o Atlântico Sul nos pertente.

    2º Condordo plenamente com o editor E.M.Pinto, o texto não é um piada, e assim sendo, não existe espaço para este tipo de comentário, que realmente deve ser excluído, e se hover reincidência deve banir o autor de tais comentários, e isto inclui você.

    3º A sensura existe sim, mas não aqui, todos temos o direito de comentar sobre o que quizermos, mas isto tem que obedecer algumas regras, regras são feitas para fazer que comentaristas não ofendam uns aos outros e principalmente para banir aqueles comentários que tem como objetivo denigrir a imagem deste, ou daquele povo, religião, cor, etc.

    4º Tenho a absoluta certeza que os editores e a equipe do site sabe exatamente o que significa a palavra CENSURA, não necessita fazer um comentário monstruoso explicando sobre tal, se você fosse tão contra a sensura assim, por que não foi contribuir com seu imenso conhecimento sobre o tema com jornal Estadão que esta sob sensura a aproximadamente 419 dias por motivos obscuros, aqui acho que não é o melhor lugar para demonstrar seus conhecimentos de copia-cola.

    5º Ninguém lhe convidou para participar do Plano Brasil, se não estiver contente com o conteúdo e/ou comentário dos outros leitores, fique a vontade para deixar o espaço para aqueles que realmente se interessam pelo tema, tenho absoluta certeza que muitos agradecerão sua saída, que em muitas vezes não colabora com a discussão e na grande maioria só tumultua com opiniões próprias como se fossem a maior das verdades, atitude esta bastante compatível com outro site especializado em assuntos de defesa, que não vou citar o nome, mas que muitos já tem conhecimento de qual é.

    6º Como leitor assíduo deste site posso dizer que é um dos poucos espaços que trata de assuntos políticos, estratégicos e defesa que não toma partido em suas matérias, princípio este, que os difere da grande maioria que é comprada por lobbyes estrageiros, interesses estrangeiros alienados ao real interesse da nação brasileira, mas que por alguns trocados faz o mais patriótico brasileiro se vender.

    Grande Abraço, Lanterna Verde.

  67. Declaração de Princípios sobre a Liberdade de Expressão

    PREÂMBULO

    REAFIRMANDO a necessidade de assegurar no hemisfério o respeito e a plena vigência das liberdades individuais e os direitos fundamentais dos seres humanos por meio de um estado de direito;

    CONSCIENTES de que a consolidação e o desenvolvimento da democracia dependem da existência de liberdade de expressão;

    PERSUADIDOS de que o direito à liberdade de expressão é essencial para o desenvolvimento do conhecimento e do entendimento entre os povos, que conduzirão a uma verdadeira compreensão e cooperação entre as nações do hemisfério;

    CONVENCIDOS de que, quando se impede o livre debate de idéias e opiniões, se limita a liberdade de expressão e o efetivo desenvolvimento do processo democrático;

    CONVENCIDOS de que, garantindo o direito ao acesso a informações em poder do Estado, se consegue uma maior transparência nos atos do governo, assegurando-se as instituições democráticas;

    RECORDANDO que a liberdade de expressão é um direito fundamental reconhecido na Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem e na Convenção Americana sobre Direitos Humanos, na Declaração Universal de Direitos Humanos, na Resolução 59(I) da Assembléia Geral das Nações Unidas, na Resolução 104 adotada pela Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), no Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, e em outros instrumentos internacionais e constituições nacionais;

    RECONHECENDO que os princípios do Artigo 13 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos representam o marco legal a que se encontram sujeitos os Estados Membros da Organização dos Estados Americanos;

    REAFIRMANDO o Artigo 13 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, que estabelece que o direito à liberdade de expressão compreende a liberdade de buscar, receber e difundir informações e idéias sem consideração de fronteiras e por qualquer meio de transmissão;

    CONSIDERANDO a importância da liberdade de expressão para o desenvolvimento e a proteção dos direitos humanos, o papel fundamental que lhe atribui a Comissão Interamericana de Direitos Humanos e o pleno apoio com que contou a criação da Relatoria para a Liberdade de Expressão, como instrumento fundamental para a proteção deste direito no hemisfério, na Cúpula das Américas realizada em Santiago do Chile;

    RECONHECENDO que a liberdade de imprensa é essencial para a realização do pleno e efetivo exercício da liberdade de expressão e instrumento indispensável para o funcionamento da democracia representativa, mediante a qual os cidadãos exercem seu direito a receber, divulgar e buscar informação;

    REAFIRMANDO que os princípios da Declaração de Chapultepec constituem um documento básico que contempla as garantias e a defesa da liberdade de expressão, a liberdade e a independência da imprensa e o direito à informação;

    CONSIDERANDO que a liberdade de expressão não é uma concessão dos Estados, mas um direito fundamental;

    RECONHECENDO a necessidade de proteger efetivamente a liberdade de expressão nas Américas, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, em respaldo à Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão, adota a seguinte Declaração de Princípios:

    PRINCÍPIOS

    1. A liberdade de expressão, em todas as suas formas e manifestações, é um direito fundamental e inalienável, inerente a todas as pessoas. É, além disso, é um requisito indispensável para a própria existência das sociedades democráticas.

    2. Toda pessoa tem o direito a buscar, receber e divulgar livremente informações e opiniões em conformidade com o que estipula o artigo 13 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos. Todas as pessoas devem ter igualdade de oportunidades para receber, buscar e divulgar informação por qualquer meio de comunicação sem discriminação, por nenhum motivo, inclusive os de raça, cor, religião, sexo, idioma, opiniões políticas ou de qualquer outra natureza, origem nacional ou social, posição econômica, nascimento ou qualquer outra condição social.

    3. Toda pessoa tem o direito a ter acesso às informações sobre si mesma ou seus bens de forma expedita e não onerosa, contidas em bancos de dados, registros públicos ou privados e, caso seja necessário, atualizá-las, retificá-las e/ou emendá-las.

    4. O acesso à informação em poder do Estado é um direito fundamental dos indivíduos. Os Estados estão obrigados a garantir o exercício deste direito. Este princípio só admite limitações excepcionais, que devem ser estabelecidas com antecedência pela lei, como em casos em que exista um perigo real e iminente que ameace a segurança nacional em sociedades democráticas.

    5. A censura prévia, interferência ou pressão direta ou indireta sobre qualquer expressão, opinião ou informação divulgada por qualquer meio de comunicação oral, escrito, artístico, visual ou eletrônico deve ser proibida por lei. As restrições na circulação livre de idéias e opiniões, bem como a imposição arbitrária de informações e a criação de obstáculos ao livre fluxo informativo, violam o direito à liberdade de expressão.

    6. Toda pessoa tem o direito a comunicar suas opiniões por qualquer meio e forma. A afiliação obrigatória a órgãos de qualquer natureza ou a exigência de títulos para o exercício da atividade jornalística constituem uma restrição ilegítima à liberdade de expressão. A atividade jornalística deve reger-se por condutas éticas, que em nenhum caso podem ser impostas pelos Estados.

    7. Condicionamentos prévios, como veracidade, oportunidade ou imparcialidade, por parte dos Estados são incompatíveis com o direito à liberdade de expressão reconhecido nos instrumentos internacionais.

    8. Todo comunicador social tem direito a não revelar suas fontes de informação, anotações e arquivos pessoais e profissionais.

    9. O assassinato, o seqüestro, a intimidação e a ameaça a comunicadores sociais, bem como a destruição material dos meios de comunicação, violam os direitos fundamentais das pessoas e restringem severamente a liberdade de expressão. É dever dos Estados prevenir e investigar esses fatos, punir seus autores e assegurar às vítimas uma reparação adequada.

    10. As leis de privacidade não devem inibir nem restringir a pesquisa e divulgação de informações de interesse público. A proteção à reputação deve estar garantida por meio de apenas punições civis nos casos em que a pessoa ofendida seja um funcionário público ou pessoa pública ou particular que tenha se envolvido voluntariamente em assuntos de interesse público. Nesses casos, deve provar-se que o comunicador, na divulgação das notícias, teve a intenção de infligir dano ou o pleno conhecimento de que estava divulgando notícias falsas, ou se conduziu com manifesta negligência na busca de sua verdade ou falsidade.

    11. Os funcionários públicos estão sujeitos a um fiscalização mais rigorosa por parte da sociedade. As leis que penalizam a expressão ofensiva dirigida a funcionários públicos, geralmente conhecidas como “leis de desacato”, atentam contra a liberdade de expressão e o direito à informação.

    12. Os monopólios ou oligopólios na propriedade e no controle dos meios de comunicação devem estar sujeitos a leis antimonopólio, pois conspiram contra a democracia ao restringir a pluralidade e a diversidade que asseguram o pleno exercício do direito à informação dos cidadãos. Em nenhum caso essas leis devem ser exclusivas para os meios de comunicação. As concessões de rádio e televisão devem obedecer a critérios democráticos que garantam a igualdade de oportunidades para todos os indivíduos em seu acesso.

    13. A utilização do poder do Estado e dos recursos da fazenda pública, a isenção de direitos aduaneiros, a entrega arbitrária e discriminatória de contas de publicidade oficial e créditos oficiais, a concessão de estações de rádio e televisão, entre outras coisas, com o objetivo de pressionar e punir ou premiar e privilegiar os comunicadores sociais e os meios de comunicação em função de suas linhas informativas atentam contra a liberdade de expressão e devem ser expressamente proibidos pela lei. Os meios de comunicação social têm o direito de realizar seu trabalho de forma independente. Pressões diretas ou indiretas que têm como finalidade silenciar o trabalho informativo dos comunicadores sociais são incompatíveis com a liberdade de expressão.

  68. Caro lanterna defender minhas idéias e opiniões próprias e um direito fundamental que eu tenho,se elas “tumultuam” a concepção de alguem é porque elas tem objetividade.Quanto ao estadão eu ja assinei um abaixo assinado e recomendo a todos.

  69. Não tive tempo de ler tudo… infelizmente, mas verei mais tarde…

    Expressar contrariedade é uma coisa, expressar asco e chegar ao ponto do preconceito e ódio é outra…

    Liberdade de expressão, meu caro Jakson, se encerra onde começa a liberdade de outrém, aliás… Todo direito e liberdade de um se encerra onde começa a do outro e acho que isso naturalmente é tratado como “respeito” ou uma forma dele.

    Agora…

    Sobre sair da CPLP então nossa língua fazemos o que? Transformar em Brasileiro (que em prática já o é) ou propõe que passemos a falar inglês, sueco , russo?

    As regras do blog estão publicadas e você ainda pisou na bola, mesmo sendo avisado cara?
    Preconceito é crime meu caro…
    Além de crime é atraso e consciência…

    censura ao preconceito, eu apoio!

  70. Caro Daniel Rosa,

    Esse resentimento não faz sentido porque as pessoas que ‘delapidaram’ o Brasil são as mesmas que o colonizaram e que fizeram a sua independência.
    Mas mesmo que não fossem, por acaso não houve delapidação depois da independência, e escravatura, etc?

    Lamento mas essa queixa não faz qualquer sentido.

  71. Maluquinho,

    E quem aqui sugeriu que Portugal ia invadir o Brasil?!!!…

    Francamente, é que leio cada coisa…

  72. Jackson,

    Concordo plenamente com você meu amigo, tu tens pleno direito de defender suas idéias e opiniões, porém isto não pode atingir outras pessoas, mediante sua raça, nacionalidade, religião, etc.

    Concordo também que peguei pesado, mais reveja que o editor não teve a intenção de lhe censurar, ele apenas não liberou um comentário que infringe as regras de postagens do site, abaixo segue o link com as regras de postagem:

    https://pbrasil.wordpress.com/?s=Regras+de+postagem

    Grande Abraço, Lanterna Verde.

  73. acredito que tudo tem limites, a pergunta é aonde nosso caro amigo jackson almeida quer chegar? vc quer defender o seu pais, pois bem ja o fez (por mais que vc tenha exagerado e muito).

    jackson todos nos aqui somos patriotas, se nao focemos nao estariamos acessando este site, mais para que nossa conversa seja saudavel é bom sabermos escrever(tratar) o assunto em questao corretamente e nao exageradamente.

    defender o seu pais é perfeito, mas nao esqueça que o pais onde os brasileiros de hj defendem, ja foi de portugal e em tal epoca nos defendiamos portugal, é importante que fique claro que nossos antepaçados(familiares) tem total (igual) parcela de cupa no que aconteceu neste pais.

  74. M.N.Silva :
    Caro Daniel Rosa,
    Esse resentimento não faz sentido porque as pessoas que ‘delapidaram’ o Brasil são as mesmas que o colonizaram e que fizeram a sua independência.
    Mas mesmo que não fossem, por acaso não houve delapidação depois da independência, e escravatura, etc?
    Lamento mas essa queixa não faz qualquer sentido.

    Apenas uma correção sobre a independência brasileira… Foi a Inglaterra que pagou para Portugal, pois lhe interessava o desenvolvimento de novos mercados (idem abolição da escravatura), para que o mesmo reconhece-se a independência do Brasil…

    Abs.

    PS. Pode-se pensar de maneira oposta no caso em tela: EUA e UE, permitiriam que Sul Americanos se comprometem-sem na patrulha do Atlântico Norte (óbvio após completado o equilíbrio entre armamentos)… O pessoal do pentâgono, nem permitiria ouvir tal oferta…

    A questão é esta: A enorme dependência da UE dos interesses dos EUA e muitas vezes, em detrimento dos próprios interesses europeus… Primeiro procura-se ter mais equilíbrio na própria OTAN (indispensável) e depois se pensa em segurança conjunta.

    Sem relações horizontais entre os próprios membros da OTAN ou o mais próximo disto, não há confiança de outros blocos para um relacionamento mais próximo. Uma lástima, mas não depende apenas de nós brasileiros…

    Resumindo, depende muito mais de ações concretas de mútua confiança dos EUA do que a opinião de Brasil, Portugal, et de varginha, etc…

    Brasileiros não desconfiam de europeus e muito menos de nossos irmãos portugueses, o problema é a ficha corrida do tio do norte e sua insistência de colocar seus interesses acima de outros membros da OTAN.

  75. É otimo uma parceria entre Portugal e Brasil assim no futuro nós seremos a america e eles a Inglaterra.

    E PRA QUEM NAO LEMBRA O HOMEM QUE DECLAROU INDEPENDECIA DO BRASIL ERA PORTUGUES!!!!

  76. M.N.Silva :Caro Daniel Rosa,
    Esse resentimento não faz sentido porque as pessoas que ‘delapidaram’ o Brasil são as mesmas que o colonizaram e que fizeram a sua independência.Mas mesmo que não fossem, por acaso não houve delapidação depois da independência, e escravatura, etc?
    Lamento mas essa queixa não faz qualquer sentido.

    Caro M.N., não se trata de queixa, e sim constatação. Como disse, não é minha intenção tumultar mais ainda do que esta. Historicamente, fatos são fatos, e não há como voltar. Quem somos nós brasilieiros? Os brasileiros ligítimos estão relagados a tribos, se é que eles ainda existem em seu estado mais puro, intocados pela modernidade! O povo que habita este pais nada mais é do que uma miriade de raças…
    A Independência deste pais, em seus méritos, não caberia neste blog, até pq existe uma enorme diferença entre a história escrita e passada de geração a geração, da história verdadeira. Este ressentimento esta enraizado, e é algo que não se muda com facilidade. O que você lê acima, são externamentos de idéias de pessoas que acreditam e defendem o que dizem. Isso não significa que o Brasil irá declarar guerra a Portugal por fatos acontecidos a séculos atráz. Como eu disse, não respondemos por nosso Governo, mas nosso Governo, que por nós foi escolhido, também não segue o que queremos. Talvez eles demonstrem mais sanidade do que parte das pessoas que tão somente expressão suas idéias aqui, mas que nem por isso saem as ruas atropelando portugueses. Quantidades de piadas nada significam. Temos por aqui ultimamente mais piadas sobre argentinos do que portugueses, mas vivemos e paz com nossos vizinhos! Não é a expressão de algumas pessoas que criará um clima beligerante entre duas nações, separadas por um imenso oceano, mas que compactuam em seu DNA a mesma origem.
    Se eu fosse um cara com um pouco menos de visão, diria que a dilapidação ocorrida depois da independência e escravatura só ocorreu pq os “brasileiros” de então eram mais portugueses do que efetivamente “brasileiros” como o somos hoje. Mas, como citei, na verdade ocupamos o território que recebeu o nome de Brasil. Nascidos aqui que somos, como brasileiros fomos registrados. Mas brasileiros de origem, verdadeira e cientificamente falando, restam muito poucos… se é que ainda existem.
    Um abraço.

  77. pessoal não devemos ter tanta desconfiança assim de portugal nem do que disse a pessoa que escreveu este texto portugal cada dia que passa tem percebido que para continuar como estado nacional, soberano tem que se aliar ao brasil e a cplp pois se continuar assim em muito pouco tempo a união europeia com captial em bruxelas vai ser um unico pais e paises pequenos como portugal e outros estados da eurpoa vão desaparecer no meu modo de ver portugal deveria abandonar toda e qualquer, ligação com a UE/OTAN e se ligar cada dia mais na cplp, pois quando a união europeia for apenas um pais realmente só vai sobreiver a cultura francesa/alemão/reino unido o resto vai virar estatisticas, sejam bem vidos ao novo mundo portugueses, o seu futuro como nação ta ligado cada dia mais ao crescimento do brasil como global player de peso e influencia,como tambem ao fortalecimento da cplp como bloco comercial/linguistico/militar

    pelo menos é assim que penso

  78. Vou começar o meu comentário por dizer que não me revejo de todo no artigo, e é pena que artigos destes “gastem papel”. Basta referir que para o senhor ou a besta que o assina, o 25 de Abril, que trouxe a Democracia a Portugal foi feito por “adiantados mentais”. noutro caso esquece que a luta anti-comunista serviria para combater os movimentos independentistas, o que obviamente seria contra os ventos da História. Quanto ao resto, a ignorância de certos comentadores é tão atroz que até dá pena.

  79. Wi Mcorreia,
    Bato palmas aos seus comentários camaradas!

    Existem pontos positivos e negativos no texto, que está muito bem escrito e não vejo motivo para esta “Lusofobia”.

    M.N.Silva,
    De fato os erros ingratos que Portugal cometeu com o Brasil foram muitos, se não fundamentam um certo sentimento de estranhamento, ao menos explica em parte e não obstante muitos portugueses podem ter pensamento de reduzir o Brasil ao máximo possível, isso faz parte da vivência de ambas as populações.

    A expectativa é de que nossos povos possam conviver como irmãos que somos e até mesmo o fato de olharmos hoje para os mares como não antes viamos pode em sentido filosófico vir de nossa veia Lusitana que se lançou aos mares bem antes de nós com tantos exemplos como o próprio texto cita.

    Confesso que tenho minhas resistências a aproximação pelos fins aos quais os governantes portugueses queiram levar a aproximação, mas não quanto ao povo que vive as margens do Tejo.

    ========================================================================

    Sobre a censura que longamente foi descorrida por aqui, tenho de tocar no comentário do Luiz9medeiros e do Lanterna Verde, as regras existem.

    Aliás, tocando em questão de regras, é válido lembrar que onde existem regras determinadas ações podem e devem ser censuradas, tal qual é no convívio em sociedade.
    Um cidadão que agrida ao outro ou viole alguma lei é colocado à parte da sociedade, o que se trata de uma forma de censura, restrição de suas liberdades.

    O diálogo sobre censura e muito amplo e infelizmente o termo é frequentemente mal utilizado, assim como a questão da liberdade de expressão. Frequentemente nos batemos em abusos na utilização do sentido dessa palavra e do termo.

    A piada Jakson era de cunho preconceituoso, ou assim poderia ser interpretada, e eu já tive o desprazer de acompanhar um amigo a uma delegacia para que este amigo prestasse esclarecimentos sobre uma “mera piada inocente”.
    Por sorte, a aplicação dessa lei por parte dos agentes da lei naquele dia foi branda e o próprio ofendido (que era estrangeiro) preferiu ser superior a situação.
    (pode parecer o velho caso de dizer que foi um amigo para não dizer que fui eu, mas não se trata disso, realmente foi um amigo)

    Manter comentários descontraídos e que tenham bom humor são de praxe do blog, perfeitamente aprovados, estimulados e defendidos, porém palavras ferinas travestidas em forma de anedota… Não… Isso é além da conta.
    Prova maior que seu grito por censura é pouco justificado é o fato de que até o comentário que não saiu “100% correto” saiu e a sua correção depois também.

    Vejo que sofres de uma mania de perseguição frequente, mas com pouca ou nenhuma justificativa (e uso o pouca única e exclusivamente em razão da exclusão da piada).
    Porém reforço que não houve censura aos teus pensamentos, princípios ou vontades dentro deste fórum de discussão e a prova mor são todos os seus demais comentários publicados sem nenhuma moderação.

    Espero profundamente que este incidente possa ser superado e que você possa entender ou compreender a posição dos editores do blog, aliás isso nada tem relação como mudares de opnião ou não expressar suas idéias, ao contrário faz parte de um nobre processo de engrandecimento e entendimento conseguir entender compreender e por vezes ser solidário a opniões contrárias as suas.

    Saudações do Carcará,
    Ps..:: Foi muito interessante ver a legislação do preconceito aqui publicada E.M. em especial a menção ao nome do saudoso ministro Paulo Brossard da Suprema Corte.

  80. Nunca vi um post chegar a mais de 80 comentários! E se houve uma prova de não-censura, foi hoje! Fiquei imprecionado com a lisura dos editor.

  81. Afonso de Portugal,

    Infelizmente nem sempre o que ouvimos é bom…
    Mas de fato que a presença de pessoas como você e outros portugueses que frequentam o blog já enobrecem as discussões como demonstram o contato que o Brasil possuí com Portugal…

    E ressalto que daniel rosa que não desmereço sua tese sob hipotese alguma, sob aspecto científico realmente brasileiros são os pouquíssimos remanescentes, porém vejo a vertente filosófica de que se falamos de Brasil, como nação brasileira, pátria brasileira, esse conceito é mais recente e veio junto com pessoas que aqui vieram morar e por essa terra tomaram como lar, e assim sendo abro espaço para considerar como reais e legítimos brasileiros os filhos desta pátria que a tanto já estão por aqui que mal conseguem localizar seus vínculos familiares com a Europa, África ou onde quer que seja (e estes ainda são poucos, porém imagino que dentro em breve passaram a ser significativamente numerosos). Eu mesmo em minha família materna desconheço a origem portuguesa que a a tanto ficou para trás (sabendo somente que se trata de portuguesa pelo sobrenome).

    Mas em todo caso é meramente uma tese e opnião, porém abro espaço para isso…

    Perdoem-me mas o discurso agora será ligeiramente off-topic… (E.M. Pinto, desde já peço minhas desculpas)

    Ninguém melhor do que os Portugueses para entenderem bem o que falamos/escrevemos e ninguém melhor que os Brasileiros para entenderem o que os portugueses falarem ou escreverem… O vínculo da língua e por se assim dizer o vínculo da comunicação e do entendimento na linguagem de comunicação é um ponto fortíssimo e mesmo sendo um tanto injuriado com o português por ser uma das mais difíceis línguas do mundo…
    Sou obrigado a me render a língua dada a beleza e riqueza magistral que ele possuí especialmente a capacidade de ser tão lírica e poética (e sim, por mim não há produção literária poética melhor do que a da língua portuguesa, representada vastamente por Portugueses e Brasileiros com primor).

    Considero que seja um orgulho ler e entender Camões em seus originais, assim como Portugueses podem se dizer orgulhosos de ver obras do Parnaso de Bilac, ou fantástico Machado de Assis em seus originais. Traduções jamais serão a mesma coisa.

    Em todo caso, realmente somos irmãos sim, viemos de um mesmo início com os Portugueses, por mais que hoje a mistura de raças seja um ponto visível e que talvez nos “distancie” do “DNA Português”.

    E coloco minha posição de respeito à Pátria que um dia já foi metrópole, porém da qual nos “libertamos” dos laços menos “nobres” da colonização e demonstramos ser muito capazes, derrotando nossos irmãos portugueses até no mar.
    Respeito e muito aos portugueses por terem uma memória maior e talvez até mais nobres de sua história e darem o devido valor a símbolos nacionais e personalidades importantes, creio eu que o próprio Dom Pedro I (que em Portugal salvo não me engano não era I) é mais lembrado por nossos irmãos lusitanos do que por nós e nós quando nos lembramos dele insistimos em dizer que não passava de uma pessoa com moral altamente questionável adultero incorrigível, beirando a ninfomania em alguns relatos entre outros vários defeitos sempre apontados.

    Enfim, eu presto meu respeito a antiga nação mãe, por mais que não concorde com muito de suas ações ao longo do tempo, por mais não concorde com muitas de suas posturas ainda hoje eu presto meu respeito e solidariedade, pois como ressaltei antes ninguém melhor do que os portugueses para entender aos brasileiros e vice-versa. O vínculo da língua e de costumes e culturas compartilhadas é absurdamente forte e constituí um pilar imenso para essa tão fala irmandade, por mim uma real irmandade.

    Carcará do Cerrado

  82. Repito algo do que disse há algum tempo atrás neste Blog:

    “Não existe em toda a história deste nosso mundo, uma colonização (ou invasão como dizem alguns…) que tenha sido perfeita. Não existe uma em que não houvessem erros graves cometidos. Principalmente…não existe uma em que o colonizador não tirasse o máximo proveito daquilo que considerava seu. E por experiencia própria não conheço um povo, fruto de uma colonização, que não tenha um reparo a fazer ao país colonizador. Vejam bem… um reparo e não uma crítica constante”. Nas minhas andanças fora do país vejo sim respeito pela herança cultural e pelo sangue que corre nas veias….
    ___________________________________________________________________________________

    É importante para a saúde e qualidade deste blog que saibamos expor e comentar idéias e pensamentos com civilidade e acima de tudo com uma postura de inteligência. Postura essa que vai denunciar o nosso vedadeiro conhecimento das matérias aqui expostas. Não devemos usar o nosso nacionalismo como pretexto para ofender outras pessoas. Temos direito as nossas idéias e opiniões…isso é sagrado… Mas não temos o direito de ofender ninguém.

    Cito:PIG (como foi dito mais acima)

    Lembremo-nos do sangue que corre nas veias de muitos dos nossos compatriotas…

    Lembremo-nos do nosso passado recente…. lembrem-se que as nossas riquezas (benditas riquezas) mantiveram-nos fora do charco… As ditaduras políticas não são saudáveis para os países por elas governados…

    ___________________________________________________________________________________

    Parabéns ao Carcará do Cerrado pelo comentário bem posto. Independente de se concordar ou não resume e exemplifica aquilo que se espera encontrar em um bom blog…
    ___________________________________________________________________________________

    “A humildade na grandeza é uma grande virtude e o respeito imposto pela mesma e dignificante…”

  83. Bom dia Carcará, tudo bem?
    Como vc bem o disse, foi tão somente uma tese.
    Veja, ingleses são descendentes de…. tribos que habitavam a Europa.
    Chineses são descendentes de…antigos povos que habitavam o território chines.
    Japoneses são descendentes de… antigos povos que habitavam o territorio japones.
    Brasileiros são descendentes de… uma mescla que raças trazidas para cá quando da nossa colonização, como mão de obra escrava, pois os portugueses não obtiveram exito em dobrar a “preguiça” do povo indigena. Claro que séculos e séculos habitando o pais, todos se tornaram brasileiros. Mas tenho orgulho de ser quem e o que sou, sem sombra de dúvidas. Acho que comentários aqui no blog não vão nunca causar um entrevero internacional, hahahahaha, até pq a pessoa vem e escreve o que quer, e o fato de alguns escreverem absurdos, isso não significa a opinião de uma nação. Eu quis deixar claro que não queria gerar maior polêmica, apenas citei algumas passagens históricas, na tentativa de tentar, eu mesmo tambem, entender o que motiva um rancor neste nivel de algumas pessoas para com nossos “irmãos europeus”!
    Mas, de qualquer forma, opinião e igual a identidade, cada um tem a sua. Claro que nem sempre é agradável ouvir, ou ler, algo que vai em desencontro a nossa linha de pensamento. Claro que o respeito deve ser mantido, até pq a unica coisa que sei sobre aquele com quem estou discutindo um assunto, é uma abreviatura, quando isso, do seu nome.
    Gera polêmica pq são visões conflitantes de um mesmo assunto, e a grande cartada é saber dosar o que dizer, deixando claro o que pensa, sem no entanto ferir a contraparte que pensa o oposto! E isso meu, é dificel! Vejo alguns aqui que chegam a ofender verbalmente o outro, e é claro, logo em seguida os editores entram em ação! Acho que isso não é legal. Respeito deve ser mantido. Mas se o cara vem aqui, e diz que acha que os portugueses que aqui vieram a séculos passados sugaram quase tudo o que podiam e foram embora, ele deve ter motivo para acreditar nisso. Quem discordar, poste aqui sua opinião contrária. É só isso! Mas as coisas acabam quase se transformando em uma briga campal. Mas, assim que este tópico virar para a segunda página, será deixado para tráz.
    Eu respeito sua opinião, claro, assim como a de todos que postaram aqui, pois acreditam naquilo que escreveram. Quer sejam os ofensores, quer sejam os ofendidos. O mundo é assim desde que nos entendemos por seres racionais. Não tenho nada contra portugueses, ingleses, americanos, nigerianos, ARGENTINOS, chineses, iranianos, iraquianos ou outro povo qualquer. Cada um defende seus interesses, e suas opiniões, da forma que lhe convier.
    Um forte abraço Carcará, e um excelente final de semana.

  84. Michel Lineker :
    É otimo uma parceria entre Portugal e Brasil assim no futuro nós seremos a america e eles a Inglaterra.
    E PRA QUEM NAO LEMBRA O HOMEM QUE DECLAROU INDEPENDECIA DO BRASIL ERA PORTUGUES!!!!

    Porém, perdemos a independência declarada pelo português no séc.XX e a recuperamos no início deste século, ao qual foi proclamada por um brasileiro e devidamente reconhecida pela Comunidade Internacional…

    Independência não é uma coisa imutável, ao qual se conquista e não se perde… Cuidado, existem muitos outros requisitos além desta mera formalidade (ex. Banco Central sobre poder do próprio país, entre outros), na dúvida perguntem aos Bretães (ou ao fantasma que assombrou o Banco Central da Inglaterra por décadas) o porquê deles manterem a Libra e Bancos sobre o controle estatal…

    É o mecanismo da dívida, que torna um país dependente de outros.

    Um grande abraço.

  85. Aliás, um estadista brasileiro se matou, outro, renunciou ao saber que não era mais independente…

  86. Me fala de onde vc tirou isso Raptor, que eu quero estudar na integra. Confesso dentro do meu poço de ignorânica que dessa eu não sabia… vivendo e aprendendo. Um forte abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: